Educação infantil e atendimento remoto: ressignificando tempos, espaços e materiais

Autores

Palavras-chave:

Educação Infantil, Atendimento remoto, Práticas pedagógicas, Crianças-Famílias

Resumo

A pandemia causada pela Covid-19 acarretou transformações em todos os setores da sociedade, inclusive nas instituições educativas, desafiadas a repensar o trabalho pedagógico. Portanto, este estudo parte da premissa da relevância de se conceber reflexões que possam ressignificar as vivências educativas para um atendimento remoto de boa qualidade na Educação Infantil. Autores como Garcia (2020), Rondini et al (2020), Oliveira et al (2020), Rinaldi (2012), Freire (1983) auxiliaram a tecer este estudo. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa que teve como procedimentos: levantamento de referências; leitura; fichamento dos textos e seleção dos aspectos relacionados ao tema. Os resultados apontam que a escuta-dialogada de crianças e famílias oportuniza que tempos, espaços e materiais sejam ressignificados no contexto domiciliar, a fim de fortalecer a aprendizagem e os vínculos entre os sujeitos envolvidos, realidade que se revela através de vivências comprometidas com os direitos e necessidades da primeira infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Nerice dos Santos Pinheiro, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Pedagoga pela Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Psicopedagogia Clínica, Institucional e Hospitalar pela UniChristus. Especialista em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica pela Estácio. Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará.

Talita Almeida Rodrigues, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Mestra em Educação e Pedagoga pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Possui MBA em Gestão, Empreendedorismo e Marketing pela PUC/RS e está cursando MBA em Gestão avançada de Pessoas pela UNI7. Atualmente, está na gestão pedagógica em uma rede de escolas privadas.

Elizangela Silva Mesquita, Prefeitura Municipal de Fortaleza

Pedagoga pela Faculdade de Educação de Itapipoca. Especialista em Psicopedagogia pela Universidade Estadual do Ceará, em Docência na Educação Infantil pela Universidade Federal do Ceará e em Alfabetização e Multiletramentos pela Universidade Estadual do Ceará.

Referências

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Palácio do Planalto, Brasília, DF, 20 dez. 1996.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. CNE/MEC, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Parecer CNE/CP Nº 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da Covid-19. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP Nº 2/2020. Institui Diretrizes Nacionais orientadoras para a implementação dos dispositivos da Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2020-pdf/167141-rcp002-20/file. Acesso em: 05. jul. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. São Paulo: Boitempo, 2020.

FOCHI, P. Afinal, o que os bebês fazem no berçário?: comunicação, autonomia e saber-fazer de bebês em um contexto de vida cotidiana. Porto Alegre: Artmed, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 12e. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GANDINI, Lella. Espaços Educacionais e de Envolvimento Pessoal. IN: EDWARDS, Carolyn. As Cem Linguagens da Criança: a abordagem de Reggio Emília na Educação da Primeira Infância. Porto Alegre: Artmed, 1999.

GARCIA, L. P. Uso de máscara facial para limitar a transmissão da Covid-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúdevol.29no.2Brasília.2020 EpubApr22, 2020.

HORN, M. G. S. Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 2004. Cap. 10. p. 221-247.

OLIVEIRA, Z. M. R. (org.). A construção dos ambientes de convivência e aprendizagem nas instituições de Educação Infantil. In: O trabalho do professor na Educação Infantil. São Paulo: Biruta, 2012.

OLIVEIRA, W. K.; DUARTE, E.; FRANÇA, G. V. A.; GARCIA, L. P. Como o Brasil pode deter a COVID-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, n. 2, p. 1-8, 2020.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. O desenvolvimento profissional das educadoras de infância: entre os saberes e os afectos, entre a sala e o mundo. In: MACHADO, Maria Lúcia (Org.). Encontros e encantamentos em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2011.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emília: escutar, investigar e aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

RONDINI, C. A., Pedro, K. M., & Duarte, C. dos S. (2020). Pandemia do COVID-19 e o ensino remoto emergencial: mudanças na práxis docente. Educação, v. 10 n. 1, p. 41–57. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v10n1p41-57.

VIGOTSKY, L. V. Psicologia da Arte. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Publicado

2021-08-12

Como Citar

Pinheiro, M. N. dos S. ., Rodrigues, T. A. ., & Mesquita, E. S. . (2021). Educação infantil e atendimento remoto: ressignificando tempos, espaços e materiais. Ensino Em Perspectivas, 2(4), 1–11. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/6643

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)