N’rondo (N’sondo) e escola: espaços de salvaguarda de direitos das meninas moçambicanas!?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v6.e11190

Palavras-chave:

Escola/N'rondo, Meninas moçambicanas, Unyago, Violências

Resumo

No presente trabalho, objetivamos refletir sobre as possíveis violências que podem ser cometidos em escolas moçambicanas e dentro dos espaços em que se realizam o unyago feminino. Desse modo, tem-se como função intrínseca analisar os direitos de proteção para o desenvolvimento físico, educacional psíquico e social das jovens meninas. Não obstante, encontramos estudos que apontam o unyago como uma das causas do não cumprimento de algumas leis para com as meninas. Os ritos de iniciação são apontados como a causa principal da desistência escolar das meninas e potencial contribuinte para os casamentos prematuros naquelas comunidades. Assim sendo, a partir da reflexão sobre algumas possíveis violências sofridas por elas, tentamos apontar caminhos para que elas possam exercer suas cidadanias nesses espaços formativos e emancipadores.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sónia André, Universidade Pedagógica de Maputo

Doutora e Mestra em Educação pela UFAL, Especialista em Ensino da Arte-Musica, Licenciada em Música, Atriz, Produtora e Diretora de Cinema. Pesquisa sobre práticas tradicionais moçambicanas, juventudes e vulnerabilidades, povos não brancos e demais sujeitos/as e espaços periferizados/os. Saberes e espaços endógenos e indígenas, ritos e rituais, Educação em espaços, também não escolares. Outras formas de ser e estar mulheres, em particular de povos negros.

Lúcia Isabel da Conceição Silva, Universidade Federal do Pará

Doutora em Teoria e Pesquisa o Comportamento pela Universidade Federal do Pará (2006). Atualmente, é professora Associada III do quadro efetivo do Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Pará, sendo docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Pará. Líder do Grupos de Estudos e Pesquisa em Adolescência, Juventude, Fatores de Vulnerabilidades e Proteção – GEPJUV/UFPA, Militante e ativista de direitos humanos.

Referências

ANDRÉ, S. O Unyago na Educação da menina/mulher entre o povo yaawo da província do Niassa/Moçambique, Tese de Doutorado, UFAL, 2019.

ANDRÉ, S. Ritos de Iniciação não acrescentam idade cronológica às meninas. Entrevista concedida ao Jornal Generus, Maputo. 21 de dezembro de 2020.

ANDRÉ, S.; VASCONCELOS, N. À Espera, Niassa/Moçambique. Thandy Produções Culturais e Estúdio Atroà. 2016.

ANDRE, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. 2. Ed. revisada. Campinas: Papirus, 2003.

ARNFRED, S. Sexuality & gender politics in Mozambique: rethinking gender in Africa. Suffolk: Boydell & Brewer; James Currey, 2011.

ARNFRED, S. Introduction. In: ARNFRED, S. (Ed.). Re-thinking Sexualities in Africa. Sweden: Nordic Africa Institute, 2004.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Governo de Moçambique. 2004.

Conversa com Anakanga Ambitimuenye duramente a gravação do filme Ku’Umbala (2019), gravado em Malulo ⁄ Sanga ⁄ Niassa ⁄ Moçambique2017.

COSSA, S. N. Corpos Ubíquos: estudo etnográfico sobre a construção social dos corpos em Moçambique. 2014. Tese (doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

GEFFRAY, C. A causa da guerra: antropologia da guerra contemporânea em Moçambique. 1ª Edição. Porto: Afrontamento, 1991.

GOVERNO DE MOÇAMBIQUE. lei 04/83 do SNE, 1983.

GOVERNO DE MOÇAMBIQUE. Lei 06/92 do SNE, 1992.

GOVERNO DE MOÇAMBIQUE, MEC, 1980.

MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL. Plano Nacional de Acção, Prevenção e Combate contra a Violência a Mulher (2008-2012). Maputo 2012.

PLANO CURRICULAR DE ENSINO BÁSICO. Governo de Moçambique. 2003.

PINHO, Osmundo. Descolonizando o feminismo em Moçambique. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 3, 2012.

Plano Nacional de Prevenção e Combate dos Casamentos Prematuros em Moçambique. Governo de Moçambique, 2015.

Publicado

2024-05-08

Como Citar

ANDRÉ, S.; SILVA, L. I. da C. N’rondo (N’sondo) e escola: espaços de salvaguarda de direitos das meninas moçambicanas!?. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 6, p. e11190, 2024. DOI: 10.47149/pemo.v6.e11190. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/11190. Acesso em: 24 jul. 2024.