Sais de lítio

Os mais peculiares psicofármacos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59487/2965-1956-2-12306

Palavras-chave:

carbonato de lítio, psicotrópicos, história da medicina

Resumo

Objetivo:  revisar de forma sucinta a história do desenvolvimento e uso do lítio como psicofármaco. Metodologia: revisão narrativa, com levantamento de dados históricos ligados à descoberta do elemento e sua translação ao uso clínico. Resultados: a descoberta do lítio se deu no século XIX, sendo inicialmente explorado no campo da química inorgânica. Seu desenvolvimento como psicofármaco se deu de modo lento e permeado pela resistência do meio científico, mesmo com resultados promissores desde o início. A posterior regulação pelo US Food and Drug Administration foi marcada por polêmicas, visto que o órgão parecia ignorar as evidências científicas disponíveis. Mesmo com tantas adversidades, o lítio consolidou-se como uma das drogas mais importantes no tratamento do transtorno bipolar. Conclusão: o caso do lítio exemplifica muito bem as dificuldades no desenvolvimento e aprovação de medicamentos com baixo potencial de lucros. Os médicos devem estar atentos para julgar a indicação de medicações por sua eficácia clínica e não em função de fatores de mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fountoulakis KN, Tohen M, Zarate CA. Lithium treatment of Bipolar disorder in adults: A systematic review of randomized trials and meta-analyses. European Neuropsychopharmacology. janeiro de 2022;54:100–15.

Rother ET. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paul enferm. junho de 2007;20(2):v–vi.

Soares LS, Rodrigues LDC, Martins LN, Silveira FDR, Figueiredo MLF. Literature Review: particularities of each type of study. Revista de Enfermagem da UFPI. dezembro de 2013; 2(spe): 14-8.

D’Andraba. Des caractères et des propriétés de plusieurs nouveaux minérauxde Suède et de Norwège, avec quelques observations chimiques faites sur ces substances. Journal de Physique, de Chimie, d’Histoire Naturelle, et des Arts. 1800;51:239–46.

Berzelius J. Ein neues mineralisches Alkali und ein neues Metall. Journal für Chemie und Physik. 1817;21:44–8.

Brande WT. A Manual of Chemistry. 2o ed. Vol. 2. London: John Murray; 1821.

Courtney A. A brief history of the development of the period table [Internet]. 1997 [citado 16 de setembro de 2022]. Disponível em: https://people.wou.edu/~courtna/ch412/perhist.htm

Shorter E. The history of lithium therapy. Bipolar disorders. junho de 2009;11(Suppl 2):4–9.

Marmol F. Lithium: Bipolar disorder and neurodegenerative diseases Possible cellular mechanisms of the therapeutic effects of lithium. Progress in Neuro-Psychopharmacology and Biological Psychiatry. Dezembro de 2008;32(8):1761–71.

Schou M. Lithium treatment at 52. Journal of Affective Disorders. dezembro de 2001;67(1–3):21–32.

Davis JM, Janicak PG, Hogan DM. Mood stabilizers in the prevention of recurrent affective disorders: a meta-analysis. Acta Psychiatrica Scandinavica. dezembro de 1999;100(6):406–17.

Downloads

Publicado

2024-03-17

Como Citar

1.
Frota IJ, Lima RSV. Sais de lítio: Os mais peculiares psicofármacos. Dialog Interdis Psiq S Ment [Internet]. 17º de março de 2024 [citado 19º de julho de 2024];2(2):e12306. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/dipsm/article/view/12306