Participação social na política de saúde mental

Questões pertinentes para sua avaliação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59487/2965-1956-1-7276

Palavras-chave:

Participação Social, Saúde Mental, Reforma Psiquiátrica, Políticas de Controle Social

Resumo

A participação social é um requisito fundamental para a construção de uma política de saúde mental alinhada com os ideais do Movimento Brasileiro de Reforma Psiquiátrica e da Luta Antimanicomial. Por isso, uma reflexão sobre os modos de operacionalização desta participação necessita ser desenvolvida para aperfeiçoá-la e reforçá-la como instrumento de garantia da saúde mental como um direito humano. O objetivo deste trabalho é apresentar um panorama da literatura científica sobre a participação social na política de saúde mental brasileira, buscando identificar os principais problemas encontrados na sua efetivação e as possibilidades de superação destes obstáculos. Utilizamos o método da revisão integrativa para reunir a produção sobre esta questão. Os resultados encontrados indicam a necessidade de instituir processos avaliativos que fortaleçam e qualifiquem as experiências formais e informais de participação de usuários, familiares e trabalhadores, para que ela ganhe maior potência na tomada de decisões da política de saúde mental como um todo e no cotidiano dos serviços de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Valla VV. Sobre participação popular: uma questão de perspectiva.Cad. Saúde Pública.1998,14: 07-18.

Marazina IV. Participação social em saúde no Brasil: o campo da saúde mental e suas instituições participativas. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. 2012; 4 (8): 51-56.

Soalheiro NI. Política e empoderamento de usuários e familiares no contexto brasileiro do movimento pela reforma psiquiátrica. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. 2012; 4 (8): 30-44.

Amarante P, Nunes MO. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciênc. saúde coletiva.2018; 23(6): 2067-2074.

Serapioni M. Participação pública nos sistemas de saúde. uma introdução. Revista Crítica de Ciências Sociais.2018; 117: 91-98.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as portarias de consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html.

Denadai MCVB, Bernardes F. Política de saúde mental: retrocessos à vista? Argum. 2018; 10 (3): 5-9.

Cruz NFO, Goncalves RW, Delgado PGG. Retrocesso da reforma psiquiátrica: o desmonte da política nacional de saúde mental brasileira de 2016 a 2019. Trab. educ. saúde. 2020; 18 (3): e00285117.

Mendes KS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto-enfermagem. 2008; 17 (4): 758-764.

Oliveira AGB, Conciani ME. Participação social e reforma psiquiátrica: um estudo de caso. Ciênc. saúde coletiva.2009; 14(1): 319-331.

Guimaraes JMX, Jorge MSB, Maia RCF, Oliveira LC, Morais APP, Lima MPO, Assis MMA, Santos AM. Participação social nasaúde mental: espaço de construção de cidadania, formulação de políticas e tomada de decisão. Ciênc. saúde coletiva.2010; 15(4): 2113-2122.

Silveira AR, Brante ARSD, Van Stralen CJ. Práticas discursivas na participação social em saúde mental. Saúde debate. 2014; 38(103): 783-793.

Oliveira TA, Teixeira CF. Participação das instâncias de controle social na Política de Saúde Mental da Bahia, 2001-2013. Saúde debate2015; 39 (n. spe); 132-144.

Gastal CLC, Gutfreind C. Um estudo comparativo de dois serviços de saúde mental: relações entre participação popular e representações sociais relacionadas ao direito à saúde. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(8):1835-1844.

Costa DFC, Paulon SM. Participação Social e protagonismo em saúde mental: a insurgência de um coletivo. Saúde debate. 2012; 36(95): 572-582.

Almeida KS, Dimenstein M, Severo AK. Empoderamento e atenção psicossocial: notas sobre uma associação de saúde mental. Interface (Botucatu).2010; 14 (34): 577-592.

Dimenstein M, Sales AL, Galvão E, Severo AK. Estratégia da Atenção Psicossocial e participação da família no cuidado em saúde mental. Physis. 2010; 20 (4):1209-1226.

Santos ES, Joca EC, Souza AMA. Teatro do oprimido em saúde mental: participação social com arte. Interface (Botucatu). 2016; 20(58): 637-647.

Boal A. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. São Paulo: Editora 34; 2019.

Gonçalves LLM, Onocko-Campos RT. Narrativas de usuários de saúde mental em uma experiência de gestão autônoma de medicação. Cad. Saúde Pública. 2017;33: e00166216.

Portugal CM, Mezza M, Nunes M. A clínica entre parênteses: reflexões sobre o papel da arte e da militância na vida de usuários de saúde mental. Physis. 2018; 28: e280211.

Pasquim HM, Rios GB, Machado GC, De Marchi, FL. Jogos Goianos da Saúde Mental: análise sobre o processo de participação. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2020; 42: e2047.

Downloads

Publicado

2022-03-14

Como Citar

1.
Pires RR, Ferreira GSM, Alencar AB de, Sampaio JJC. Participação social na política de saúde mental: Questões pertinentes para sua avaliação. Dialog Interdis Psiq S Ment [Internet]. 14º de março de 2022 [citado 18º de julho de 2024];1(1):70-7. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/dipsm/article/view/7276