Articulações políticas em torno da Base Nacional Comum Curricular (BNCC): a área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias no Ensino Médio

Autores

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Qualidade da Educação, Competência, Identidade

Resumo

O trabalho situa-se no campo das políticas educacionais, especificamente voltado para o estudo de natureza teórica de políticas curriculares, numa perspectiva pós-estrutural da teoria política do discurso e do currículo. Nessa perspectiva, temos como propósito interpretar as partes comuns e diversificadas da Base Nacional Comum Curricular – BNCC Ensino Médio – focando as Ciências da Natureza e suas Tecnologias, de modo a problematizar discursos que fundamentam a significação da qualidade da educação científica vinculados a demandas que instituem as concepções de currículo, competência e habilidade, assim como às demandas identitárias. Foi possível identificar demandas por um currículo ‘transparente’, seguindo os ideais de objetivismo e padronização da aprendizagem, baseadas em um ideal de sociedade e sujeito advindos de certas características ditas essenciais na sociedade contemporânea. As demandas por competências e habilidades aparecem em busca de um ‘saber fazer’, por uma antecipação das ações do sujeito através da aceitação última de uma capacidade de ação social única para todos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clívio Pimentel Júnior, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia. Professor no Programa de Pós-Graduação em Ensino, no Centro das Humanidades, da Universidade Federal do Oeste da Bahia. Líder do Grupo de Pesquisa Políticas de Currículo, Diferença, Educação em Ciências. Sócio da Associação Brasileira de Currículo (ABdC) e da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPED). Tem se dedicado ao estudo na área de Educação - (Auto)Biografias e Formação de Professores; Currículo, Cultura e Cotidiano escolar; Política de Currículo, Diferença e Ensino de Ciências e Biologia.

Hugo de Figueiredo Santo, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Graduando em Ciências Biológicas - Licenciatura na Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Barreiras, Bahia, Brasil.

Késsio Johnes da Silva Linhares, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Graduando em Ciências Biológicas - Licenciatura na Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Barreiras, Bahia, Brasil. Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Vitoria Loiza Ferreira Rocha Amorim, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Graduanda em Ciências Biológicas - Licenciatura na Universidade Federal do Oeste da Bahia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Barreiras, Bahia, Brasil.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2018.

BIESTA, G. Para Além da Aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BURBULES, N. Uma gramática da diferença: algumas formas de repensar a diferença e a diversidade como tópicos educacionais. In: GARCIA, Regina Leite; MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa (Org.). Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.

FRANGELLA, R. C. P. Padrão-Política: fincando prioridade e propriedade no terreno educacional. Currículo sem Fronteiras, v. 19, n. 3, p. 828-843, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.35786/1645-1384.v19.n3.02. Acesso em: 11 jul. 2021.

HYPOLITO, A. M. BNCC, Agenda Global e Formação Docente. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 187-201, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.995. Acesso em: 11 jul. 2021.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

LOPES, A. C. Política de Currículo: recontextualização e hibridismo. Currículo sem Fronteiras, v. 5, n. 2, p. 50-64, Jul/Dez, 2005. Disponível em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol5iss2articles/lopes.pdf. Acesso em: 11 jul. 2021.

LOPES, A. C. Políticas de integração curricular. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

LOPES, A. C. Políticas de Currículo em um enfoque discursivo: notas de pesquisa. In: LOPES, A. C.; OLIVEIRA, A. L.; OLIVEIRA, G. G. A teoria do discurso na pesquisa em educação. Recife: Ed. UFPE, 2018. p. 133-167.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista E-Curriculum, v. 12, n. 3, p. 1530-1555, out./dez. 2014. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/21666. Acesso em: 11 jul. 2021.

OLIVEIRA, G. G.; OLIVEIRA, A. L.; MESQUITA, R. G. A Teoria do Discurso de Laclau e Mouffe e a Pesquisa em Educação. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 1327-1349, out./dez. 2013. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade&gt.Acesso em: 11 jul. 2021.

PIMENTEL-JÚNIOR, C.; DIAS, R. E.; CARVALHO, M. I. S. S. Significações de Qualidade e Crise da Educação Científica nas Políticas Curriculares para o Ensino de Ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, n. 3, p. 147-168, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p147. Acesso em: 11 jul. 2021.

PIMENTEL-JÚNIOR, C. Demandas discursivas regulatórias para “fazer a BNCC sair do papel” no Oeste da Bahia. Roteiro, v. 46, p. e23806, 2020a. Disponível em: https://doi.org/10.18593/r.v46i0.23806. Acesso em: 11 jul. 2021.

PIMENTEL-JÚNIOR, C. Demandas Identitárias nas Políticas de Currículo para o Ensino das Ciências. Revista Atos de Pesquisa em Educação, v. 15, n. 1, p. 94-119, 2020b. Disponível em: https://dx.doi.org/10.7867/1809-0354.2020v15n1p94-11. Acesso em: 11 jul. 2021.

PIMENTEL-JÚNIOR, C. Demanda como Unidade de Análise e a Produção de Dados nas Pesquisas em Políticas de Currículo. In: Raimundo Dutra de Araújo; Francisco Antonio Machado Araujo. (Org.). Processos metodológicos na pesquisa em educação: dispositivos de produção e análise de dados em movimento. Teresina: EDUFPI, 2020c, p. 323-340.

PIMENTEL-JÚNIOR, C. Base Nacional Comum Curricular no Oeste da Bahia: políticas da tradução em relatos de professores. Currículo sem Fronteiras, v. 21, n. 2, p. 901-923, maio/ago. 2021. Disponível em: http://dx.doi.org/10.35786/1645-1384.v21.n2.22. Acesso em: 10 ago. 2021.

SILVA, T. T. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

ZABALA, A; ARNAU, L. Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Publicado

2022-01-07

Como Citar

Pimentel Júnior, C., de Figueiredo Santos, . H., da Silva Linhares, K. J. ., & Ferreira Rocha Amorim, V. L. . (2022). Articulações políticas em torno da Base Nacional Comum Curricular (BNCC): a área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias no Ensino Médio. Ensino Em Perspectivas, 3(1), 1–23. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/7273