Análise dialógica do discurso e a sustentabilidade como valor da argumentação na publicidade

Análise de anúncios de uma instituição bancária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46230/2674-8266-12-4371

Palavras-chave:

Discurso, Dialogismo, Argumentação, Publicidade, Sustentabilidade

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar, com base na teoria dialógica em conjunto com a teoria da argumentação, o valor da sustentabilidade na publicidade de uma instituição bancária privada. Foram verificados os valores, a hierarquia de valores e os lugares da argumentação a partir das ocorrências nos textos. Os resultados mostram que o valor da sustentabilidade encontra-se em uma estrutura hierarquizada com os outros valores, e prevalecem os lugares de qualidade e quantidade. Além disso, as marcas linguísticas demonstram a inclusão do Banco como agente sustentável, e um endereçamento da responsabilidade social e das práticas sustentáveis a outros agentes, os clientes. Por fim, enfatiza-se a necessidade de recuperar o contexto para a compreensão das relações dialógicas existentes nos enunciados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, A. S. A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. 2. ed. Cotia, SP: Ateliê

Editorial, 2000.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. do russo: Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010b.

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. Trad.: Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2010a.

BAKHTIN, M. Questões de Literatura e de Estética. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2010c.

BARROS, D. L. P. Contribuições de Bakhtin às teorias do discurso. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin, dialogismo e construção do sentido. 2. ed. Campinas: UNICAMP, 2005. p. 25-36.

BRAIT, B.; CAMPOS, M. I. B. Da Rússia czarista à web. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin e o Círculo. São Paulo: Contexto, 2009. p. 15-30.

BRAIT, B.; MELO, R. de. Enunciado/enunciado concreto/enunciação. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005. p. 61-78.

BRUNDTLAND, G. H. et al. Nosso futuro comum. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 2.ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CONAR. Código de Autorregulamentação Publicitária. Anexo U – Apelos de sustentabilidade. 2011. Disponível em: <http://www.conar.org.br>. Acesso em: 23 ago. 2017.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FIORIN, J. L. Interdiscursividade e Intertextualidade. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006. p. 161-193.

KNOLL, G. F. Multimodalidade, texto e contexto: categorias úteis à análise da charge. Revista (Con) Textos Linguísticos, v. 9, n. 12, p. 57-74, 2015.

KNOLL, G. F.; VELLOZO, L. dos S. Multimodalidade e Gênero Social na Publicidade: Representações de diversidade em anúncios. Cadernos de Comunicação, v. 23, n. 1, 2019.

KRESS, G. e VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of the design visual. 2. ed. London, Routledge, 2006.

MARCHEZAN, R. C. Diálogo. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São

Paulo: Contexto, 2006. p. 115-131.

MELO NETO, F. P.; FROES, C. Responsabilidade social e cidadania empresarial: administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

MIOTELLO, V.; TURATI, C. Para uma leitura do texto materialmente heterogêneo. Versão Beta, São Carlos, v. 55, p. 5-25, 2010.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a Nova Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PETRILLI, S. Uma leitura inclassificável de uma escritura inclassificável. In: PAULA, L. de;

STAFUZZA, G. (Orgs.). Círculo de Bakhtin: teoria inclassificável. São Paulo: Mercado de

Letras, 2010. p. 31-88.

PISTORI, M. H. C.; BANKS-LEITE, L. Argumentação e construção de conhecimento: uma

abordagem bakhtiniana. Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n. 4, p. 129-144, 2. semestre/2010.

RABAÇA, C. A.; BARBOSA, G. Dicionário de comunicação. São Paulo: Ática, 2002.

ROCHA, E. P. Magia e capitalismo – Um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

ROCHA, R. B. da S. S. A escrita argumentativa: diálogos com um livro didático de

português. 2010. 193 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da

Linguagem) – PUCSP. São Paulo, 2010.

SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

SANTANDER. Institucional. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2016.

SCHNAIDERMAN, B. Semiótica russa. São Paulo: Perspectiva, 1979.

VEJA. Mídia Kit 2018. São Paulo, 2018. Disponível em: http://publiabril.abril.com.br/marcas/veja. Acesso em: 24 abr. 2018.

VOLOSHÍNOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

Downloads

Publicado

2021-01-22

Como Citar

KNOLL, G. F.; PIRES, V. L. Análise dialógica do discurso e a sustentabilidade como valor da argumentação na publicidade: Análise de anúncios de uma instituição bancária. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 12, n. 3, p. 339–360, 2021. DOI: 10.46230/2674-8266-12-4371. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/4371. Acesso em: 18 maio. 2022.