EPISÓDIOS HISTÓRICOS POTENCIALMENTE RICOS PARA ATIVIDADES DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA

  • Rosangela Araújo da Silva IFRN
  • Severino Carlos Gomes IFRN
  • Bernadete Morey UFRN
Palavras-chave: Matemática Mesopotâmica; Ensino de Matemática; História da Matemática; Teoria da Objetivação.

Resumo

O presente artigo é parte de um projeto de ensino e pesquisa em andamento que utiliza episódios da história da matemática para promover formas de colaboração não individualistas de aprendizagem por meio do labor conjunto e para despertar/incentivar nos alunos o gosto pela resolução de tarefas não padronizadas com a exploração de novas possibilidades de ensino e aprendizagem. Para o desenvolvimento do projeto, buscamos na Teoria da Objetivação elementos teóricos para a construção de atividades de ensino e aprendizagem e a concepção de labor conjunto como procedimento metodológico de aplicação e desenvolvimento dessas atividades em sala de aula. O objetivo do presente artigo é apresentar ideias iniciais sobre como destacar um episódio histórico e a partir dele exemplificar atividades e tarefas que podem ser elaboradas e apresentadas aos alunos, assim como destacar as potencialidades didáticas e pedagógicas de cada tarefa ou de um conjunto de tarefas de acordo com a Teoria da Objetivação. Para isso, utilizaremos um vídeo (A Stray Sumerian Tablet) produzido pela Universidade de Cambridge sobre um tablete de 4.200 anos referente à produção de sabão na antiga Mesopotâmia. As atividades serão voltadas para alunos do primeiro ano do ensino médio do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN). Os resultados esperados versarão sobre a aprendizagem de saberes envolvendo a leitura, a compreensão, a interpretação do tablete e pela mobilização de elementos fundamentais para a formação ético-reflexiva desses jovens estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosangela Araújo da Silva, IFRN

Graduada (Bacharelado e Licenciatura) em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1994 e 1999) e Mestre em Matemática pela Universidade Federal do Ceará (1997). Bacharel em Direito pela Universidade Potiguar (2005). Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática da UFRN. Professora de Matemática do Instituto Federal do Rio Grande do Norte, no Campus Santa Cruz desde setembro de 2009. Com experiência na área de Matemática, Educação Profissional, Ensino, Educação e História da Matemática, desenvolvendo trabalhos nos seguintes temas: História da Matemática, Geometria, ensino e aprendizagem, formação de professores, novas metodologias e políticas públicas educacionais. 

Severino Carlos Gomes, IFRN

Licenciado em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1994). Especialista em Educação de Jovens e Adultos - CEFET/UFRN (2007). Mestre em Ensino de Ciências Naturais e Matemática - UFRN (2011). Doutor em Educação - UFRN (2016). Atualmente é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de ensino com interesse nos seguintes temas: História da Matemática e Teorias de aprendizagem em Educação Matemática.

Bernadete Morey, UFRN

Possui graduação em Matemática pela Universidade Amizade dos Povos (1979), mestrado em Matemática pela Universidade Amizade dos Povos (1981) e doutorado em Educação Matemática pela Universidade Amizade dos Povos (1992). Estágio pós-doutoral na UNESP-RC em História da Matemática (2010), Estágio pós-doutoral na Universidade de Penza, Rússia (2016) em História da Matemática. Estágio pós-doutoral (2017-2018) na Laurentian University, Sudbury, Canadá. Coordena o Grupo de Pesquisa Matemática e Cultura. Seus interesses em pesquisa são: 1. Teoria da Objetivação, uma teoria de ensino e aprendizagem sociocultural; 2. Relações entre a História da Matemática e a Educação Matemática; 3. Matemática Recreativa e Ensino de Matemática; 4. Matemática Medieval Islâmica.

Referências

HØYRUP, J. Algebra in Cuneiform. Introduction to an Old Babylonian Geometrical Technique. Berlin: PRO BUSINESS digital printing Deutschland GmbH, 2017.

HØYRUP, J. The roles of Mesopotamian bronze age mathematics tool for state formation and administration – Carrier of teachers’ professional intellectual autonomy. Educational Stu¬dies in Mathematics, 2007, p. 257-271.

HØYRUP, J. Lenghts, widths, surfaces: a portrait of old Babylonian algebra and its kin. New York: Springer-Verlag, 2002.

MOREY, B. B.; GOMES, S. C. Matemática mesopotâmica: história para o professor de matemática. REMATEC, Natal/RN, Ano 13, n. 27, p. 06-23, jan./abr., 2018.

RADFORD, L. Methodological Aspects of the Theory of Objectification. Perspectivas da Educação Matemática, v. 8(18), p. 547-567, 2015.

RADFORD, L. On teachers and students. In: Liljedahl, P.; Nicol, C.; Oesterle, S.; Allan, D. (Eds.). Proceedings... Vancouver, Canada: PME, 2014.

RADFORD, L. The ethics of being and knowing: Towards a cultural theory of learning. In: RADFORD, L.; SCHUBRING, G.; SEEGER, F. (Eds.). Semiotics in mathematics education: Epistemology, history, classroom, and culture. Rotterdam: Sense Publishers, 2008.

RADFORD, L. Elements of a Cultural Theory of Objectification. Revista Latinoamericana de Investigación en Matemática Educativa: Special Issue on Semiotics, Culture and Mathematical Thinking, p. 103-129, 2006.

ROBSON, E. Mathematics in Ancient Iraq: a social history. New Jersey: Princeton University Press, 2008.

ROBSON, E. Neither Sherlock Holmes nor Babylon: a reassessment of Plimpton 322. Historia Mathematica, n. 28, p. 167-206, 2001.

Publicado
2020-07-12
Como Citar
SILVA, R.; GOMES, S.; MOREY, B. EPISÓDIOS HISTÓRICOS POTENCIALMENTE RICOS PARA ATIVIDADES DE ENSINO E APRENDIZAGEM EM MATEMÁTICA. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, v. 7, n. 20, p. 418-426, 12 jul. 2020.