Entre Imagens e Letras: a memória da redemocratização do Brasil, a partir das fotografias dos livros didáticos de história

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v.4.7336

Palavras-chave:

Ensino, Conflitos Políticos, Imagéticos, Livros Didáticos, Memória

Resumo

O Período que antecedeu a Redemocratização foi marcado por vários conflitos políticos e sociais, e o livro didático tornou-se um recurso importantíssimo para a instituição e disseminação de sua memória. Isto posto, este artigo objetiva analisar, a partir das memórias imagéticas, como a Redemocratização do Brasil foi se instituindo como acontecimento político e sociocultural do Brasil relevantes. Metodologicamente, analisa-se as fotografias dos Livros Didáticos de História do Ensino Médio, aprovados pelo PNLD 2018, que se ocupam do Período de Redemocratização. O aporte teórico que se serve este artigo auxilia na compreensão das fontes imagéticas como artefato de ensino e pesquisa. Como resultado, infere que as fontes imagéticas acerca do Período de Redemocratização, que circulam nos livros didáticos de História, instituem uma Memória política no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Risalva Ferreira Nunes de Medeiros, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Mestra em Ensino pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino (POSENSINO), associação ampla UFERSA, UERN, IFRN/CNPq. Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba, especialista em Supervisão Educacional e professora/supervisora da Prefeitura Municipal de Mossoró.

Dulcilene Leite de Amorim Moraes, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestranda em ensino -Programa de Pós-Graduação em Ensino (POSENSINO) associação ampla UERN, UFERSA, IFRN- Especialista em Docência para a Educação Profissional pelo SENAC e Especialista em Recursos Humanos (UERN). Professora de educação profissional.

Paulo Augusto Tamanini, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Professor e Orientador do Programa de Pós-Graduação em Ensino (UERN/UFERSA/IFRN) e do Departamento de Artes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Doutor em História (UFSC), com Estágio Pós-Doutoral em História pelo PNPD-CAPES na UFPR.

Ana Meyre de Morais, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestra em Ensino pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino (POSENSINO), associação ampla UFERSA, UERN, IFRN. Licenciada em Pedagogia pela UERN. Membro do Grupo de Pesquisa Imagem e Ensino (CNPq/UFERSA). Docente/Secretaria Municipal de Educação de Baraúna – RN.

Referências

ALVES, Alexandre; OLIVEIRA, Letícia Fagundes de. Conexão com a história. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2016.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos – 2. Ed. – São Paulo: Cortez, 2008. Coleção docência em formação. Série ensino fundamental/coordenação Antônio Joaquim Severino, Selma Garrido Pimenta.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Identidades e Ensino da História do Brasil. In: CARRETERO, Mário; ROSA, Alberto; GONZÁLES, Maria Fernanda. (org). Ensino de História e Memória Coletiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 2007, p. 33-52.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação. Programas Livro Didático – PNLD. Brasília, 2018. Disponível em: http://www.fnde.gov/programas/pnld.htm. Acesso em: 10 mar. 2019.

CAMPOS, Flávio de; PINTO, Júlio Pimentel; CLARO Regina. Oficina de história. 2. ed. São Paulo: Leya, 2016.

CARRANO, Paulo. Toda ditadura quer controlar o campo educacional, porque é nele que há liberdade para pensar e construir novos caminhos para a sociedade. http://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/entrevista/toda-ditadura-quer-controlar-o-campo-educacional-porque-e-nele-que-ha-liberdade/. Acesso em: 14 out. 2020.

CIAMPI, H.; CABRINI, C. Ensino de história: histórias e vivências. In: CERRI, L. F. (org.). O ensino de história e a ditadura militar. 2. ed. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2003.

DIAS, Geraldo Pedrosa de Araújo. Pra não dizer que não falei das flores. São Paulo: RGE, 1979, p. 6-49.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Ed. Centauro, 2006.

HALBWACHS, Maurice. Memória coletiva e memória histórica. In:__. A memória coletiva. 2.ed. São Paulo: Editora Revistas dos Tribunais LTDA, Capítulo II, pág. 35 a 89, 1990.

JOLY, Martine. A imagem e os signos. Lisboa, 2007.

KOSSOY, Boris. Os tempos da fotografia: o efêmero e o perpétuo. Cotia: Ateliê, 2007.

MAUAD, Ana Maria. Usos e funções da fotografia pública no conhecimento histórico escolar. Universidade Federal Fluminense. 2015.

MEDEIROS, Risalva Ferreira Nunes de. O ensino de história e o período de redemocratização em uma perspectiva imagética. 2021. Dissertação (Mestrado em Ensino) – UERN - UFERSA – IFRN, Mossoró, 2021.

SANTAELLA, Lúcia; NOTH, Winfried. Imagem: cognição, semiótica e mídia. São Paulo: Iluminuras, 2005.

SANTAELLA, Lucia. A leitura de imagens. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

TAMANINI, Paulo Augusto; MEDEIROS, Risalva Ferreira N de; MORAIS, Ana. Meyre de. Algumas ponderações acerca das imagens do Período de Redemocratização, nos livros didáticos de História. In: AGUIAR, Ana L. O; CHAVES, Flávio M, C; DE ANDRADE, Fco Ari; MUNIZ, Rita de F. (org.). Educação: práticas, diversidade e inclusão. CRV, 2020, p. 29-41.

VICENTINO, Cláudio; VICENTINO, Bruno. Olhares da história: Brasil e mundo. ed. São Paulo: Scipione, 2016.

Publicado

2022-03-20

Como Citar

MEDEIROS, R. F. N. de; MORAES, D. L. de A.; TAMANINI, P. A.; MORAIS, A. M. de. Entre Imagens e Letras: a memória da redemocratização do Brasil, a partir das fotografias dos livros didáticos de história. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 4, p. e47336, 2022. DOI: 10.47149/pemo.v.4.7336. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/7336. Acesso em: 16 maio. 2022.