A Teoria do Flow como promotora motivacional para estudantes com ansiedade matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30938/bocehm.v8i23.4781

Palavras-chave:

Ansiedade Matemática, Flow, Motivação, Dificuldades de Aprendizagem, Educação Básica

Resumo

A matemática faz parte da vida dos estudantes, desde a infância, ajudando na formação, nas resoluções de problemas e nas atividades cotidianas. No entanto, esse é um tópico que ainda ocasiona estresse e ansiedade. Consequentemente, alguns estudantes apresentam uma resposta negativa aos estímulos numéricos, levando-os a um baixo rendimento escolar específico em matemática. A ansiedade matemática pode afetar negativamente não apenas o comportamento diante da matemática, mas na maneira que os estudantes aprendem a matemática. Uma das reações da ansiedade matemática é a tensão, fuga, tédio, ansiedade, desmotivação, preocupação, sentimento de desamparo e medo frente à matemática. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo identificar de que modo os elementos apresentados na Teoria do Flow, podem ajudar no aprendizado da matemática em estudantes que apresentam ansiedade matemática. Foi realizado um estudo bibliográfico que se ocupa em investigar a Teoria do Flow no contexto educacional. Os resultados apontam que os elementos do Flow permitem uma análise diferenciada e individual de como o estudante se apresenta diante as atividades que dependem de suas habilidades, sendo esse um dos elementos mais importante da teoria. A motivação é um processo responsável pela intensidade, direção e persistência de esforços para atingir uma meta, é um fator poderoso que influencia a maneira como os estudantes aprendem e dominam matemática. Isto posto, quando as atividades escolares proporcionam interesse e motivação, os estudantes entram em uma intensa concentração que pode atenuar as reações da ansiedade matemática como desmotivação, desinteresse e tédio.

Palavras-chave: Ansiedade Matemática; Flow; Motivação; Dificuldades de Aprendizagem; Educação Básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Maria Antunes de Campos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutoranda em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP. Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Pedagoga, Psicopedagoga, Especialista em Ensino Lúdico, Pós Graduada em Didática e Tendências Pedagógicas. Possui MBA em Educação Cognitiva pela UBC. Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade de Guarulhos (2007). Tem experiência na área de Educacional, com ênfase em Ensino e Aprendizagem na Sala de Aula, Formação de Educadores. Pesquisadora em Educação Matemática, Ansiedade Matemática, Discalculia e Dificuldades de Aprendizagem. Autora de artigos e livros na área educacional Atualmente é professora de Matemática - Ensino Médio.

Referências

ASHCRAFT, M. H.; KIRK, E. P. The relationships among working memory, math anxiety, and performance. Journal of Experimental Psychology: General, v. 130, N. 2, p.224-237, 2001.

BATEN, E.; PIXNER, S.; DESOETE, A. Motivational and Math Anxiety Perspective for Mathematical Learning and Learning Difficulties. In: FRITZ, A.; HAASE, V. G.; RÄSÄNEN, P. (Editors). International Handbook of Mathematical Learning Difficulties: From the Laboratory to the Classroom, Springer International Publishing AG, p. 557-568, 2019.

CARMO, J. S; SIMINOATO, A. M. Reversão de ansiedade à matemática: alguns dados da literatura. Psicologia da Educação, v. 17, n. 2, p. 317-327, jun., 2012.

CARMO, J. S. Ansiedade matemática: conceituação e estratégia de intervenção. In: BRANDÃO, M. Z. da S., CONTE, F. C. de S., BRANDÃO, F. S., INGBERMAN, Y. K., MOURA, C. B. de, SILVA, V. M.; OLIANE, S. M. (Orgs.). Sobre comportamento e cognição: A história e o avanços, a seleção por consequências em ação. Santo André: Esetec, v. 11, p. 433-442, 2003.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Flow: the psychology of optimal exeperience. 1st ed. Harper Perennial Modern Classiscs, 1990.

______________. A descoberta do fluxo: a psicologia do envolvimento com a vida cotidiana. Rio de Janeiro. Rocco, 1999.

______________. Applications of Flow in Human Development and Education. The Collected Works of Mihaly Csikszentmihalyi. Springer International Publishing, 2014.

DEVINE, A.; HILL, F.; CAREY, E.; SZŰCS, D. Cognitive and emotional math problems largely dissociate: Prevalence of developmental dyscalculia and mathematics anxiety. Journal of Educational Psychology, 110(3), p.431–444, 2018.

DEVINE, A. Cognitive and emotional mathematics learning problems in primary and secondary school students. 248f. Dissertation for the degree of Doctor of Philosophy, University of Cambridge, 2017.

DREGER, R. M.; AIKEN, L. R. The identification of number anxiety in a college population. Journal of Educational Psychology, v. 48, p. 344-351, 1957.

GEIST, Eungene. The Anti-Anxiety Curriculum: Combating Math Anxiety in the Classroom. Journal of Instructional Psychology, v. 37, n.1, p. 24-31, mar., 2010.

HEMBREE, R. The nature, effect, and relief of mathematics anxiety. Journal for Research in Mathematics Education, v. 21, p. 33-46, 1990.

MEECE, J.L.; WIGFIELD, A.; ECCLES, J. S. Predictors of math anxiety and its influence on young adolescents' course enrollment intentions and performance in mathematics. Journal of Educational Psychology, v. 82 (1), p. 60-70, feb., 1990.

MENDES, A. C; CARMO, J. S. Atribuições dadas à matemática e ansiedade ante a matemática: o relato de alguns estudantes do ensino fundamental. Bolema, v. 28, p. 368, dez. 2014.

SANTOS, F. H.; SILVA, P. A.; RIBEIRO, F. S.; DIAS, A. L. R. P.; FRIGÉRIO, M. C.; DELLATOLAS, G.; ASTER, M. V.Number processing and calculation in Brazilian Children Aged 7-12 years. The Spanish Journal of Psychology, v. 15, n. 2, 2012.

TOBIAS; S. Succeed with Math: Every Student's Guide to Conquering Math Anxiety. College Entrance Examination Board, 1987.

Downloads

Publicado

2021-06-17

Como Citar

CAMPOS, A. M. A. de. A Teoria do Flow como promotora motivacional para estudantes com ansiedade matemática. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática, [S. l.], v. 8, n. 23, p. 1314–1324, 2021. DOI: 10.30938/bocehm.v8i23.4781. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/BOCEHM/article/view/4781. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

GT08 - Diferença, Inclusão e Educação Matemática