Os BRICS e a organização de megaeventos esportivos na ordem mundial pós-guerra fria

Autores

  • Elvis Simões P. da Silva Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Geografia pela UNESP - Universidade Estadual Paulista
  • Maria Terezinha Serafim Gomes Universidade Estadual Paulista (UNESP) https://orcid.org/0000-0002-8897-9844

Palavras-chave:

BRICS, FIFA, Geopolítica do esporte, Megaeventos, Nova ordem mundial

Resumo

Após o fim da ordem bipolar, ocorrem mudanças no sistema internacional de poder e na economia, para alguns se desenha uma ordem unipolar com os Estados Unidos, na condição e potência hegemônica pelo poderio militar e econômico, enquanto para outros veem se desenhando uma ordem multipolar. Nos últimos anos, com o crescimento econômico dos países emergentes ou em desenvolvimento, como Brasil, China, Índia, Rússia e África do Sul, denominado de BRICS, há uma reconfiguração da ordem internacional da economia e da geopolítica. É neste contexto que esses países passaram a receber eventos esportivos, especialmente a partir de 2008, quando a China sediou as Olimpíadas; em 2010, a África do Sul recebeu a Copa do Mundo de Futebol; em 2014, foi a vez do Brasil sediar as Olimpíadas e em 2016, o país recebeu o Copa do Mundo de Futebol Masculino; em 2018, a Rússia também recebeu a Copa do Mundo. Este artigo objetiva analisar a geopolítica e o esporte, as relações de poder, que marcam as competições esportivas, em particular o papel dos BRICS na organização de megaeventos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANSANI, G.B. O papel dos BRICS na governança Global. Revista de Geopolítica, v. 7, n. 2, p. 54 - 66, jul. - dez. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3jjgLXg. Acesso em 26 jun. 2021.

ARMITAGE, R. L.; NYE (Jr), Joseph S. A smarter, more secure America. Report of CSIS Commission on Smart Power. Washington: Center for Strategic and International Studies, 2007. Disponível em: https://bit.ly/3jjgLXg. Acesso em: 28 jun. 2021.

BANCO MUNDIAL. Data Worldbank, 2021. Disponível em: <https://bit.ly/33Ixspb/>. Acesso em: 21 dez. 2021.

BARBANTI, V. O que é esporte? Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 54 – 58, 2012. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.11n1p54-58. Disponível em: https://bit.ly/3lwqo5b. Acesso em: 02 dez. 2021.

BLAREL, N. India: the next superpower?: India's soft power: from potential to reality? LSE IDEAS, London School of Economics and Political Science, Londres, v. 10, p. 28 – 33. 2012. Disponível em: https://bit.ly/3A6Bzat. Acesso em: 28 jun. 2021.

BOFF, R. B.; SANTOS, L. O. DOS. ’Un equipo, una nación’: el rugby como instrumento de unión de la Sudáfrica post-apartheid. Lecturas: Educación Física y Deportes, v. 25, n. 264, p. 15-31, 21 may 2020.

BONIFACE, P. Football et mondialisation. 2ª ed. Paris: Armand Colin, 2010.

BONIFACE, P. Géopolitique du sport. Paris: Armand Colin, 2014.

BONIFACE, P. JO Politiques. Paris: Eyrolles, 2016.

BORBA, C. R. O impacto da cobertura das olímpiadas de Beijing na construção da nova identidade visual da China. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Comunicação). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2013. Disponível em: https://bit.ly/3IaWUnj. Acesso em: 02 dez. 2021.

BOURDIEU, P. Como é possível ser esportivo? In: BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. p. 136 - 163. Disponível em: https://bit.ly/3xMfdub. Acesso em 02 dez. 2021.

CANETTIERI, T. A Importância do futebol como instrumento da geopolítica internacional. Revista de Geopolítica, Ponta Grossa, v. 1, n. 2, p. 116 - 128, jun. - dez. 2010. Disponível em: https://bityli.com/CNBpU. Acesso em: 17 ago. 2021.

CARVALHO, M; GAGLIARDI, C. M. R. (org.) Megaprojetos, megaeventos, megalópole: a produção de uma centralidade em São Paulo. São Paulo: Olho d’água, 2015. ISBN: 978-85-7642-031-6. Disponível em: https://bit.ly/3pTkY5N. Acesso em: 1 dez. 2021.

CASELLA, P. B. BRIC - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul: uma perspectiva. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, [S. l.], v. 105, p. 435 - 472, 2010. Disponível em: https://bit.ly/3Ij8tZI. Acesso em: 2 dez. 2021.

CASTRO, G. C. Governança urbana empreendedorista e megaeventos esportivos. GeoUERJ, Rio de Janeiro, ano 15, v. 1 n. 24, p. 37 – 60, 1. sem. 2013. DOI: 10.12957/geouerj.2013.5058. Disponível em: https://bit.ly/2T4R9Co. Acesso em: 8 jun. 2019.

COELHO, J. N. Ondulando a bandeira: futebol e identidade nacional. Relações Internacionais, Portugal, v. 1, n. 2, p. 119 - 140. Disponível em: https://bit.ly/3gL3W6G. Acesso em: 30 mar. 2021.

COI. International Olympic Committe, 2021. Disponível em: < https://www.olympic.org/olympic-games/>. Acesso em: 11 nov. 2020.

COSTA, W. M. O reerguimento da Rússia, os EUA/OTAN e a crise da Ucrânia: a Geopolítica da nova Ordem Mundial. CONFINS - Revista Franco-Brasileira de Geografia [online], São Paulo, n. 25, 2015. DOI: https://doi.org/10.4000/confins.10551. Acesso em: 26 jun. 2021.

