USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E JOGOS DIDÁTICOS COMO RECURSO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

  • João Pedro Mardegan Ribeiro Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Ensino de Matemática; Jogos pedagógicos; Tecnologia da Informação; Recursos didáticos.

Resumo

Por volta dos anos setenta começou a surgir muitos trabalhos com o objetivo de estudar o perfil subjetivo dos alunos, afirmando que o professor deve potencializar a forma de ensino a fim de atingir a maior parte de seus alunos, integrando outras metodologias junto à aula expositiva e dialogada. Fourez (2006), Gil-Perez e Vilches (2005) destacam que o processo de ensino no Brasil está em uma situação muito preocupante, e isto é comprovado por pesquisas nacionais, internacionais e indicadores de desempenho. Buch e Schroeder (2013) complementam esta fala destacando que pesquisadores elencaram alguns aspectos que levam a este fenômeno, sendo estes, a falta de capacitação de professores, as más condições de exercício do magistério, e também a falta de interesse dos estudantes em querer aprender. Assim, Pozo e Crespo (2009) afirmam que são nestes momentos difíceis que podemos refletir e propor alternativas para garantir um ensino mais significativo. Logo, ao principal objetivo deste trabalho coube analisar o quão eficiente pode ser a integração de outras metodologias frente ao ensino e aprendizado de matemática, utilizando ferramentas digitais, como o Excel, e também jogos didáticos. Essa pesquisa consistiu em analisar o desempenho de trinta e cinco alunos de uma turma de sétimo ano de uma escola pública, apoiado no conteúdo referente ao tópico Tratamento da Informação. Foi medido o desempenho dos alunos após uma sequência didática usando o método expositivo e dialogado, e também após uma segunda sequência didática usando recursos alternativos nas práticas de ensinagem. Os resultados obtidos neste trabalho mostraram que a utilização de recursos tecnológicos, assim como a utilização de jogos, melhorou substancialmente o índice de desempenho dos alunos, uma vez que a média de acerto as questões propostas aumentou formidavelmente, concluindo assim, que jogos pedagógicos e o uso da tecnologia da informação podem ser integrados em aulas de matemática para melhorar o desempenho dos alunos no entendimento dos conceitos e conteúdos matemáticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Matemática. Brasília: MECSEF,1998.

BRUNEHILD, C.; CORDEIRO, N. J.; OLIVEIRA, F. R. Jogando com probabilidade e estatística. In: 2º SIMPÓSIO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA DA REGIÃO NORTE, 2017, Santarém. Anais eletrônicos... Santarém: SBM, 2017. Disponível em: https://www.sbm.org.br/wp-content/uploads/2018/04/JogandocomProbabilidade-e-Estatistica.pdf. Acesso em 16 de outubro de 2017.

BUCH, G. M.; SCHROEDER, E. Clubes de ciências e alfabetização científica: concepções dos professores coordenadores da rede municipal de ensino de Blumenau (SC). Experiências em Ensino de Ciências, Cuiabá, v. 8, n. 01, p. 56-70, 2013.

CABRAL, M.A. A utilização de jogos no ensino de matemática. 2006. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Matemática) – Departamento de Matemática do Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

CURCIO, F. R. Comprehension of mathematical relationships expressed in graphs. Journal for research in mathematics education, p. 382-393, 1987.

D’AMBRÓSIO, B. S. Como ensinar matemática hoje. Temas e Debates. SBEM. Ano II N, v. 2, p. 15-19, 1989.

ECHEVESTE, S. et al. Estatística divertida: trabalhando com gráficos na escola. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2019.

FOUREZ, G. A Construção das Ciências: Introdução à filosofia e à ética das ciências. São Paulo: Editora UNESP, 1995.

GIL-PEREZ, D. et al. Importância da educação científica na sociedade atual. In: CACHAPUZ, A. A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

LOPES, C.A.E. et al. A probabilidade e a estatística no ensino fundamental: uma análise curricular. 125f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. MAIS – SERVIÇOES E RECURSOS EDUCACIONAIS. Dois dados e vários jogos. Campinas. Disponível em: http://www.mais.mat.br/recursos/images/5/5b/2dados.pdf. Acesso em 16 de outubro de 2017.

MARTINS, Zélia. As TIC no ensino-aprendizagem da Matemática. In: Anais do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Universidade do Minho. Portugal. 2009. p. 2727-2742.

MONTEIRO, C. E. F. M.; SELVA, A.C.V. Investigando a atividade de interpretação de gráficos entre professores do ensino fundamental. In: XXIV REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 2001, Caxambu. Anais eletrônicos...Caxambu/MG, 2001. Disponível em: http://ufrrj.br/emanped/paginas/conteudo_producoes/docs_24/investigando.pdf. Acesso em 16 de outubro de 2016.

POZO, J. I.; CRESPO, M. Á. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed, v. 5, 2009. ROSSINI, M. Educar para ser escola. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

Publicado
2020-04-11
Como Citar
RIBEIRO, J. P. USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E JOGOS DIDÁTICOS COMO RECURSO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, v. 7, n. 19, p. 74 - 90, 11 abr. 2020.