Qual o impacto das leis de desarmamento sobre o número de suicídios no Brasil?

Autores

  • Anna Carolina de Alencar Araripe
  • Inis Stella Lacerda Borges de Sá1
  • Joel Porfirio Pinto
  • André Luis Gadelha
  • Matias Carvalho Aguiar Melo

DOI:

https://doi.org/10.59487/2965-1956-1-7269

Palavras-chave:

Suicídio. Armas de fogo. Estatuto do Desarmamento

Resumo

Introdução. Em 2003, o Brasil introduziu uma reforma na regulamentação de armas de fogo. Objetivo. Este estudo teve como objetivo avaliar o impacto do Estatuto do Desarmamento sobre os suicídios no Brasil. Método. As taxas de suicídio antes (1990-2003) e depois da mudança na legislação (2004-2017) foram comparadas. Foi utilizado um desenho de estudo de séries temporais interrompidas com modelo linear generalizado e cálculo da tendência ao suicídio por arma de fogo, outros métodos e o total de suicídios. Resultados. Entre 1990 e 2017, foram registradas 226.407 mortes por suicídio no Brasil. Após a Lei do Desarmamento, 2004-2017, houve uma aceleração na tendência de diminuição do suicídio por arma de fogo. Foi demonstrada uma tendência de aceleração no crescimento de suicídios sem arma. Porém, no total de suicídios, não foi observada mudança significativa. Conclusão. Mais esforços são necessários para prevenir o suicídio em nível populacional do que para restringir um método letal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

WHO. Public health action for the prevention of suicide: a framework. World Health Organization; 2017; Available from: http://apps.who.int/iris/ bitstream/10665/75166/1/9789241503570_eng. pdf?ua=1.

Ministério da Saúde, Mortalidade por suicídio e notificações de lesões autoprovocadas no Brasil. Boletim Epidemiológico, 2021, v. 52.

Bachmann S. Epidemiology of Suicide and the Psychiatric Perspective. Int J Environ Res Public Health. 2018;15(7).

Florentine JB, Crane C. Suicide prevention by limiting access to methods: a review of theory and practice. Soc Sci Med. 2010;70(10):1626-32.

Alban RF, Nuno M, Ko A, Barmparas G, Lewis AV, Margulies DR. Weaker gun state laws are associated with higherrates of suicide secondary to firearms. J Surg Res. 2018;221:135-42.

Langmann C. Effect of firearms legislation on suicide and homicide in Canada from 1981 to 2016. PLoS One. 2020;15(6):e023445.

Published 2020 Jun 18. doi:10.1371/journal.pone.02344577. Varnik A, Kolves K, van der Feltz-Cornelis CM, Marusic A, Oskarsson H, Palmer A, et al. Suicide methods in Europe: a gender-specific analysis of countries participating in the "European Alliance Against Depression". J Epidemiol Community Health. 2008;62(6):545-51.

SAÚDE MD. Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde: Boletim Epidemiológico; 2017.

SAÚDE MD. Guia Prático do Desarmamento2015. 61 p.

Cerqueira D, Bueno S, Alves P, Ferreira H, Pimentel A, et al. Atlas da Violência, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Governo Federal. 2020, DOI: https://dx.doi.org/10.38116.riatlasdaviolencia2020.

Rodriguez Andres A, Hempstead K. Gun control and suicide: the impact of state firearm regulations in the United States, 1995-2004. Health Policy. 2011;101(1):95-103.

Bridge JA, Greenhouse JB, Sheftall AH, Fabio A, Campo JV, Kelleher KJ. Changes in suicide rates by hanging and/or suffocation and firearms among young persons aged 10-24 years in the United States: 1992-2006. J Adolesc Health. 2010;46(5):503-5.

Chapman S, Alpers P, Jones M. Association Between Gun Law Reforms and Intentional Firearm Deaths in Australia, 1979-2013. Jama. 2016;316(3):291-9.

Schwartz AJ. Rate, relative risk, and method of suicide by students at 4-year colleges and universities in the United States, 2004-2005 through 2008-2009. Suicide Life Threat Behav. 2011;41(4):353-71.

Ajdacic-Gross V, Killias M, Hepp U, Gadola E, Bopp M, Lauber C, et al. Changing times: a longitudinal analysis ofinternational firearm suicide data. Am J Public Health. 2006;96(10):1752-5.

Ajdacic-Gross V, Weiss MG, Ring M, Hepp U, Bopp M, Gutzwiller F, et al. Methods of suicide: international suicide patterns derived from the WHO mortality database. Bull World Health Organ. 2008;86(9):726-32.

Pinto, Isabella Vitral et al. Adolescências feridas: retrato das violências com arma de fogo notificadas no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia [online]. 2020, v. 23, n. Suppl 01 [Acessado 20 Outubro 2021] , e200002.SUPL.1. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1980-549720200002.supl.1>. Epub 03 Jul 2020. ISSN 1980-5497. https://doi.org/10.1590/1980-549720200002.supl.

Downloads

Publicado

2022-03-14

Como Citar

1.
de Alencar Araripe AC, Inis Stella Lacerda Borges de Sá1, Porfirio Pinto J, Luis Gadelha A, Carvalho Aguiar Melo M. Qual o impacto das leis de desarmamento sobre o número de suicídios no Brasil?. Dialog Interdis Psiq S Ment [Internet]. 14º de março de 2022 [citado 23º de julho de 2024];1(1):32-7. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/dipsm/article/view/7269