Contribuições da cultura Afro-Indígena para a Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30938/bocehm.v8i23.5034

Palavras-chave:

Afro-indígena, Cultura, Conhecimento, Jogo, Lógica

Resumo

O objetivo deste estudo foi relatar uma experiência de ensino e aprendizagem a distância via internet durante a Primeira Semana do Colóquio Temático do Ensino Fundamental e Médio Amália Xavier, na cidade de Juazeiro do Norte, Ceará, Brasil. Inicialmente, os professores demonstraram a relação entre a cultura afro-indígena e a matemática e suas contribuições para a construção do conhecimento lógico-matemático. Para atingir estes objetivos, foi apresentada uma breve explicação sobre dois jogos africanos: Mancala e Yoté, e suas regras e estratégias. Esses jogos eram muito comuns no cotidiano dos negros e, historicamente, relacionavam-se com o trabalho agrícola deles. As explicações sobre os jogos africanos foram feitas utilizando algum tipo deles, como a versão online e outras versões com materiais de baixo custo. Esta abordagem foi útil para motivar o desenvolvimento interativo do raciocínio lógico dos alunos. Durante as apresentações, foi possível refletir sobre as diversas contribuições dos indígenas e afrodescendentes não só na história brasileira, mas também no desenvolvimento científico-matemático. De acordo com nossa observação, alunos, pais, professores e todos os participantes apoiaram e foram positivos em relação ao uso dos jogos Mancala e Yoté na aprendizagem da matemática. Uma das reflexões mais interessantes sobre o processo ensino-aprendizagem da matemática por meio desses jogos foi que essa ciência se torna relevante e ainda mais bonita. Além disso, aprender matemática pode ser divertido com a influência da cultura dos povos afro-indígenas e sua alegria e criatividade. Diante disso, os professores se sentiram motivados a investigar mais o uso potencial do ensino da matemática por meio dos jogos Mancala e Yoté e aprender mais sobre a reinvenção do negro para transformar o impossível e o restrito, em algo possível e para o desfrute de todos.

Palavras-chave: Afro-indígena; Cultura; Conhecimento; Jogo; Lógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fransuelton Gomes Anastacio, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará - Campus Juazeiro do Norte-CE

Graduado em Licenciatura plena de Matemática (IFCE – Campus Juazeiro do Norte). Discente do Curso de Especialização lato sensu em Ensino de Matemática com ênfase na Formação de Professores da Educação Básica (IFCE – Campus Juazeiro do Norte)

Júnio Moreira de Alencar, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará - Campus Juazeiro do Norte-CE

Mestre em Matemática Pura pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor de Ensino Básico Técnico e Tecnológico do departamento do Curso de Licenciatura plena de Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE).

Luciana Maria de Sousa Macêdo, Universidade Regional do Cariri

Mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Professora do Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Regional do Cariri (URCA), Pertencente ao grupo de estudo de Educação Matemática.

Referências

ANAIS DO ARTEFATOS DA CULTURA NEGRA, EDUCAÇÃO AFROPENSADA: repensar o currículo e construir alternativas de combate ao racismo, de 31 de agosto à 04 de setembro de 2015, Crato [recurso digital] / organizadores: Cicera Nunes; Karla Roberta Brandão de Oliveira; Ana Paula Santos. – Crato-CE: Universidade Regional do Cariri, 2015. 811p.

ANDRADE, J. LEAL, Y. MONTEIRO, A. ANDRÉ, R. MACLYNE, D. TELES, R. GITIRANA,V. Projeto Rede: Jogos na Educação Matemática, UFPE. Mankala Colhe Três. Disponível em: <http://lematec.net/projetorede/uploads/Textos/Mancala%20colhe%20Tr%C3%AAs%20-%20regras%20e%20hist%C3%B3rico.pdf>. Acesso em 20 dez. 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: Informação e Documentação - Artigo em publicação periódica científica impressa - Apresentação. Rio de Janeiro, 2003. 5 p.

BARRETO, Glaúcia Bonfim Barbosa. O Ensino de Matemática através de Jogos Educativos Africanos: Um Estudo de caso em uma turma de Educação de Jovens e Adultos (EJA) de uma Escola Municipal de Aracaju. Orientador: Ana Maria Freitas Teixeira. – São Cristóvão, 2016.134 f.: il. Dissertação (Mestrado em Ensino e Ciências Naturais e Matemática) - Universidade Federal de Sergipe, 2016.

BRANDÃO, Ana Paula. Modos de fazer: caderno de atividades, saberes e fazeres / [organização Ana Paula Brandão]. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.il. (A cor da cultura; V. 4)

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio. Brasília: MEC, 2002, p. 87.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 9 jan. 2003. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm>. Acessado em 20 de set. 2020.

______. Presidência da República. Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Brasília: Diário Oficial da União, 10 de janeiro de 2003.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: MEC, 2004, p. 16.

______. Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Brasília: Diário Oficial da União, 11 de março de 2008.

Copyright © Cyningstan 2021: Cyningstan. 2021. Disponível em:< http://www.cyningstan.com/game/342/yot> Acessado em 11 de fevereiro de 2021.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: um programa a educação matemática. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, v. 1, n. 1, p. 5-11, 1993.

D'AMBRÓSIO, Ubiratan. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Revista Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, p. 99-120, 2005.

DONOVAN,Tristan: Ludopedia,2021. Disponível em:< https://www.ludopedia.com.br/topico/17786/semeando-os-pontos-a-historia-da-mancala?id_post=145406 > Acessado em 11 de fevereiro de 2021.

FRANÇA, Junia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina de. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 7. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

FRANÇA, Rodrigo. O pequeno príncipe preto. 1ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,2020.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. 43 ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

FOGAHOLY, Cláudia. SILVA, Júlio Cesar da. FERNANDES, Pedro Borges. VAZ, Paulo Vieira dos Santos. SILVA, Moisés Teixeira da. FERREIRAS, Matheus Garcia de Alvarenga. Jogos de Mancala nas aulas de Educação Física: possibilidades de um projeto de extensão. Revista do Departamento de Educação Física. Colégio Dom Pedro II. Temas em Educação Física Escolar, Rio de Janeiro, v. 4, n.2, ago./dez. 2016, p. 159-170.

FUTURA TEC: A COR DA CULTURA. 2021. Disponível em:< http://www.acordacultura.org.br/artigos/29082013/a-influencia-africana-no-processodeformacaodaculturaafrobrasileira#:~:text=Essas%20trocas%20culturais%20ocorridas%20por,%2C%20religi%C3%A3o%2C%20m%C3%BAsica%20e%20l%C3%ADngua.> Acessado em 11 de fevereiro de 2021.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONZAGA, Rhaysa,T .SANTANDER,A., Malu .REGIANI,M. Anelise. A cultura Afro-brasileira no Ensino de Química. Revista Nova Escola. São Paulo – SP- Brasil, Vol 41, nº1, p 25-32, Fevereiro de 2019.

IBGE. Normas de apresentação tabular. 3. ed. Rio de Janeiro, 1993.

KURIANSK, Katia i: Canal Vem Jogar. 2021. Disponível em:< https://www.youtube.com/watch?v=I8xROnVNCjY> Acessado em 11 de fevereiro de 2021.

LAKATOS, Eva Maria.; MARCONI, Maria Andrade. Fundamentos da metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003

LE COADIC, Yves-François. Ciência da Informação. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LIMA, Heloise Pires. A Semente que veio da África. São Paulo, Salamandra, 2005.

MACEDO, Lino de. Aprender com os Jogos e Situação Problema. Rio de Janeiro: Artmed, 2000.

MINAYO, M. C. de L. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 19 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORAES, Marcelo José Derzi. A filosofia Ubuntu e o quilombo: a ancestralidade como questão filosófica. Revista África e Africanidades – Ano XII – n. 32, nov. 2019 - ISSN 1983-2354

MOTA, Carla Gleici da Silva, et al. Cultura Africana nas aulas de Matemática: Combatendo o racismo e a aprendizagem de conceitos matemáticos. Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco (REVASF). Petrolina - PE - Brasil, Vol 10, n.23, p.390-4413, dezembro, 2020.ISSN:2177-8183. Periódicos- UNIVASF.

RIBEIRO, P. S. Cultura brasileira: da diversidade à desigualdade. Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/cultura-brasileira-diversidade-desigualdade.htm,acessada em janeiro 2019.

SEM AUTOR: Como se joga o Yoté?. BODOGEMU,2021.Disponível em: <https://bodogemu.com/pt/games/yote>Acessado em 12 de fevereiro de 2021.

SEM AUTOR: Educa Criança.2021. Disponível em: <https://educacrianca.com.br/mancala> Acessado em 11 de fevereiro de 2021.

SEM AUTOR: Ludomania.2021. Disponível em:< http://www.ludomania.com.br/Tradicionais/mancala.html> Acessado em 11 de fevereiro de 2021.

SOSIO, Andrea. Even more mancalas. Galeria de andrea.sosio. Flickr: andrea. sosio. Disponível em:<http://www.flickr.com/photos/andsos/galleries/72157626346391900/>. Acesso em: 26 fev. 2013.

Downloads

Publicado

2021-06-17

Como Citar

ANASTACIO, F. G.; ALENCAR, J. M. de; MACÊDO, L. M. de S. Contribuições da cultura Afro-Indígena para a Matemática. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, [S. l.], v. 8, n. 23, p. 946–959, 2021. DOI: 10.30938/bocehm.v8i23.5034. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/BOCEHM/article/view/5034. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

GT06- Didática, Modelagem, Etnomatemática e Laboratório de Matemática