O estágio supervisionado de alunos com deficiência em uma perspectiva inclusiva

The supervised internship of students with disabilities in an inclusive perspective

Palavras-chave: Estagiário com deficiência, Inclusão, Professores orientadores, Estágio supervisionado

Resumo

As políticas do ensino superior para a formação de professores que lecionam e acompanham o estágio supervisionado ainda são incipientes e ineficazes quando se percebe a dificuldade de inserção do Público Alvo da Educação Especial (PAEE). Este estudo teve como objetivo discutir sobre as relações que permeiam a prática do estágio supervisionado com estagiários que possuem deficiência. O caminho metodológico percorrido se deu através da pesquisa bibliográfica, com base notadamente em autores como Pimenta e Lima (2017), Candau (2014) e Bego (2016). Os resultados indicaram a necessidade de uma revisão dos instrumentos de gestão para o atendimento ao PAEE e que os professores orientadores encontrem no PEI (Plano Educacional Individualizado) uma ferramenta a serviço de uma prática inclusiva. Conclui-se que assim procedendo pode-se chegar a novas configurações e percepções que ampliem a participação e acolhimento da pessoa com deficiência no campo de estágio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cicera Maria Mamede Santos, Universidade Federal do Cariri

Pedagoga (UFCA). Mestranda em Educação (URCA). Especialista em Educação Profissional (PROEJA) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Graduação em Pedagogia (URCA).

Ana Paula de Oliveira Ribeiro Leite, Escola Técnica do SUS - ETSUS/Cariri.

Gestora da Escola Técnica do SUS ETSUS/Cariri. Especialista em Educação Inclusiva pelas Faculdades Integradas de Patos – FIP. Graduada em Pedagogia pela Universidade Regional do Cariri (URCA).

Fabrícia Gomes da Silva, Universidade Estadual do Piauí

Mestrado acadêmico em Educação (UECE). Psicopedagogia Clínica e Institucional (FAK). Graduação em Pedagogia (URCA).

Juliana Oliveira de Malta, Instituto Federal do Piauí

Pedagoga (IFPI), campus Oeiras. Mestranda em Educação (URCA). Especialista em Psicopedagogia (FIP-2018). Graduada em Pedagogia (UFPB – 2015).

 

Lídia Karla Rodrigues Araújo, Universidade Federal do Cariri

Pedagoga Universidade Federal do Cariri (UFCA), campus Brejo Santo. Mestra em Desenvolvimento Regional  Sustentável (UFCA 2017-2019), Graduação Pedagogia (URCA), 2001.  

Maria Socorro Lucena Lima, Universidade Federal do Cariri

Programa de Mestrado em Educação Profissional (URCA). Programa de Pós-Graduação em Educação (UECE). Doutora em Educação (USP). Pós-doutorado em Educação (USP).  Mestre em Educação (UFC). Graduada em Letras e em Pedagogia (URCA).

Referências

BEGO, A. Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 2, p. 3-24, 2016. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/98 Acesso em: 30 jun. 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23, dezembro, 1996.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes. Diário Oficial da União, Brasília, 26, setembro, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Marcos Políticos-Legais da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2010. 73 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6726-marcos-politicos-legais&Itemid=30192. Acesso em: 15 jan. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 15 de abril de 2020. Edição 72. Seção 1. p. 46

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, 07, julho, 2015.

CANDAU, V. M. (Org.). A didática em questão. 36ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FÁVERO, E. A. G.; PANTOJA, L. de M. P.; MANTOAN, M. T. E. Atendimento Educacional Especializado: aspectos legais e orientação pedagógica. São Paulo: UNICAMP, 2007.

JARDILINO, J. R.; SAMPAIO, A. M. Desenvolvimento profissional docente: Reflexões sobre política pública de formação de professores. Educação & Formação, v. 4, n. 1, p. 180-194, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/848. Acesso em: 30 jun. 2020.

KEMPINSKI, I. V.; TASSA, K. O. M.; CRUZ, G. C. Plano Educacional Individualizado: uma Proposta de Intervenção. Revista da Sobama, Marília, v. 16, n. 1, p. 23-32, 2015.

NOZU, S. C. W., BRUNO, G. M. M., CABRAL, A. S. L. Inclusão no Ensino Superior: políticas e práticas na Universidade Federal da Grande Dourados. Psicologia Escolar e Educacional, SP. Número Especial, 2018: p. 105-113. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2018/056. Acesso em: 18 abril de 2020.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2017.

Publicado
2020-10-13
Como Citar
SANTOS, C. M.; LEITE, A. P.; SILVA, F.; MALTA, J.; ARAÚJO, L. K.; LIMA, M. S. O estágio supervisionado de alunos com deficiência em uma perspectiva inclusiva. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, v. 3, n. 1, p. e313944, 13 out. 2020.