Impactos antrópicos no ecossistema manguezal da praia de Requenguela, no município de Icapuí – CE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v3i3.7176

Palavras-chave:

Mangue, Recuperação, Antropização

Resumo

O trabalho identifica as principais ações antrópicas que degradam e desequilibram o meio ambiente, principalmente sobre o ecossistema manguezal, além de apresentar uma proposta para a recuperação de um fragmento florestal de mangue da praia de Requenguela, no município de Icapuí, estado do Ceará, Brasil. Para identificar e analisar as ações antrópicas, foi realizada uma visita de campo para constatar os fatores preponderantes para a degradação ambiental do ecossistema estudado. Destaca-se que a área intensamente antropizada nessa praia possui uma extensão de aproximadamente 12,86 hectares, onde serão implantadas 213 unidades de plantio no modelo em “ilhas” em toda a extensão, como proposta para recuperação, sendo cada uma destas composta por 63 mudas de mangue preto e branco. Ressalta-se que também foi proposto para este estudo um “Plantio Adensado de Sementes” na borda da vegetação consolidada e na área mais seca, para maximização dos esforços e promover uma recuperação mais rápida da área. Para a borda do mangue, serão inseridas 5.760 mudas de mangue vermelho, totalizando assim, um plantio de 19.179 mudas em toda a extensão da área. O ciclo do plantio das mudas irá dispor de um intervalo de tempo de quatro meses, pois esse é o período necessário para iniciar a preparação das mudas até se desenvolverem e estarem aptas a serem plantadas. Considerando um índice de sobrevivência em campo de 10% das mudas, seriam necessários aproximadamente 15 anos para que toda a área esteja recoberta por mudas estabelecidas e, assim, promover a recuperação da dinâmica do ecossistema local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Andrade Dourado, Pesquisador autônomo

Engenheiro Ambiental e Sanitarista pela UNIFOR. Mestrando em Geografia pela UVA Sobral.

Caike Silva Cândido Damasceno, Pesquisador autônomo

Engenheiro Ambiental e Sanitarista pela UNIFOR. Especialista em Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto pela UECE.

Irla Gonçalves Barbosa, Consultora Independente

Geóloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestrado em Geologia pela Universidade do Ceará (UFC).

Gleiber Chagas da Silva, Consultora Independente

Geólogo pela Universidade Federal do Ceará; Mestre em Geotecnia (UFC) e Especialista em Engenharia de Petróleo pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR).

Márcia Thelma Rios Donato Marino, Consultora Independente

Graduação em Geologia pela Universidade de Fortaleza (1984).  Aperfeiçoamento em Mapeamento Geológico pela Universidade Federal de Minas Gerais (1985). Mestrado em Geologia pela Universidade Federal do Ceará (2004). Doutorado em Geologia pela Universidade Federal do Ceará (2014). 

Referências

Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (AQUASIS)/Fundação Brasil Cidadão para a Ciência, Tecnologia, Educação e Meio Ambiente (FBC). Relatório parcial de atividades. Identificação de áreas prioritárias para conservação e recuperação. Icapuí: AQUASIS/FBC, 2003. 550 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Manguezais. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/biodiversidade/biodiversidade-aquatica/zona-costeira-e-marinha/manguezais>. Acesso em: 12 de maio 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio. Parque Nacional da Serra da Bocaina (PNSB). Roteiro de apresentação para Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD) terrestre. Versão 03. Brasil: MMA 2013.13 p. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/parnaserradabocaina/images/stories/o_que_fazemos/gestao_e_manejo/Roteiro_PRAD _versao_3.pdf. Acesso em: 20 de maio 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Federal nº 12.651, de 25 de Maio de 2012. Institui o atual Código Florestal. Lei nº 12.651.

BRASÍLIA. DF: DOU, de 28.5.2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 14 maio 2018.

FERNANDES, R. T. V. Recuperação de manguezais. Rio de Janeiro: Interciência, 2012. 78 p.

FUNDAÇÃO BRASIL CIDADÃO (FBC). Caracterização Ambiental e Sócio-Econômica dos Ecossistemas da Paisagem Costeira da Estação Ambiental Mangue Pequeno. Caderno Eva, 2005. X p.

ICAPUÍ. A Cidade. Diagnóstico dos principais problemas sócio-ambientais nos municípios da zona costeira. 2011. Disponível em: http://www.acidadeicapui.com.br/2011/04/diagnostico-dos-principaisproblemas.html. Acesso em: 20 maio 2017.

NOFFS, P. da S.; GALLI, L. F.; GONÇALVES, J. C. Recuperação de áreas degradadas da Mata Atlântica. Uma experiência da CESP Companhia Energética de São Paulo. Série Cadernos da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, n.3. 2ª ed. Brasília: MMA, 2000. 48 p. Disponível em: http://www.rbma.org.br/rbma/pdf/caderno_03.pdf. Acesso em: 20 mai. 2017.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; VALE, C. C. do; CINTRÓN, G. Monitoramento do ecossistema manguezal: estrutura e características funcionais. In: TURRA, A.; DENADAI, M. R. (Orgs.). Protocolos para o monitoramento de habitats bentônicos costeiros – Rede de Monitoramento de Habitat Bentônicos Costeiros – ReBentos [online]. São Paulo: Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, 2015, pp. 62-80. Disponível em: http://books.scielo.org/id/x49kz/pdf/turra-9788598729251-05.pdf. Acesso em: 12 de maio 2017.

SILVA, J. de A. da. Manguezal do Estuário Barra Grande em Icapuí-CE: da degradação ao processo de recuperação e mudança de atitude. 2012. 149 f. Dissertação (MESTRADO) - Curso de Programa de Pós-graduação em Geografia, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

Publicado

2021-10-11

Como Citar

DOURADO, Álvaro A.; DAMASCENO, C. S. C.; BARBOSA, I. G.; SILVA, G. C. da; MARINO, M. T. R. D. Impactos antrópicos no ecossistema manguezal da praia de Requenguela, no município de Icapuí – CE. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 3, n. 3, p. e337176, 2021. DOI: 10.47149/pemo.v3i3.7176. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/7176. Acesso em: 18 out. 2021.