Estágio Supervisionado em ensino de Matemática: um relato de experiência na Educação de Jovens e Adultos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30938/bocehm.v10i28.8618

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos, Estágio Supervisionado, Ensino de Matemática

Resumo

O Estágio Supervisionado é o eixo central dos cursos de Licenciatura, voltado à formação de professores. Nesse contexto, o objetivo deste artigo é propor uma reflexão acerca das percepções de um licenciando em Ciências Exatas, com habilitação em Matemática, sobre as atividades desenvolvidas durante o Estágio Supervisionado em Ensino de Matemática no Ensino Fundamental, com alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de uma escola pública do interior do estado de São Paulo, e suas contribuições para a aprendizagem da prática profissional docente. A abordagem desse trabalho é qualitativa, em que há uma análise do relatório final de experiência entregue pelo estagiário ao final das atividades do estágio e seus relatos expressos nas aulas de estágio supervisionado. Desse modo, esse artigo apresenta um relato de experiência sobre as principais reflexões feitas pelo estagiário e como o Estágio Supervisionado pode contribuir para sua formação docente. Os resultados da pesquisa foram divididos em eixos, a saber: Análise das Observações; Análise das Regências; Análise do Estágio como um todo e suas articulações com a literatura. De um modo geral, com base nas principais reflexões levantadas pelo estagiário, nota-se que o estágio na escola foi um espaço rico de articulação entre as teorias do campo da Educação e a prática docente, mostrando que as experiências vivenciadas ao longo do semestre, como a ministração de regência, observação e apoio ao ensino e atividades de gestão foram substancialmente relevantes para a formação do futuro professor de matemática. Isso demonstrou que o estágio, de um modo geral, é um momento rico dentro dos cursos de licenciatura, uma vez que possibilita ao estudante vivenciar, na prática, a realidade da educação brasileira e a sua futura atuação profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

João Pedro Mardegan Ribeiro, Universidade de São Paulo - USP

Mestrando em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Licenciado em Ciências Exatas com habilitação em Física (2020), em Química (2021) e em Matemática (2022) pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é professor de Física, Práticas Experimentais de Física, Química, Tecnologia e Orientação de Estudos na PEI Aracy Leite Pereira Lopes. É membro de dois grupos de pesquisa: 1. Estudos e Pesquisas sobre Formação de Professores e Práticas Pedagógicas em Ensino de Ciências e Educação Ambiental - ECiEA (UNESP/UNICAMP); 2. Grupo FORMAR - Ciências (UNICAMP). Fez parte também do grupo de Educação Matemática (USP). Entre as linhas de pesquisa desenvolvidas, destacam-se: Feiras de Ciências; Métodos e estratégias de ensino; Educação Ambiental.

Referências

ALTOÉ, Renan Oliveira. A CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA NA EJA: CONTRIBUIÇÕES PARA UM APRENDIZADO SIGNIFICATIVO E PRÁTICA SOCIAL. Anais...Seminário da Licenciatura em Matemática (2014). Disponível em: < https://semat.ci.ifes.edu.br/wp-content/uploads/2015/02/VI-semat-trabalhos-completos.pdf#page=13>. Acesso em 17 de Junho de 2022.

ANGELO, Cristiane Borges; DA SILVA, Viviane Sousa. O USO DE ARTEFATOS HISTÓRICOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, v. 6, n. 16, p. 75-90, 2019.

BRANDÃO, M. Clube de Ciências: uma realidade plausível. 2017.

BELMAR, Cesar Cristiano; WIELEWSKI, Gladys Denise. Estágio supervisionado: espaço de aprendizagem de saberes para a docência em matemática na EJA. REAMEC – Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática. Cuiabá, v. 9, n. 2, e21066, maio-agosto,

https://doi.org/10.26571/reamec.v9i2.12875

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

CAVALHEIRO, G. Resolução de problemas e investigação matemática: um processo de intervenção formativa para licenciandos em matemática. 2017. p. 196, tese (Doutorado em Educação para a Ciência) Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru.

D’AMBRÓSIO, U. Por que se ensina Matemática. Disponível em https://edisciplinas. usp. br/pluginfile.php/5650788/modresource/content/1/Ubiratan% 20DA mbrosio, 2013.

DA PONTE, João Pedro et al. Histórias de investigações matemáticas. 1998.

DE CARVALHO, A.M.P. Os estágios nos cursos de Licenciatura. Coleção Ideias em Ação. CEANGAGE LEARNING. São Paulo: 2012.

DE LIMA, Francisco José; COSTA, Meirilania Primo. Registros de relatórios finais de estágio supervisionado: percepções e aprendizagens de licenciandos em matemática. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, v. 8, n. 23, p. 1155-1171, 2021.

DO SOCORRO RAMOS, Maria do Perpetuo et al. Análise Sobre Persistência e Evasão Escolar em EJA: Um estudo de Caso no Município de Castanhal-Pa. Research, Society and Development, v. 9, n. 6, p. e190963481-e190963481, 2020.

FLANDERS, N. A., Analyzing Teaching Behavior. Addison-Wesley Company, USA, 1970

FREIRE, P. (2005). Pedagogia do oprimido (41a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FUMAGALLI, L. O Ensino de Ciências Naturais no Nível Fundamental da Educação.

MENEGHETTI, Renata Cristina Geromel; REDLING, Julyette Priscila. Tarefas Alternativas para o Ensino e a Aprendizagem de Funções: análise de uma intervenção no Ensino Médio. Bolema: Boletim de Educação Matemática, v. 26, p. 193-230, 2012.

ONUCHIC, L.R.; ALLEATO, N.S.G. Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M.A.V.; BORBA, M.C. (Orgs.) Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2014. p.213 - 231.

ONUCHIC, Lourdes De La Rosa; ALLEVATO, Norma Suely Gomes. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Bolema-Mathematics Education Bulletin, p. 73-98, 2011.

PASSERINI, Gislaine Alexandre. O estágio supervisionado na formação inicial de professores de matemática na ótica de estudantes do curso de licenciatura em matemática da UEL. 121f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina. Londrina: UEL, 2007.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.

SILVA, R. M. G.; SCHNETZLER, R. P. Concepções e ações de formadores de professores de Química sobre o estágio supervisionado: propostas brasileiras e portuguesas. Química Nova, São Paulo, v. 31, n. 8, p. 2174-2183, 2008.

TEIXEIRA, Bruno Rodrigo. CYRINO, Márcia Cristina de Costa Trindade. O estágio supervisionado em cursos de licenciatura em Matemática: um panorama de pesquisas brasileiras. Educação Matemática. v.15, n.1, pp.29-49, 2013.

Downloads

Publicado

2023-02-08

Como Citar

RIBEIRO, J. P. M. Estágio Supervisionado em ensino de Matemática: um relato de experiência na Educação de Jovens e Adultos. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, [S. l.], v. 10, n. 28, p. 1–17, 2023. DOI: 10.30938/bocehm.v10i28.8618. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/BOCEHM/article/view/8618. Acesso em: 20 jul. 2024.