Apropriação do conhecimento científico do aluno surdo no ensino superior durante a pandemia da covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v6.e10814

Palavras-chave:

Educação Inclusiva, Surdo, Ensino Superior

Resumo

A presente pesquisa é um recorte de um trabalho de mestrado desenvolvido na Universidade Regional do Cariri, que se propôs a investigar o processo de inclusão e apropriação de conhecimentos por um aluno surdo na IES. Entrevistamos professores, tradutores-intérpretes de Libras e um aluno surdo. Como objetivo geral, buscamos compreender o processo de apropriação do conhecimento científico de um aluno surdo durante a pandemia. A pesquisa se caracterizou um estudo de caso, no qual foi possível conhecer a rotina vivenciada na pandemia e como ocorreram as aulas, especificamente para o aluno surdo e seu processo de apropriação dos conhecimentos científicos. Como resultados, verificamos que as aulas, por terem acontecido de forma remota, causaram determinados bloqueios no processo de ensino e aprendizagem, e o não domínio da Libras pelos docentes e alunos ouvintes mostrou-se como um impedimento na comunicação. Portanto, o processo de apropriação dos conhecimentos científicos pelo aluno surdo apresentou fragilidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisiane Alves Dias, Universidade Regional do Cariri

Graduada em Pedagogia (URCA), Mestra em Educação pela Universidade Regional do Cariri (URCA), Especialista em Língua Brasileira de Sinais (FIP), e Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Inclusão e Ensino Superior (GEPEIES).

George Pimentel Fernandes, Universidade Regional do Cariri

Licenciatura em Pedagogia (UECE), Mestre em Educação pela Universidade Federal da Paraíba e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professor do Mestrado profissional em Educação (MPEDU) e do Mestrado Profissional Ensino de Física (SBF/URCA).

Arlane Markely dos Santos Freire, Secretaria Municipal de Educação SME/Crato-CE

Mestra em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Campina Grande (PPGEd/UFCG). Professora da rede pública do município de Crato/CE, e Membro do Grupo de Pesquisa em Política e Gestão Educacional do Laboratório de Pesquisa em Política Educacional (LEPPE).

Referências

ALMEIDA, Teresinha Fátima; VOLPE, Bruna Braga; FRASSON, Antônio Carlos. Materiais didáticos elaborados como objetos de aprendizagem: produtos educacionais para estudantes surdos no ensino regular. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Universidade Estadual do Norte do Paraná Cornélio Procópio, v. 2, n. 2, p. 135-148, 2018.

BRASIL. Lei n° 10.436 de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Legislação pela coordenação de estudos legislativos – CEDI, Diário Oficial da União, 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005.

CORRÊA, Jessica Roberta da Silva.; SANDER, Ricardo Ernani.; MARTINS, Sandra Eli Sartoreto de Oliveira. A percepção de universitários sobre a atuação do intérprete de Libras no ensino superior. Revista Educação Especial, p. 529-540, 2017.

CUNHA JUNIOR, Elias Paulino. Desafios linguísticos no ensino escolar e superior de surdos paulistanos em tempo de coronavírus. In. LIBERALI, F. C et al. (Org). Educação em tempos de pandemia: brincando com um mundo possível. 1. ed.– Campinas, SP: Pontes Editores, 2020.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

CRUZ, José Ildon. Gonçalves da; DIAS, Tárcia Regina da Silveira. Trajetória escolar do surdo no ensino superior: condições e possibilidades. Revista Brasileira de Educação Especial, v.15, n.1, p.65-80, 2009.

DORZIAT, Ana; ARAÚJO, Joelma Remígio. O Intérprete de Língua de Sinais no Contexto da Educação Inclusiva: o Pronunciado e o Executado. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 3, p. 391-410, 2012.

EMILIANO, Joyce Monteiro; TOMÁS, Débora Nogueira. Vigotski: a relação entre afetividade, desenvolvimento e aprendizagem e suas implicações na prática docente. Revista Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro, SP, 2015.

FACCI, Marilda Gonçalves Dias. A Periodização do desenvolvimento psicológico individual na perspectiva de Leontiev, Elkonin e Vigotski. Revista Cadernos Cedes, Campinas. vol. 24 n° 62, 2004.

GESSER, Audrei. Libras? Que língua é essa: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da comunidade surda. São Paulo: Parábola Editora, 2009.

GURGEL, Taís Margutti do Amaral. Práticas e formação de tradutores intérpretes de língua brasileira de sinais no ensino superior. Tese (Doutorado) - Universidade Metodista de Piracicaba, São Paulo, 2010.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa. O intérprete de Língua Brasileira de Sinais (ILS). In: LODI, A. C. B.; MÉLO, A. D. B.; FERNANDES, E. (Org.). Letramento, bilinguismo e educação de surdos. Porto Alegre: Mediação, p. 373-391, 2012.

LIMA. Juliana Corrêa de. Estratégias de ensino para acadêmicos surdos na educação superior. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Santa Maria, 2018.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MARTINS, João Carlos. Vygotsky e o Papel das Interações Sociais na Sala de Aula: Reconhecer e Desvendar o Mundo. Série Idéias, São Paulo, n.28, 1997.

MARTINS, Lígia Márcia. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico cultural e da pedagogia histórico-crítica. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho: Psicologia da Educação, São Paulo, 2011.

MARTINS, Lívia Maria Nince; LINS, Heloísa Andreia de Matos. Tecnologia e educação de surdos: possibilidades de intervenção. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente - SP, v. 26, n. 2, 2015.

MARX, Karl. Manuscrito econômicos-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MOURA, Maria Cecilia; HARRISON, Kathryn M. Pacheco. A inclusão do surdo na universidade-mito ou realidade? Revista Cadernos de tradução, Florianópolis, v. 2, n. 26, 2010.

PABIS, Nelsi Antônia. Metodologia da Pesquisa em Ciências da Educação II. Guarapuava: Unicentro, 2012.

PERLIN, Gladis. Identidades surdas. In. SKLIAR, C. (Org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, Ronice Müller de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: MEC; SEESP, 2004.

SANTOS, Ovídia Kaliandra Costa; BELMINO, José Franscidavid Barbosa. Recursos didáticos: uma melhoria na qualidade da aprendizagem. In: Fórum internacional de pedagogia, Vitória da Conquista, 2013. Anais do V FIPED, 2013.

SOUZA, Salete Eduardo. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. I Encontro de Pesquisa em Educação, IV Jornada de Prática de Ensino, 2017.

SHIMAZAKI, Elsa Midori; MENEGASSI, Renilson José; FELLINI, Dinéia, Ghizzo Neto. Ensino remoto para graduandos surdos em tempos de pandemia. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, p. 1-17, 2020.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VALDEVINO, Felippe Gonçalves; COSTA, Anderson Gonçalves; FREIRE, Arlane Markely dos Santos. Novos cenários e velhas disputas na educação básica no contexto da Covid-19. In. Redes de resistência das comunidades educativas no contexto de pandemia. Karlane Holanda Araújo; Anderson Gonçalves Costa (Orgs.), Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2021.

VYGOTSKI, Lev Semenovich. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Publicado

2024-05-02

Como Citar

DIAS, E. A.; FERNANDES, G. P.; FREIRE, A. M. dos S. Apropriação do conhecimento científico do aluno surdo no ensino superior durante a pandemia da covid-19. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 6, p. e10814, 2024. DOI: 10.47149/pemo.v6.e10814. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/10814. Acesso em: 24 jul. 2024.