Instrumentos de Avaliação de Risco à Saúde Mental Infanto-Juvenil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59487/2965-1956-2-8686

Palavras-chave:

Saúde mental, Saúde da Criança, Psicologia da Criança

Resumo

Introdução: A saúde mental é um tema que tem ganhado notoriedade nas discussões científicas, principalmente no cenário de pandemia, o qual impactou negativamente a sua constituição, especialmente no que diz respeito à crianças e adolescentes. Nesse sentido, avaliar o risco de saúde mental nesse público se torna essencial para traçar intervenções eficazes. Contudo, é relevante considerar, nesta avaliação de risco, aspectos tais como história de vida, contexto, configuração familiar, suporte social, dificuldades e capacidade de resiliência. Objetivos: Para tanto, este trabalho objetiva elencar os instrumentos disponíveis que avaliem a saúde mental de crianças e adolescentes. Metodologia: Para isso, foi realizado uma revisão sistemática de literatura de artigos disponíveis em bases virtuais e baseado no Systematic Search Flow (SSF). De acordo com os critérios de inclusão e exclusão foram selecionados 11 artigos que apontaram instrumentos utilizados por profissionais no Brasil. Resultados e discussões: A partir da sistematização dos dados foi possível identificar diversos instrumentos adotados, fato que evidencia a heterogeneidade nas formas de avaliação de fatores de risco à saúde mental infanto-juvenil. Conclusão: Conclui-se assim, que para a realização de tal avaliação, necessário se faz, a utilização de várias ferramentas, somado à expertise do profissional, além do conhecimento teórico inerente às fases do desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIÈS P. História Social da Criança e da Família. 2a ed. [local desconhecido]: LTC; 1981.

Cruz GA, Sarat M. História da infância no Brasil: contribuições do processo civilizador. Educação e Fronteiras. 2015;5(13):19-33.

Henick AC, Faria PM. História da infância no Brasil. Anais XII Congresso Nacional de Educação–Educare. 2015.

Dornelles LV, Marques CM. Mas o que é infância? – atravessamento de múltiplos olhares na formação de professores. Educação [Internet]. 10 nov 2015 [citado 9 ago 2022];38(2):289.

BONIFÁCIO IB et al. Adolescência e projetos de futuro: possibilidades escolares na escuta e orientação de estudantes. 2019.

BOSI MLM. Problematizando o conceito de risco em diretrizes éticas para pesquisas em ciências humanas e sociais na Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20. 2675-2682

Organização Pan-Americana da Saúde. Saúde mental dos adolescentes. [texto da Internet]. OPAS; 2021. Disponível em: https://www.paho.org/pt/topicos/saude-mental-dos-adolescentes.

Lucas LS, Alvin A, Porto DM, et al. Impactos da pandemia de COVID-19 na saúde mental de crianças e adolescentes: orientações do Departamento de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Associação Brasileira de Psiquiatria. Revista Debates em Psiquiatria. 2020; 10(2):74.

Brasil. Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): Senado; 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Lei nº 8.069, 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 1990 jul 13. Disponível em: https://cutt.ly/yECVBmB.

Brasil, Ministério da saúde. Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.pdf.

Brasil. Portaria MS/GM nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html.

Ferenhof HA, Fernandes RF. Desmistificando a revisão de literatura como base para redação científica: método ssf. Revista Acb: Método Biblioteconomia em Santa Catarina. 2016:550-63.

DeCS – Descritores em Ciências da Saúde [Internet]. DeCS – Descritores em Ciências da Saúde; [citado 3 dez 2022]. Disponível em: <https://decs.bvsalud.org/.>.

Oliveira MA, Cestari TY, Pereira MO, et al. Processos de avaliação de serviços de saúde mental: uma revisão integrativa da literatura. Saúde em Debate [Internet]. 2014 [citado 9 ago 2022];38(101).

Raizel R, Guedes da Silva V, da Mata Godois A, et al. Comportamentos de risco à saúde de adolescentes e atividades educativas da Estratégia Saúde da Família em Cuiabá, Mato Grosso, 2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde [Internet]. Jun 2016 [citado 9 ago 2022];25(2):1-2.

Santos RG, Celeri EH. Rastreamento de problemas de saúde mental em crianças pré-escolares no contexto da atenção básica à saúde. Revista Paulista de Pediatria [Internet]. 7 dez 2017 [citado 15 mais 2022];36(1):82-90

Ferriolli SH, Marturano EM, Puntel LP. Contexto familiar e problemas de saúde mental infantil no Programa Saúde da Família. Revista de Saúde Pública [Internet]. Abr 2007 [citado 13 fev 2022];41(2):251-9.

Vitolo YL, Fleitlich-Bilyk B, Goodman R, et al. Crenças e atitudes educativas dos pais e problemas de saúde mental em escolares. Revista de Saúde Pública [Internet]. Out 2005 [citado 22 mar 2022];39(5):716-24.

Hildebrand NA, Celeri EH, Morcillo AM, et al. Resiliência e problemas de saúde mental em crianças e adolescentes vítimas de violência. Revista de Saúde Pública. [Internet]. 2019; [citado 21 jan 2022] 53:1-14.

Salum GA, Isolan LR, Bosa VL, et al. The multidimensional evaluation and treatment of anxiety in children and adolescents: rationale, design, methods and preliminary findings. Revista Brasileira de Psiquiatria [Internet]. Jun 2011 [citado 30 fev 2022];33(2):181-95.

Silva MD, Matsukura TS, Cid MF, et al. Saúde Mental e fatores de risco e proteção: focalizando adolescentes cumprindo medidas socioeducativas. Journal of Human Growth and Development.[Internet]. 2015;[citado 12 fev 2022] 25(2):1-8.

Matos MB, Cruz AC, Dumith SD, et al. Eventos estressores na família e indicativos de problemas de saúde mental em crianças com idade escolar. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. Jul 2015 [citado 15 mai 2022];20(7):2157-63.

Scomparini L, Santos B, Rosenheck R, et al. Association of child maltreatment and psychiatric diagnosis in Brazilian children and adolescents. Clinics [Internet]. 30 ago 2013 [citado 02 ago 2022];68(8):1096-102.

Silveira MF, Almeida JC, Freire RS, et al. Qualidade de vida entre adolescentes: estudo seccional empregando o SF-12. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. Jul 2013 [citado 23 jun 2022];18(7):2007-15.

Carvalho PD, Barros MV, Santos CM, et al. Prevalência e fatores associados a indicadores negativos de saúde mental em adolescentes estudantes do ensino médio em Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil [Internet]. Set 2011 [citado 11 mai 2022];11(3):227-32.

Souza LD, Silva RS, Godoy RV, et al. Sintomatologia depressiva em adolescentes iniciais: estudo de base populacional. Jornal Brasileiro de Psiquiatria [Internet]. 2008 [citado 30 Jun 2022];57(4):261-6.

SIMOÕES MR. Potencialidades e limites do uso de instrumentos no processo de avaliação psicológica. Psicologia, Educação e Cultura [Internet]. 2005. [Citado 15 Nov 2022]; 9(2): 237-264.

NORONHA APPP, Hutz CS. Avanços e polêmicas em avaliação psicológica. Avaliação Psicológica. 2009 [Internet]. 2009. [Citado 15 Nov 2022]: 8(3): 453-455.

Downloads

Publicado

2023-03-27

Como Citar

1.
Ramos EB, Costa MSA, Ximenes JM, Rocha AS, Carvalho STA. Instrumentos de Avaliação de Risco à Saúde Mental Infanto-Juvenil. Dialog Interdis Psiq S Ment [Internet]. 27º de março de 2023 [citado 20º de julho de 2024];2(1):32-44. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/dipsm/article/view/8686