Formação e trabalho docente: uma reflexão sobre a hora-atividade no município de Crateús-CE

Autores

Palavras-chave:

Hora-atividade, Formação, Docência

Resumo

O trabalho intitulado “Formação e Trabalho docente: uma reflexão sobre a hora-atividade no município de Crateús-CE”, busca apresentar resultados alcançados a partir da escrita de um texto monográfico. É discorrido inicialmente sobre as bases históricas e legais que asseguram a existência do momento conhecido como hora-atividade docente, compreendendo também uma pesquisa de caráter documental, apoiada em leis nacionais e municipais, somadas a duas entrevistas, realizadas com a contribuição de líderes sindicais. De início realizou-se pesquisas na literatura e escolhidos os escritos de Ferreira (2016), Scholochuski (2017), Furtado e Aguiar (2019), dentre outros autores que discutem a temática em questão. Mediante a realização do trabalho concluiu-se que a conquista do direito a hora-atividade docente especificamente no município de Crateús foi fruto de uma grande luta dos professores, o que garantiu o pioneirismo do município no que se refere a implementação desse importante direito para a categoria e para um projeto de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joseane Ibiapina Freitas, Universidade Estadual do Ceara – UECE

Estudante de Especialização em Gestão Escolar (Administração, Supervisão, Orientação e Inspeção) pela Faculdade Venda Nova do Imigrante - FAVENI.

Rozilda Pereira Barbosa, Universidade Estadual do Ceará

Especialista em Psicopedagogia pelo INTA e em Gestão Pedagógica na Escola Básica pela UECE. Professora substituta na Faculdade de Educação de Crateús.

Referências

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema . Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, 2005, n. 01, p. 68-80, jan./jun. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/18027/16976. Acesso em: 12. fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Brasília, jul. 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11738.htm. Acesso em: 15. dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC/SEF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 dez. 2019.

CRATEUS. Lei nº.211, de 28 de maio de 2012. Concessão de vantagens aos professores efetivos e contratados da rede de ensino público municipal. Diário Oficial do Município, Crateús, CE, 13. jun. 2012.

CRATEUS. Lei nº.486, de 31 de janeiro de 2002. Define o Sistema de Ensino do Município de Crateús, estabelece o Estatuto dos Profissionais do Magistério Municipal e dá outras providências. Diário Oficial do Município, 2002.

FARIAS et al. Didática e Docência: aprendendo a profissão. 4. ed. Brasília, DF, 2014, 192 p.

FERNANDES, Maria Dilnéia Espíndola; RODRIQUEZ, Margarita Victoria. O processo de elaboração da Lei n. 11.738/2008 (lei do piso salarial profissional nacional para carreira e remuneração docente): trajetória, disputas e tensões. Revista HISTEDBR, 2011, n. 41, p. 88-101, mar. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/41/art06_41.pdf. Acesso em 18 fev. 2020.

FERREIRA, Marcelo. Importância da gestão pedagógica da hora atividade como pratica potencializadora da ação docente. 2016. 24 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Coordenação Pedagógica) – Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/53350. Acesso em: 22 jan. 2020.

FURTADO, Anésia Maria Martins; AGUIAR, Maria Aparecida Lapa de. A hora atividade: a conquista de um direito e seu contexto histórico. Revista Humanidades e Inovação, 2019, n. 10, p. 26-34, ago. 2019. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/1098. Acesso em: 17 jan. 2020.

MELO, Savana Diniz Gomes. Trabalho, resistência e organização dos docentes. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARA DISCUSSÃO DE PESQUISAS, 2010, Rio de Janeiro, RJ. Trabalhos... Rio de Janeiro, RJ: IUPERJ, 2010. p. 1-13. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/61702511.pdf. Acesso em: 18 fev. 2020.

SCHOLOCHUSKI, Virginia do Carmo Pabst. Discutindo a hora-atividade dos professores através de um breve levantamento bibliográfico. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 13., 2017, Curitiba, PR. Anais... Curitiba, PR: EDUCERE, 2017. P. 17539- 17552. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/23842_11791.pdf. Acesso em: 29. dez. 2019.

SIMIONATO, Marta Maria; SOARES, Solange Toldo. Teoria e metodologia da pesquisa educacional: ponto de partida para o trabalho de conclusão de curso. 2014. 124 f. Tese (Doutorado em Educação) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Irati, PR, 2014. Disponível em: https://educapes.capes.gov.br/handle/capes/177497. Acesso em: 01 abr. 2020.

Publicado

2020-07-10

Como Citar

Freitas, J. I., & Barbosa, R. P. (2020). Formação e trabalho docente: uma reflexão sobre a hora-atividade no município de Crateús-CE. Ensino Em Perspectivas, 1(2), 1–12. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/4654