O jogo Mancala no ensino de matemática para a Educação de Jovens e Adultos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30938/bocehm.v11i32.12425

Palavras-chave:

Mancala, Educação de Jovens e Adultos, Raciocínio Lógico, Contagem

Resumo

Este trabalho trata-se de um relato de experiência com o jogo de matriz africana Mancala, construído por dois bolsistas do Programa Institucional de Bolsas ao Ensino (PIBID), os quais são estudantes do curso de licenciatura em matemática do Instituto Federal da Paraíba - Campus Cajazeiras. O objetivo da aplicação do jogo foi fortalecer um conjunto de estratégias e técnicas que visam desenvolver o raciocínio lógico, a contagem, a tomada de decisão, a cooperação e a interação entre os jogadores. Esse jogo foi escolhido porque também pode ser usado como recurso didático pedagógico para abordar temas como a africanidade, a cultura, a história e a matemática. O jogo foi implementado em uma escola pública da cidade de Cajazeiras localizada no auto sertão da Paraíba para uma turma de 10 alunos do Ciclo III e IV da Educação de Jovens e Adultos (EJA), sendo dividida em três etapas, na qual, a primeira consistiu na construção do jogo, a segunda em explicar para os alunos as regras do jogo e a terceira foi a realização de uma competição entre os alunos utilizando o jogo. Inicialmente os participantes tiveram dificuldades em compreender as regras do jogo, porém, logo após jogarem a primeira rodada, eles conseguiram entendê-las. Esse jogo proporcionou uma experiência satisfatória, onde os alunos se empenharam a aprender.  O jogo aplicado, proporcionou em sala de aula, discussões sobre a africanidade e principalmente conteúdos matemáticos, sendo fundamental para estimular a cooperação em grupo e facilitar a troca de conhecimento entre alunos e professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Aureliano Vidal, Instituto Federal de Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB)

Possui graduação em Matemática pela Universidade Regional do Cariri (2003), Pós-Graduação latu sensu em Educação Matemática também pela URCA (2006) e Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Alagoas (2013). Atualmente é professor Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba no Campus Cajazeiras e coordenador do curso de Licenciatura em Matemática. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino, história da matemática, tecnologia, geometria e formação de professores.

Francisco Vandernilso de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB)

Licenciando em Matemática-Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia da Paraíba (IFPB).

Marcos Antonio Nogueira, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia da Paraíba (IFPB)

Licenciando em Matemática-Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia da Paraíba (IFPB).

Referências

BARRETO, G. B. B. O ensino de matemática através de jogos educativos africanos: um estudo de caso em uma turma de educação de jovens e adultos (EJA) de uma escola municipal de Aracaju. 2016. 136 f. Dissertação (Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016.

BRASIL. Lei 10.639/03 de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 29 fev. 2024.

CARVALHO, J. L. A. S. A importância do lúdico no ensino-aprendizagem na educação de jovens e adultos. Anais IV ENID/UEPB... Campina Grande: Realize Editora, 2014. 5 p.

MOTA, P. C. C. L. M. Jogos no Ensino da Matemática. 2009. 142f. Dissertação (Mestrado em Matemática/Educação), Programa de Pós-Graduação em Matemática/Educação da Universidade Portucalense Infante D. Henrique, Porto: Portugal, 2009.

PARDIM, C. M. C..; CALADO, M. C. O ENSINO DA MATEMÁTICA NA EJA: UM ESTUDO SOBRE AS DIFICULDADES E DESAFIOS DO PROFESSOR. Revista Ifes Ciência, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 98-123, 2016. DOI: 10.36524/ric. v2i1.253.

SANTOS, E.C.; FRANÇA, M. C. S. Simbiose entre etnomatemática e a cultura africana- Jogo Macala Awelé em sala de aula. Com a palavra o professor, vitória da conquista (BA), v.2, n.3, p.89-100, jan. / abr. 2017.

SANTOS, C.C. O PERFIL HISTORICO DA EJA NO BRASIL. Gestão e educação. v.6, n.04, p.26-35, 2023.

SILVA, J. N.; SANTOS, A. C.; & CUSATI, I. C. (2020). FAMÍLIA MANCALA. Imagem da Educação. v.10, n.3, p.96-111, set. / dez., 2020.

RYN. G. D.Von1; TREVISAN. E.P. OS JOGOS MATEMÁTICOS COMO FERRAMENTA POTENCIALIZADORA NO ENSINO DE MATEMÁTICA NA EJA: uma experiência desenvolvida numa escola do município de Juruena. Revista de Educação do Vale do Arinos - RELVA, [S. l.]. v. 3, n. 1, 2016. DOI: 10.30681/relva. v3i1.1464.

ZUIN, E. S. L.; SANTANA, N. A. S. Produzindo aproximações da cultura africana com a Matemática escolar: a utilização do jogo mancala. Revista Pedagogia em Ação. v.7, n.1, p.7-26, 2015.

Downloads

Publicado

2024-05-29

Como Citar

VIDAL, F. A.; OLIVEIRA, F. V. de; NOGUEIRA, M. A. O jogo Mancala no ensino de matemática para a Educação de Jovens e Adultos. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, [S. l.], v. 11, n. 32, p. 1–11, 2024. DOI: 10.30938/bocehm.v11i32.12425. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/BOCEHM/article/view/12425. Acesso em: 24 jul. 2024.