O acompanhamento pedagógico do professor iniciante na Educação Infantil: conceitos, concepções e reflexões

Autores

Palavras-chave:

Acompanhamento pedagógico, Professor iniciante, Educação Infantil, Formação de professores

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre os conceitos e concepções de acompanhamento pedagógico do professor iniciante na Educação Infantil. Parte-se da premissa de que, embora o início da carreira seja uma fase do desenvolvimento profissional docente, período rico em aprendizagens, mas marcado por dificuldades de inúmeras ordens pedagógicas, burocráticas e relacionais, ele se configura como uma etapa de enfrentamento complexo. O texto apresenta-se em forma de estudo de caso, com a adoção de questionário online. Os resultados apontam para a não linearidade dos processos de acompanhamento e para o papel essencial do gestor escolar nesse período formativo. Com base nos indícios levantados, reiteramos a necessidade da realização de ações pedagógicas na escola voltadas para o apoio e acompanhamento do professor iniciante da Educação infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iris Martins de Souza Castro, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE/UECE). Graduada em Letras/Língua Portuguesa pela Universidade Estadual do Ceará. Professora efetiva da rede estadual de ensino do Ceará.

Sandy Lima Costa, Secretaria Municipal da Educação de São Gonçalo do Amarante

Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará. Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará. Professora efetiva da Educação Infantil na rede pública de ensino no município de São Gonçalo do Amarante - CE.

Isabel Maria Sabino de Farias, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Professora associada da Universidade Estadual do Ceará, vinculada ao Centro de Educação e ao Programa de Pós-Graduação em Educação. É líder do grupo de pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS/CNPq), realizando estudos sobre desenvolvimento profissional docente, inovação e docência. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 2.

Referências

ALARCÃO, I; ROLDÃO, M. C. Um passo importante no desenvolvimento profissional dos professores: o ano da indução. Formação docente, Belo Horizonte, v. 06, n. 11, p.109-126, ago./dez. 2014. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/108/97. Acesso em: 20 jun. 2021.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7441/4804 Acesso em: 24 jun. 2021.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BOGDAN, R. C.; B, K. S. Investigação qualitativa em Educação. Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.uac.ufscar.br/domumentos-1/diretrizescurriculares_2012.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf Acesso em: 24 de junho de 2017.

CRUZ. G. B.; FARIAS, I. M. S.; HOBOLD, M. Indução profissional e o início do trabalho docente: debates e necessidades. Reveduc: Revista Multilingue do Programa de Pós-graduação em Educação da UFSCar, São Carlos, v. 14, p. 1-15, jan./dez. 2020. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4149. Acesso em: 20 jun. 2021.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de S. (Orgs.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. de. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 9. ed. São Paulo: EPU, 2005.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000300007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 jun. 2021.

PLACCO, V. M. N. de S.; ALMEIDA, L. R. de; SOUZA, V. L. T. de. Retrato do coordenador pedagógico brasileiro: nuanças das funções articuladoras e transformadoras. In: PLACCO, V. M. N. de S.; ALMEIDA, L. R. de (Orgs.). O coordenador pedagógico no espaço escolar: articulador, formador e transformador. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

PRADO, R; GOMES, L. O. Entrevista Veras: Maria Malta Campos “Na Educação Infantil, o que funciona é formação em contexto” Revista Veras, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 134-151, julho/dezembro, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.14212/veras.vol6.n2.ano2016.art285. Disponíve eml: http://site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/285. Acesso em: 24 jun. 2021.

VAILLANT, D; GARCÍA, C M. Ensinando a Ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012.

VAILLANT, D. Formação de formadores: estado da prática. Rio de Janeiro: PREAL (Programa de Promoção da Reforma Educativa na América Latina e Caribe), 2003.

Publicado

2021-08-02

Como Citar

Castro, I. M. de S. ., Costa, S. L. ., & Farias, I. M. S. de . (2021). O acompanhamento pedagógico do professor iniciante na Educação Infantil: conceitos, concepções e reflexões. Ensino Em Perspectivas, 2(3), 1–12. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/6485