Possíveis implicações da Base Nacional Comum Curricular para a formação dos professores da Educação Básica

Palavras-chave: Formação de professores, Habilidades, Competências

Resumo

Objetiva-se fomentar o debate sobre as implicações da Base Nacional Comum Curricular para a formação dos professores da Educação Básica. É traçada, para atender a esse escopo, a análise minuciosa do referido documento e da Base Nacional Comum para a formação de professores, na interface com o que lecionam autores como Machado (2018), Neira (2018) e Tardif (2002), que permitem compreender as exigências da mencionada Base para o contexto educacional contemporâneo, com ênfase no campo da formação docente. Conclui-se que a Base Nacional Comum para a formação de professores visa à formação do profissional adequado às exigências do mercado de trabalho, com atuação norteada por habilidades e competências, que desembocam em avaliações educacionais classificatórias e não formativas.

Biografia do Autor

Francisca Genifer Andrade de Sousa, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutoranda e mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Graduada em Pedagogia pela mesma universidade. Integrande do Grupo de Pesquisa Práticas Educativas, Memórias e Oralidades (PEMO).

Vitória Chérida Costa Freire, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutoranda e mestra em Educação pelo programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE/UECE), graduada em Pedagogia pela mesma universidade.

Francisca Mayane Benvindo dos Santos, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Mestrado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Estadual do Ceará. Graduada em Pedagogia (UECE); Integrante do grupo de pesquisa Práticas Educativas, Memórias e Oralidades (PEMO/UECE)

Francisca Risolene Fernandes, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Servidora pública municipal da prefeitura de Horizonte-CE. Especialista em Alfabetização e Multiletramentos; em Gestão Pedagógica da Escola Básica e em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira (UECE). Graduada em Pedagogia (UVA)

Referências

ARAÚJO, R. M.; ESTEVES, M. M. A formação docente, inicial e contínua, para o trabalho com adultos em Portugal: o olhar dos professores. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 18-35, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.25053/edufor.v2i4.2130

BARBOSA, M. L de O. Expansão, diversificação, democratização: questões de pesquisa sobre os rumos do ensino superior no Brasil. Caderno C R H, Salvador, v. 28, n. 74, p. 247-253, Maio/Ago. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-49792015000200001

BEGO, A. Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 2, p. 3-24, 2016. DOI: https://doi.org/10.25053/edufor.v1i2.1864

BRASIL. Ministério da Educação. Proposta para Base Nacional Comum da

formação de professores da Educação Básica. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: https://formacaoprofessordotcom.files.wordpress.com/2018/12/BNC-Formac%C2%B8ao-de-Professores-V0.pdf Acesso em: 10 jul.2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

CAPPELLETTI, I. F. Os conflitos na relação avaliação e qualidade da educação. Educar em Revista. p.93-107, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.41464

CARVALHO, J. M; LOURENÇO, S. G. O silenciamento de professores da Educação Básica pela estratégia de fazê-los falar. Pró-Posições. Campinas. v.29, n.2, p.235-258, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-6248-2017-0007

GATTI, B. O trabalho docente: avaliação, valorização, controvérsias. Campinas: Autores Associados, 2013.

GENÚ, M. A abordagem da ação crítica e a epistemologia da práxis pedagógica. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 3, p. 55-70, 2018. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v3i9.856

LARA, A. M. Políticas de redução da desigualdade sociocultural. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 140-153, 2016. DOI: https://doi.org/10.25053/edufor.v1i3.1621

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2002.

MACHADO, J. A de A. A BNCC e a formação de professores. Planeta Educação. São Paulo, 02 mai. 2018. Disponível em: http://www.plannetaeducacao.com.br/portal/a/78/a-bncc-e-a-formacao-de-professores Acesso em: 10 jul.2020.

MATOS, D.; JARDILINO, J. R. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 20-31, 2016. DOI: https://doi.org/10.25053/edufor.v1i3.1893

MIRANDA, M. G. Novo paradigma de conhecimento e políticas educacionais na América Latina. Caderno de Pesquisa, São Paulo, p. 37-48, 1997.

MORORÓ, L. A influência da formação continuada na prática docente. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 36-51, 2017. DOI: https://doi.org/10.25053/edufor.v2i4.1961

MOURA. D. H. Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica: Dualidade Histórica e Perspectivas de Integração. Holos, v.2, n.27, p.4-30, 2007. DOI: DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2007.11

NEIRA, M. G. Incoerências e inconsistências da BNCC de Educação Física. Revista

Brasileira de Ciências do Esporte. Minas Gerais, v. 40, n. 3, p. 215-223, 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rbce.2018.04.001

SILVA, M. R da. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista. Belo Horizonte. v.34, p.1-15, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698214130

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 4. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

VASCONCELOS, J. G.; FIALHO, L.; LOPES, T. M. Educación y libertad en Rousseau. Educação & Formação, Fortaleza, v. 3, n. 2, p. 210-223, 2018. DOI: https://doi.org/10.25053/redufor.v3i8.278

VIEIRA, S. L.; VIDAL, E. M. Construindo uma história de colaboração na educação: a experiência do Ceará. Educação & Sociedade, v. 34, n. 125, p. 1075-1093, 2013 DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302013000400004

Publicado
2020-02-03
Como Citar
ANDRADE DE SOUSA, F.; COSTA FREIRE, V.; BENVINDO DOS SANTOS, F.; FERNANDES, F. Possíveis implicações da Base Nacional Comum Curricular para a formação dos professores da Educação Básica. Revista de Instrumentos, Modelos e Políticas em Avaliação Educacional, v. 1, n. 1, p. e020003, 3 fev. 2020.