A Formação didático-pedagógica do docente de matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v6.e10819

Palavras-chave:

Formação de Professores., Conhecimento Profissional. , Educação Matemática.

Resumo

Este artigo aborda a formação didático-pedagógica de futuros professores de Matemática através de uma perspectiva descritiva exploratória, destacando a relevância das disciplinas específicas e pedagógicas independentemente do método de ensino. Considera-se que as recentes mudanças na Educação Básica no Brasil trazem desafios significativos, como a necessidade de uma compreensão aprimorada sobre o aluno, o próprio papel do educador e novas abordagens de ensino e avaliação. Tais mudanças demandam uma reavaliação dos conceitos e procedimentos matemáticos tradicionais, visando uma compreensão crítica e contextualizada da Matemática como prática social. O artigo argumenta que o atual cenário educacional exige dos professores competências que não estão sendo suficientemente desenvolvidas em sua formação, apontando para a importância de uma base teórica e prática que atenda às necessidades do conhecimento profissional na área de Educação Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Manoel Antonio de Abreu Pestana dos Santos, Universidade de São Paulo USP

Membro da Rede Nacional da Ciência para a Educação- CPe Membro da Associação Brasileira de Autoimunidade Docente Pesquisador em Educação e Neurociência aplicada ABEPEE- Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial UNESP Associado(a) na categoria de Profissional, Nº de matrícula 15713, da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNeC) USP, filiada no Brasil, à Federação das Sociedades de Biologia Experimental (FeSBE), à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e no exterior, à International Brain Research Organization (IBRO) e à Federação das Associações Latino Americanas e do Caribe de Neurociências Student Membership International Society for Telemedicine and eHealth -EUA e Membro da ABTms - Associação Brasileira de Telemedicina e Telessaúde.

Referências

ARDERY, M. Engenharia Didática. Didáticas das Matemáticas. Lisboa: Instituto Piaget, 1988.

ASSMANN, Reencantar a Educação Rumo à sociedade. Petrópolis: Ed. Vozes, 1988.

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização Matemática na perspectiva do letramento. Caderno 07/ Ministério da Educação, Brasília: MEC, SEB, 2015.

CASTRO, F. C. de. Tornando-se professor de matemática: o caso de Allan em prática de ensino e estágio supervisionado. In: FIORENTINI, D. Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003.

CORBUCCI, P. R. Dimensões estratégicas e limites do papel da educação para o desenvolvimento brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 16, n. 48, set./dez. 2011.

CURI, E. Análise de propostas presentes no material de matemática do PEC-Universitário, à luz de resultados de investigações e teorias sobre formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus,1996.

FONSECA, Laerte. Protocolo Neuropsicopedagógico de Avaliação Cognitiva das Habilidades Matemáticas. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2013.

FIORENTINI, D.; SOUZA JÚNIOR, A. J.; MELO, G. F. A. Saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. A. (Org.) Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado de Letras, Associação de Leitura do Brasil, 1998. p. 307-335

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de janeiro, Paz e Terra, 1997.

KASTRUP, Virgínia. Agir, aprender, atuar. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v6n1/v6n1a03.pdf 2001

LIBÂNIO, J. C. Escola pública brasileira, um sonho frustrado: falharam as escolas ou as políticas educacionais? Goiânia: CEPED, 2011

LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

LURIA, A. R. Fundamentos de neuropsicologia. São Paulo: Edusp, 1981.

MALLOY-DINIZ, L.F.; Sedo, M.; Fuentes, D. & Leite, W.B. (2008). Neuropsicologia das funções executivas. In: D. Fuentes, L. F. Malloy-Diniz, C. H. P. Camargo, R. M. Cosenza & col., Neuropsicologia: Teoria e prática. (pp. 187-206). Porto Alegre: Artmed.

MIORIM, M. A. Introdução à História da Educação Matemática. São Paulo: Ed. Atual, 1998.

NACARATO, A. M. (Org.). Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática. São Paulo: Musa Editora, 2005.

MUNIZ, C. A. Políticas públicas e formação inicial e continuada de professores que ensinam matemática. 2008.

NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A. V. (Org.). A formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

PARCIANELLO, Leudemila e KONZEN, Paulo C., Docência no ensino superior: o uso das novas tecnologias na formação de professores na licenciatura. 2011

PONTE, J. P.; CARREIRA, S. Spreadsheet and investigative activities: A case study of an innovative experience. In: PONTE, J.; MATOS, J. F.; MATOS, J. M.; FERNANDES, D. (Eds.). New information technologies and mathematical problem solving: Research in contexts of practice. Berlin: Springer, 1992.

PEREZ GOMES, A. L. La cultura escolar em la sociedad posmoderna. Barcelona: Morata, 1998

SANTOS, D. M. A. DE A. P.; COQUI, A. D.; NETO, B. E. C. Tecnologias da informação e comunicação: a necessidade de inserção dos jovens na educação básica. Revista Processando o Saber, v. 14, n. 01, p. 61-72, 18 maio 2022.

SOUZA, N.; ROSEIRA, N. A Contextualização no Processo de Ensino-Aprendizagem da Matemática, 2010.

SHULMAN, Lee S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, New York, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA (Sbem). Subsídios para a discussão de propostas para os cursos de licenciatura em matemática: uma contribuição da sociedade brasileira de educação matemática. São Paulo, 2003.

SOUZA, A.C.; PEREZ, G; BICUDO, I; BICUDO, M.A.V.; SILVA, M.G.P.; BALDINO, R.R.; CABRAL, T.C.B. Novas diretrizes para a Licenciatura em Matemática. Temas e Debates, 1995.

VARIZO, Zaíra da Cunha Melo. Os caminhos da didática e sua relação com a formação de professores de matemática. In: NACARATO, A.M.; PAIVA, M.A.V. (orgs). A formação do professor que ensina matemática. Ed. Autêntica, 2008.

Publicado

2024-03-18

Como Citar

SANTOS, D. M. A. de A. P. dos. A Formação didático-pedagógica do docente de matemática. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 6, p. e10819, 2024. DOI: 10.47149/pemo.v6.e10819. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/10819. Acesso em: 24 jul. 2024.