A educação bilíngue para surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v3i3.5570

Palavras-chave:

Educação, Bilíngue, Surdos

Resumo

O presente artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre como está a qualidade do ensino de crianças surdas em nosso país. Inicialmente vamos levantar algumas teorias que nos comprovam como a utilização da língua brasileira de sinais é essencial para que o processo de ensino e aprendizagem de alunos surdos. Feito isso, vamos brevemente, mostrar como algumas constatações históricas nos mostram que os indivíduos surdos precisam dominar os processos de leitura e escrita do português para poder exercer plenamente seus direitos de cidadãos. Entendido isso, passamos a propor a majestosa educação bilíngue para surdos. Conclui-se com uma síntese das principais teorias abordadas e com uma reflexão sobre como é importante que os professores sejam bilíngues para que possam utilizar-se da língua brasileira de sinais para ensinar significativamente seus alunos a dominarem os processos de leitura e escrita e dessa forma torna-los preparados para exercerem sua cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Izilda de Carvalho Noleto Silva, Universidad Técnica de Comercialización y Desarrollo

Técnica em Docência para a Educação Especial na Modalidade de Estudos Adicionais; Pedagoga; Professora de Artes Visuais; Especialista em Educação Especial em Contexto de Inclusão; Especialista em Libras/Português Tradução e Interpretação.

Referências

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 2005.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de abril de 2002.

CARVALHO, E. R. Educação Inclusiva com os Pingos nos Is. Porto Alegre: Ed. Mediação, 2004.

CHOMSKY, N. Knowledge of Language: its origin, nature and use. New York: Praeger, 1986.

GOLDMANN, L. Dialética e Cultura. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1972.

LYONS, J. Lingua(gem) e Lingüística: uma introdução. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

MAZZOTA, M. Educação Escolar ou Especial. São Paulo: Pioneira, 1986.

QUADROS, R. M. de & KARNOPP, L. Língua de Sinais Brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ArtMed, 2004.

SASSAKI, R. K. A Inclusão: Construindo uma Sociedade para Todos. Rio de Janeiro: Ed. Wva, 1999.

SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SKLIAR, C. B. Os Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, C. B. (Org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.

Publicado

2021-06-15

Como Citar

SILVA, I. de C. N. A educação bilíngue para surdos. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 3, n. 3, p. e335570, 2021. DOI: 10.47149/pemo.v3i3.5570. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/5570. Acesso em: 23 out. 2021.