A ESPIRAL DE TESLA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MULTIPLICAÇÃO

  • ELAINE de Sousa TEODOSIO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO CEARÁ
Palavras-chave: História da matemática; Mapa da Multiplicação; Recurso didático

Resumo

O presente trabalho apresenta resultados parciais de uma pesquisa de natureza bibliográfica que estuda a Espiral de Tesla ou Mapa da Multiplicação como recurso metodológico no desenvolvimento da prática pedagógica no Ensino Médio, principalmente para os alunos que têm dificuldade com a multiplicação. No texto apresentamos como obtemos os múltiplos. O texto apresenta ainda ideias importantes que justificam a importância da História da Matemática no processo educativo.  Além disso, a Espiral de Tesla na formação de professores, como uma estratégia metodológica, pode contribuir efetivamente na re(siginificação) da multiplicação promovendo impactos no processo de ensino e aprendizagem. A História da Matemática motiva e estimula a participação dos alunos no processo educativo, enriquece o desenvolvimento das aulas, esclarece dúvidas e questionamentos, pois apresenta a Matemática como uma criação humana, os discentes  percebem que a mesma passou por diversas transformações ao longo do processo histórico, compostas de erros e acertos e, assim é possível  desconstruir, em alguns professores e alunos, a visão de que a Matemática é um saber estático, hermético, composto de conhecimentos inquestionáveis e imutáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Estado da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CARVALHO, D. A EDUCAÇÃO ESTÁ NO GIBI. Campinas: Papirus, 2006.

CAVALCANTE, L. A. de O. NO DIA MAIS CLARO: um estudo sobre o sentido atribuído às histórias em quadrinhos por professores que ensinam matemática em formação. 2014. 212 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014. Acesso em 10/12/2017.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática da teoria a prática. 23 ed. Campinas: Papirus, 2016.

DIAS, M. S. Formação da imagem conceitual da reta: um estudo do desenvolvimento do conceito na perspectiva lógico-histórica. 2007. Tese (Doutoramento em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2007.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 6. ed. São Paulo: Loiola, [1991] 2007.

FIORENTINI, D.; OLIVEIRA, A. T. C. C. O lugar das Matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e práticas formativas? Bolema, Rio Claro, v.27, n.47, p. 917-938, 2013.

MORAES, M. C. DA ONTOLOGIA E EPISTEMOLOGIA COMPLEXA À METODOLOGIA TRANSDISCIPLINAR. Revista Terceiro Incluído, 2015, Goiânia. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/teri/article/view/36344/18700.

MOURA, Manoel Oriosvaldo de; ARAUJO, Elaine Sampaio; SERRÃO, Maria Isabel Batista. Atividade Orientadora de Ensino. Linhas Críticas, [s.l.], v. 24, p.411-430, 13 fev. 2019. Biblioteca Central da UNB. http://dx.doi.org/10.26512/lc.v24i0.19817.

MIGUEL, Antônio; MIORIN, Maria A. História na educação matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

PIMENTA, S. G. A formação de professores: saberes da docência e identidade. Nuances, Presidente Prudente, v.3, p.5-14, 1997.

Publicado
2020-07-12
Como Citar
TEODOSIO, E. A ESPIRAL DE TESLA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MULTIPLICAÇÃO. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, v. 7, n. 20, p. 233-240, 12 jul. 2020.