DUARTE, O. A história dos esportes; 6ª ed., Editora Senac, São Paulo, 2013.

FIFA. International Federation of association football, 2021. Disponível em: < https://fifa.fans/32sJuCo/>. Acesso em: 12 dez. 2021.

LEITE, E. M. A. Os Impactos do Futebol: Copa do Mundo, Brasil 2014: Espetáculo, Manifestações, Controvérsia, previsões e resultados não esportivos. Humanidades, v. 5, n. 1, fev. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3Fm7PIL. Acesso em: 15 dez. 2021.

MANDUCA, P. C. S.; PINTO, D. J. A. Brazil and South Africa: an alternative regional power in the XXI century. FLACSO-ISA, Buenos Aires, [online], p. 1- 12, 2014. Disponível em: https://bit.ly/3A93iaA. Acesso em: 15 dez. 2021.

MASCARENHAS, F.; Megaeventos esportivos e Educação Física: Alerta de tsunami. Movimento. Movimento – Revista de Educação Física da UFGRS, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 39 - 67, jan. – mar., 2012. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.25260. Disponível em: https://bit.ly/3gZz7La. Acesso em: 26 jun. 2021.

MASCARENHAS, G. Geografia dos Esportes, Uma Introdução. Revista Eletrônica de Geografia e Ciências Sociais, Barcelona, n. 35, 1999. Disponível em <https://bityli.com/JDPeN/>. Acesso em: 12 set. 2019.

MASCARENHAS, G. Construindo a Cidade Moderna: a Introdução dos Esportes na Vida Urbana do Rio de Janeiro. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 23, 1999. Disponível em: https://bit.ly/3yOXW3NAcesso em: 20 dez. 2021.

MASCARENHAS, G. A cidade e os grandes eventos olímpicos: uma geografia para quem? Efdeportes – Revista Digital, Buenos Aires, ano 10, n. 78, nov. 2004. Disponível em: <https://bit.ly/3z3JEMF/>. Acesso em: 7 jun. 2019.

MASCARENHAS, G. Os jogos pan-americanos de 1963. In: MASCARENHAS, G.; BIENENSTEIN, G.; SÁNCHEZ, F. (Org.). O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: Eduerj/Faperj, 2011. v. 1. p. 83 - 97.

MASCARENHAS, G. A Copa do Mundo de 1950 e sua inserção na produção do espaço urbano brasileiro. Geo UERJ, Revista do Departamento de Geografia, UERJ, Rio de Janeiro, ano 15, n. 24, v. 2, 2º semestre de 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2013.11490. Disponível em: https://bit.ly/3cqtsLx. Acesso em: 07 jun. 2021.

MULLER, M. After Sochi 2014: costs and impacts of Russia’s Olympic Games. Eurasian Geography and Economics, n. 55, v. 6, p. 628 - 655, 2015. DOI: 10.1080/15387216.2015.1040432. Disponível em: https://bit.ly/3qwUKGk. Acesso em: 22 dez. 2021.

NYE (Jr.), J. S. Compreender os conflitos internacionais. Lisboa: Gradiva, 2002. ISBN: 978-972-66-2845-3.

NYE (Jr.), J. S. Soft Power: the Means to Success in World Politics. Public Affairs: New York, 2004.

NYE (Jr.), J. S. The future of Power. Nova Iorque: PublicAffairs, 2011.

NERI, M. Eventos esportivos têm papel fundamental para os Brics. IPEA. [S.l] 2012. Disponível em: <https://bit.ly/3A06MMo/>. Acesso em: 26 jun. 2021.

PRONI, M. W. A economia do esporte em tempos de Copa do Mundo. ComCiência, Campinas, n. 157, abr. 2014. Disponível em: <https://bit.ly/3Fjawe5/>. Acesso em: 28 abr. 2021.

RIZZI, K. R.; SCHUTZ, N. X. Política externa da nova África do Sul: Reinserção e afirmação regional. Austral: Revista Brasileira de Estratégia & Relações Internacionais, Porto Alegre, v. 3, n. 5, p. 181 – 201, jan. – jun. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3HcU3J2. Acesso em: 22 dez. 2021.

RODRIGUES, A. M. Os megaeventos na produção e reprodução do espaço urbano. Geotextos, Salvador, v. 9, n. 2, p. 13 - 25, dez. 2013. DOI: https://doi.org/10.9771/1984-5537geo.v9i2.9104. Disponível em: https://bit.ly/3smp0GF. Acesso em 10 dez. 2021.

RUBIO, K. Do olimpo ao pós-olimpismo: elementos para uma reflexão sobre o esporte atual. Revista Paulista De Educação Física, v. 16, n. 2, 130 - 143, 2002. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2594-5904.rpef.2002.138705. Disponível em: https://bit.ly/3FkqlkS. Acesso em: 18 dez. 2021.

SILVA, E. S. P. A Geopolítica dos esportes e o papel dos BRICS na organização de megaeventos. (2019) 106 f. Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Geografia) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Presidente Prudente.

TAS. Tribunal Arbitral do Esporte. CAS DECISION IN THE ARBITRATION WADA V. RUSADA, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3FwQj4Q. Acesso em 20 dez. 2021.

VENTURA E. Le football comme instrument de la diplomatie brasilienne. IEPG, Grenoble, 2008. Disponível em: https://bit.ly/3mKPBtt. Acesso em: 11 dez. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

SIMÕES P. DA SILVA, E.; GOMES, M. T. S. . Os BRICS e a organização de megaeventos esportivos na ordem mundial pós-guerra fria. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 10, n. 19, p. e202101, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/7498. Acesso em: 28 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos