Corantes Naturais na aprendizagem de conceitos químicos: proposta de ensino híbrido utilizando Rotação por Estações

Autores

Palavras-chave:

Corantes naturais, Ensino híbrido, Metodologias ativas, Rotação por estações

Resumo

No presente trabalho, elaborou-se uma sequência de atividades a fim de que os alunos aprendessem significativamente conceitos químicos tendo como foco o estudo de corantes naturais. A metodologia utilizada foi a Rotação por Estações, uma modalidade de ensino híbrido. Foram montados três grupos de alunos e três estações independentes, sendo a primeira no laboratório de Ciências, a segunda na sala de informática e a terceira na sala de multimídia. Cada Estação tinha um roteiro explicativo para realização das atividades. Após um determinado , estipulado previamente, os alunos trocavam de Estação, de modo que esse revezamento permitisse que todos os grupos realizassem todas as atividades propostas. A utilização dessa estratégia de ensino possibilitou que os alunos aprendessem significativamente conceitos químicos, mediados pela tecnologia. Podemos concluir que a utilização de metodologias ativas, como a de Rotação por Estações, são eficazes para que o estudante assuma o protagonismo da aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco José Mininel, Universidade Brasil

Graduado em Química, Doutor em Química UNESP, Campus de Araraquara-SP, Mestre em Química pela UNESP-Araraquara-SP.

Referências

ANDRADE, Maria do Carmo Ferreira de; do C.; SOUZA, Priscila Rodrigues de. Modelos de Rotação do Ensino Híbrido: estações de trabalho e sala de aula invertida. E-Tech: Tecnologias para Competitividade Industrial, Florianópolis, v. 9, n.1, p.03-16, jan./agosto. 2016. Disponível em: https://www.aunirede.org.br. Acesso em: 12 jul. 2021.

ARROIO, Aguinaldo; HONÓRIO, Káthia Maria; WEBER, Karen Cacilda; HOMEM-DE-MELO, Paula; GAMBARDELLA, Maria Teresa do Prado; SILVA, Alberico Borges Ferreira da. O Show da Química: Motivando o Interesse Científico. Química Nova, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 173-178, fev./mar. 2006. Disponível em: http://quimicanova.sbq.org.br. Acesso em 16 de junho de 2021.

AUSUBEL, David Paul. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, 2003. 226p.

BACICH, Lilian; NETO, Adolfo Tanzi; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. 270p.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018a. Disponível em Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/ uploads/2018/12/BNCC 19 dez 2018 site. Acesso em: 22 jul. 2019. Acesso em: nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação – MEC, Secretaria de Educação Média e Tecnológica – Semtec. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 1999a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf. Acesso em 22 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Departamento de Políticas de Ensino Médio. Parâmetros Curriculares Nacionais - Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. vol 3. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/BasesLegais.pdf. Acesso em: 22 set. 2021.

GAVA, F. G. O vídeo e seu uso na sala de aula. Prefeitura Municipal de Sorocaba/SP - Secretaria da Educação, 2015. Disponível em:

http://educacao.sorocaba.sp.gov.br/wpcontent/uploads/2015/03/OVideoeseuUso.pdf. Acesso em: 06 set. 2021.

GOMES, Debora. As metodologias ativas de aprendizagem podem revolucionar o ensino! Blog da Samba. Disponível em: https://sambatech.com/blog/cat-ead/metodologias-ativas-de-aprendizagem/. Acesso em: 28 jul. 2021.

LEAL, Murilo Cruz. Didática da química: fundamentos e práticas para o ensino médio. Belo Horizonte: Dimensão, 2009. 120p.

MORAN, José. Autonomia e colaboração em um mundo digital. Revista Educatrix, n. 7, p. 52-37, 2014. Disponível em: https://1library.org/document/zglpoxnq-rotacao-estacoes-ensino-fisica-percepcao-alunos-movimentos-verticais.html. Acesso em: 22 nov. 2021.

MOREIRA, Marco Antônio. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: UNB, 2006. 186p.

SOUSA, Leonardo Gomes de; VALÉRIO, Roberta Bussons Rodrigues. Química experimental no ensino remoto em tempos de Covid-19. Ensino em Perspectivas. Fortaleza, v. 2, n. 4, p. 1-10, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/6652/5643. Acesso em: 22 nov. 2021.

VALENTE, José Armando. Blended Learning and Changes in Higher Education: the inverted classroom proposal. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p. 79-9, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/GLd4P7sVN8McLBcbdQVyZyG/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 set. 2021.

Publicado

2022-01-07

Como Citar

José Mininel, F. (2022). Corantes Naturais na aprendizagem de conceitos químicos: proposta de ensino híbrido utilizando Rotação por Estações. Ensino Em Perspectivas, 3(1), 1–18. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/7245