O USO DE UM JOGO DE BATALHA NAVAL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

  • João Pedro Mardegan Ribeiro Universidade de São Paulo
Palavras-chave: recurso didático, jogo, batalha naval, matemática

Resumo

Por consequência de estudos que começaram com maior ênfase nos anos setenta, como nos trabalhos de David Ausubel, Paulo Freire e Howard Gardner, sabe-se que os alunos apresentam perfis subjetivos de aprendizagem, assim, de certo, a velocidade e a forma de apropriação do conhecimento varia conforme o sujeito objeto do paradigma ensino-aprendizado. De maneira geral, sendo o professor o responsável por transformar um conjunto de matérias em conteúdo de ensino, deve ele criar seu plano de aula de forma que a maioria dos alunos sejam atingidos. Hoje, nota-se que a aula expositiva-dialogada está defasada, uma vez que os alunos não sentem atraídos em serem agentes passivos na relação ensino-aprendizado, ou seja, não sentem atraídos em ficar em silêncio apenas ouvindo o professor. Atrelado ao pensamento de que o professor deve integrar outras metodologias em suas aulas para garantir que os alunos adquiram uma aprendizagem significativa, como também haja uma maior quantidade de alunos participando da interação com o conteúdo, este trabalho teve como finalidade analisar a influência de um jogo de batalha naval como ferramenta didática no ensino de matemática para com alunos do ensino fundamental, testando se este pode ser um possível apoiador das aulas expositivas para melhora nos índices de desempenho dos alunos. Esta pesquisa consistiu em uma análise de desempenho dos alunos apenas com a aula expositiva, como também após a aplicação do jogo. Com base nos resultados obtidos notou-se que houve melhora no desempenho dos alunos após esta abordagem metodológica, mostrando a grande eficiência da integração de jogos em aulas de matemática.

 

Publicado
2019-08-31