Estudo dos efeitos da seca sobre a produção e a exportação das principais frutas cearenses (2012 a 2015)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47149/pemo.v3i3.7168

Palavras-chave:

Seca, Agronegócio, Fruticultura

Resumo

O estudo objetiva verificar se houve impacto tanto econômico quanto social da seca sobre a produção de frutas frescas no Ceará, no período de 2012 a 2015; bem como verificar a viabilidade da produção no período estudado. A metodologia adotada apresenta uma abordagem qualitativa, partindo da revisão de literatura e da estatística descritiva comparativa. As análises dos resultados mostram que a economia cearense foi impactada por esse fenômeno, ao qual tem ocasionado vários problemas sociais como a migração do sertanejo de sua cidade natal para centros urbanos, fome, doenças, desemprego, dentre outras calamidades. As estiagens consecutivas impactam diretamente no abastecimento de água, e na produção agrícola. As produções agrícolas são as que mais sofrem em períodos de seca. Vale destacar que as exportações estão reduzindo-se, assim como a produção de frutas frescas por meio da irrigação, que se mostravam como uma atividade agrícola viável até o ano de 2013, mas com a persistência da estiagem, a partir de 2014 a produção de frutas a partir da irrigação começa a apresentar variações negativas, já que a irrigação faz uso de água armazenada nos reservatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessica Maria do Nascimento , Pesquisadora autônoma

Economista pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Mestre em Economia Rural pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Nataniele dos Santos Alencar, Universidade Estácio de Sá

Economista pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Mestre em Economia Rural pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Denis Fernandes Alves, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal de Pernambuco (PIMES/UFPE). Mestre em Economia pelo Programa de Pós-graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPECO/UFRN). Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Regional do Cariri (URCA).

Francisco do O' de Lima Júnior, Universidade Regional do Cariri

Doutor em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp). Professor Associado do Departamento de Economia da URCA (DE/URCA), e também da Diretoria do Geopark Araripe. Membro Permanente do Programa de Pós-graduação em Planejamento e Dinâmicas Territoriais do Semiárido (Mestrado Acadêmico), da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA), de 2019-2023.

Referências

ADECE – Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará. Perfil da produção de frutas Brasil Ceará. Governado do Estado do Ceará. Conselho de Desenvolvimento Econômico, 2013.

ASA - ARTICULAÇÃO DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Disponível em: <http://www.asabrasil.org.br/>. Acesso em: 02 abr. 2017.

BRASIL. ADECE – Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará. Ceará. Polos de Produção Irrigada. Ceará, 2012. Disponível em:<http://www.adece.ce.gov.br/>. Acesso em: 02 abr. 2017.

BRASIL. ASA - ARTICULAÇÃO DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Programa Um Milhão de Cisternas. Recife. 19 p. Disponível em: <https://issuu.com/articulacaosemiarido/docs/folder_p1mc/3?e=15917728/12281491> Acesso em: 02 abr. 2017.

CAMPOS, T. R; KHAN, S. A. Efeitos das secas sobre o pequeno produtor rural do Nordeste. Revista economia do Nordeste, Fortaleza, v. 20, p. 9-30, jan/mar.1989. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/4980> Acesso em: 02 abr. 2017.

FERREIRA, S. F.; MORENO, C. B. N.; EVANGELISTA, B. S. J. et al. A fruticultura no Ceará: evolução e tendências na região metropolitana do CARIRI. Enciclopédia Biosfera, v. 10, p. 1-13, 2014.

FÓRUM CEARENSE DO COMITÊ DE BACIAS HIDROGRÁFICAS. Comitê de Bacias hidrográficas do Ceará. Disponível: <http://www.forumcearensedecbh.com.br/>. Acesso em: 25 de jun. 2017.

FUNCEME - Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos 2016. Disponível em: <http://www.funceme.br/>. Acesso em: 02 abr. 2017.

HOLANDA, R. C. V.; SEGUNDO, M. D. M.; CAMPOS, T. R. Rentabilidade da fruticultura irrigada: o caso do mamão (carica papaya, L.) no projeto Jaguaribe-Apodi, Ceará. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural – Sober, 37., 1999, Foz de Iguaçu. Anais...Brasília: SOBER, 1999. v. 1. Disponível em: <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5140> Acesso em: 02 abr. 2017.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. SIDRA, 2016. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br>. Acesso em: 02 abr. 2017.

