Treinando instrutores para o uso do Manual de Intervenção Mental Health GAP (MI-mhGAP) no Ceará-Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59487/2965-1956-2-8613

Palavras-chave:

Saúde Mental, Atenção Primária à Saúde, Serviços de Saúde Mental, Necessidades e Demandas de Serviços de Saúde, Sistemas de Apoio Psicossocial

Resumo

Os transtornos mentais, neurológicos e por uso de substâncias (MNS) têm elevada prevalência e são responsáveis por uma grande carga de doença e incapacidade em todo o mundo. Entretanto, ainda se presencia uma lacuna entre o cuidado a ser ofertado a essas pessoas e os recursos disponíveis nos sistemas de saúde para a devida assistência a estes casos. Diante dessa realidade, a Organização Mundial de Saúde, lançou o Programa de Ação para reduzir as Lacunas de Cuidado em Saúde Mental (mhGAP) e elaborou, como instrumento para o manejo integrado dos MNS pelos profissionais não-especialistas na APS, o Manual de Intervenções mhGAP (MI-mhGAP). Com o intuito de capacitar novos instrutores e supervisores na aplicação do MI-mhGAP, realiza-se o Treinamento de Instrutores e Supervisores (ToTS), o qual o Ceará foi um dos estados pioneiros ao organizar duas oficinas que ocorreram em 2018 e 2019, capacitando 81 profissionais de saúde de diferentes categorias profissionais. A participação dos discentes selecionados e a divisão por grupos estratégicos mostrou-se oportuna e cumpriu os objetivos de integrar os serviços na construção de uma proposta coletiva com a participação dos gestores e profissionais para implantação do manual e do matriciamento nas realidades locais. O grupo expressou interesse em compreender os conteúdos e o uso do MI-mhGAP e empenhado em seguir com as discussões para o fortalecimento da política de saúde mental e da estruturação da linha de cuidado da atenção psicossocial no Ceará.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

World Health Organization. Mental health action plan 2013-2020. Geneva: World Health Organization; 2013.

World Health Organization. MI-mhgap: Manual de Intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas na rede de atenção básica à saúde. Versão 2.0. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica. Saúde Mental. Número 34. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2019.

Ceará. Secretaria da Saúde. Integração das Informações da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará – integrasus [Internet]. Fortaleza (CE): Secretaria da Saúde; 2022. [citado 2022 Jul 15]. Disponível em: <https://integrasus.saude.ce.gov.br/#/home>.

Brasil. Departamento de Informática do SUS. SIM: Sistema de Informação sobre Mortalidade [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2022. [citado 2022 Jul 15]. Disponível em: <https://dados.gov.br/dataset/sistema-de-informacao-sobre-mortalidade>.

World Health Organization. Mhgap Training of Trainers and Supervisors (tots) Training manual. Geneva: World Health Organization; 2015.

Ceará (Estado). Palácio de Iracema. Lei Complementar nº 82, de 20 de outubro de 2009. Dispõe sobre a composição das macrorregiões do Estado do Ceará, para efeito de planejamento. Diário Oficial [do] Estado do Ceará [Internet]. 2009 Out 16 [citado 2022 Jul 15]. Disponível em: <https://belt.al.ce.gov.br/index.php/legislacao-do-ceara/organizacao-tematica/trabalho-administracao-e-servico-publico/item/5495-lei-complementar-n-82-de-20-10-09-d-o-de-16-11-09>

Governo do Estado do Ceará. Secretária de Saúde. Projeto qualificaapsus Ceará- Qualificando a Atenção Primária no estado. Estratificação de risco e manejo clínico em Saúde Mental. Fortaleza: Governo do Estado do Ceará; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017. [citado 2022 Jul 15]. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html>

Macinko J, Mendonça CS. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Revista Saúde Debate. 2018;42(1):18-37.

Rotoli, A, Silva MRS, Santos AM, et al. Saúde mental na atenção primária: desafios para a resolutividade das ações. Esc Anna Nery. 2019;23:(2):47-57.

Tavares ALB, Andrade AT, Lima RMF, et al. Guia da capacitação complementar: estratificação de risco e manejo clínico em saúde mental, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia Prático de Matriciamento em Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 236 p.

Tavares ALB, Faria NF, Lopes FES. Cuidados em Saúde Mental e Atenção Psicossocial: avaliação, manejo e seguimento nos territórios (SMAPS CE): manual do aluno. Fortaleza: Escola de Saúde Pública Paulo Marcelo Martins Rodrigues; 2021.

Downloads

Publicado

2023-03-27

Como Citar

1.
Tavares ALB, Sombra Neto LL, Silva KM, Campos E de M, Fortes S. Treinando instrutores para o uso do Manual de Intervenção Mental Health GAP (MI-mhGAP) no Ceará-Brasil. Dialog Interdis Psiq S Ment [Internet]. 27º de março de 2023 [citado 20º de julho de 2024];2(1):60-7. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/dipsm/article/view/8613