O Colégio de Dão José: a educação feminina católica no nordeste oitocentista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v4.e47235

Palavras-chave:

Colégio de São José, Educação feminina religiosa, Século XIX

Resumo

A partir de meados do século XIX o Brasil começou a receber nas suas principais cidades muitas escolas europeias. Uma grande parte delas era destinada ao ensino de meninas abastadas. Entre estas escolas, destacamos o Colégio de São José que tinha origem italiana sendo vinculado à ordem das irmãs doroteias que chegou a cidade do Recife, em 1886, se instalando no bairro da Soledade. Foi no âmbito desta instituição que a escritora potiguar Magdalena Antunes (1880-1959) estudou nos seus anos de juventude, entre os anos de 1891 a 1896. Em seus anos de maturidade ela escreveu uma obra de cunho memorialístico e autobiográfico intitulada “Oiteiro: memórias de uma Sinhá-moça” (2003) onde, entre outros detalhes de sua vida de menina filha de senhores de engenho, Magdalena trouxe para as páginas de seu livro registros do momento em que ficou internada como aluna no referido colégio. O Colégio de São José evidenciava um padrão de educação feminina idealizado pela sociedade patriarcal de então, todavia, por outra via, ele possibilitava às meninas e moças abastadas o acesso ao aprendizado formal numa época em que o analfabetismo no Brasil era bastante forte, sobretudo entre as mulheres. Dessa forma, a partir de uma perspectiva metodológica interdisciplinar de análise bibliográfica e documental o nosso trabalho tem por objetivo trazer alguns aspectos da história desta instituição de ensino tomando por fonte o livro de memórias acima citado em diálogo com outras fontes igualmente importantes tais como: os livros de matrícula (1866-1919) e os Estatutos do Colégio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Genilson de Azevedo Farias, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

É Pós-doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Educação - PPGEd da UFRN.  Doutor e Mestre em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – PPGCS da UFRN, Bacharel e Licenciado em História pela mesma Universidade.Sociólogo pela Uninter e professor da SEEC-RN.

Olivia Morais de Medeiros Neta, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

É Doutora em Educação com Mestrado e Graduação em História pela UFRN. É professora do Centro de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação - PPGEd da UFRN bem como no PPGEd do IFRN. É sócia da ANPUH, da SBHE e da ANPEd. Editora da Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica e History of Education in Latin America – HistELA. Contribuição de autoria: Supervisora de estágio pós doutoral e orientadora do artigo.

Referências

ANTUNES, Magdalena. Oiteiro: memórias de uma sinhá moça. Natal: A. S. Editores, 2003.

ARRAIS, Raimundo Pereira Alencar. O pântano e o riacho: a formação do espaço público no Recife do século XIX. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2004.

AZZI, Riolando. Educando pela via do coração e do amor (1866-1889). Rio de Janeiro: Congregação das Irmãs de Santa Doroteia no Brasil, 2000. (Volume 1)

AZZI, Riolando. Educando pela via do coração e do amor (1889-1948). Rio de Janeiro: Congregação das Irmãs de Santa Doroteia no Brasil, 2002. (Volume 2)

BRASIL. Lei de 15 de outubro de 1827. Revista Em Questão, Natal, v. 36, n. 22, p. 240-242, set./dez. 2009.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

COLÉGIO DE SÃO JOSÉ. Estatutos. Recife: [s. n.], 1928.

COLÉGIO DE SÃO JOSÉ. Livro de matrículas do Colégio de São José (1866-1919). Recife: [s. n.], [191?].

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 14 jun. 1893.

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 1 jul. 1891.

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 14 jul. 1891.

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 16 jul. 1891.

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 17 jul. 1891.

DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 18 jul. 1891.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Zahar, 1994. (Volume 1)

FARIAS, Genilson de Azevedo. Com açúcar, com afeto: representações femininas na escrita memorialística autobiográfica de Magdalena Antunes (1880-1959). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

FARIAS, Genilson de Azevedo. Auta de Souza, a poeta de “pele clara, um moreno doce”: memória e cultura da intelectualidade afrodescendente no Rio Grande do Norte. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.

FARIAS, Genilson de Azevedo. Auta negra: uma voz feminina no Rio Grande do Norte oitocentista. Natal: Caravela Selo Cultural, 2018. (Série Humanidades I, Coleção Natal 420 anos).

FRASSINETTI, Paula. Cartas. [s. l.]: Edição da Província Portuguesa Sul, 1987a. (Volume 1)

FRASSINETTI, Paula. Cartas. [s. l.]: Edição da Província Portuguesa Sul, 1987b. (Volume 2)

FREYRE, Gilberto. Modos de homem & modas de mulher. São Paulo: Global, 2009.

FREYRE, Gilberto. Vida social no Brasil nos meados do século XIX. São Paulo: Global, 2008.

NUNES, Maria José Rosado. Freiras no Brasil. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013.

GOMES, Ana Laudelina Ferreira. Auta de Souza: a noiva do verso. Natal: EDUFRN, 2013.

JOTA, Allcydet Andreza Pereira; MEDEIROS NETA, Olivia Morais de; MEDEIROS, Aliny Dayany Pereira de. Nísia Floresta e a educação feminina no Brasil (Século XIX). Fortaleza: Ensino em Perspectivas, v. 1, n. 1, p. 1-14, 2020.

QUINTAS, Fátima. O Recife: passeio à antiga. Recife: Bagaço. 2008.

SACRISTÁN, José Gimeno. O aluno como invenção. Porto Alegre: Artmed, 2005.

Publicado

2022-05-01

Como Citar

FARIAS, G. de A.; MEDEIROS NETA, O. M. de. O Colégio de Dão José: a educação feminina católica no nordeste oitocentista. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 4, p. e47235, 2022. DOI: 10.47149/pemo.v4.e47235. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/7235. Acesso em: 16 maio. 2022.