INSA - Instituto Nacional do Semiárido. Disponível em: <http://www.insa.gov.br/>. Acesso em: 02 abr. 2017.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Boletim da Conjuntura Econômica Cearense – 1º trimestre de 2016. Fortaleza, Ceará. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/index.php/ipece-conjuntura> Acesso em: 02 abr. 2017.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Fortaleza, Ceará. Ceará dezembro de 2013. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/index.php/ipece- conjuntura> Acesso em: 02 abr. 2017.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Fortaleza, Ceará. Março de 2014. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/index.php/ipece-conjuntura> Acesso em: 02 abr. 2017.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Fortaleza, Ceará. Abril de 2015. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/index.php/ipece-conjuntura> Acesso em: 02 abr. 2017.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Fortaleza, Ceará. Março de 2016. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/index.php/ipece-conjuntura> Acesso em: 02 abr. 2017.

KHAN, A. S; CAMPOS, R. T. Efeitos das secas no setor agrícola do Nordeste. ln: GOMES, GM, et al. (Org). Desenvolvimento sustentável no Nordeste. Brasília, DF: IPEA, 1995, p. 175-193.

KHAN, S. A.; CRUZ, N. A. J.; SILVA. R. M. L.; LIMA, S. P. V. P. Efeito da seca sobre a produção, renda e o emprego agrícola na microrregião Geográfica de Brejo Santo e no estado do Ceará. Revista economia do Nordeste, Fortaleza, v. 36, n° 2, p. 242-262, abril-jan. 2005. Disponível em:< http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2670> Acesso em: 02 abr. 2017.

LIMA JUNIOR, F. O. de. Estrutura produtiva e rede urbana no Estado do Ceará durante o período de 1980-2010. Campinas. SP: Instituto de Economia UNICAMP, 2014 (Tese de Doutorado). 264p.

MEDEIROS FILHO, J.; SOUZA, I. A seca do Nordeste: um falso problema. Petrópolis: Vozes, 1988.

MEDEIROS, N. C.; GOMES, M. D. D.; ALBUQUERQUE, S. L. M. et al. (Org.). Os Recursos Hídricos do Ceará: Integração, Gestão e Potencialidades. Fortaleza: IPECE, 2011. 268 p. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/publicacoes/Recursos_Hidricos_do_Ceara.pdf> Acesso em: 02 abr. 2017.

MENEZES, O. E.; MORAIS, L. M. J. Seca no Nordeste: desafios e soluções. São Paulo: Atual, (Espaço e debate).2002. 96 p.

RAMOS, R. I. F. O fenômeno da seca e suas consequências na vida do sertanejo de Boa Viagem – CE. Quixadá, 1996. (Monografia de especialização em História do Ceará). Quixadá, CE: Universidade Estadual do Ceará – UECE, 1996.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Boletim de inteligência. Outubro de 2015. Disponível em:< http://www.mercados.sebrae.com.br/>. Acesso em: 02 abr. 2017.

SILVA, R. S.; SILVA, R. M. L.; KHAN, S. A. Fruticultura e a regionalização da produção agrícola no estado do Ceará. In: Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, 42, 2004, Cuiabá. Anais... Brasília-DF: SOBER, 2004. v. 1. p. 1-17. Disponível em:<http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5273>. Acesso em: 02 abr. 2017.

SOUZA, I.; MEDEIROS FILHO, J. Os degredados filhos da seca. Vozes Ltda, 1983.

TRAVASSOS, S, I.; SOUZA, I, B.; SILVA, B, A. Secas, desertificação e políticas públicas no semiárido nordestino brasileiro. Revista OKARA: Geografia em debate, João Pessoa, v. 7, n. 1, p. 147-164, 2013.

Publicado

2021-10-09

Como Citar

NASCIMENTO , J. M. do; ALENCAR, N. dos S.; ALVES, D. F.; LIMA JÚNIOR, F. do O. de. Estudo dos efeitos da seca sobre a produção e a exportação das principais frutas cearenses (2012 a 2015). Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, [S. l.], v. 3, n. 3, p. e337168, 2021. DOI: 10.47149/pemo.v3i3.7168. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/7168. Acesso em: 19 out. 2021.