ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO TAIM: UMA ANÁLISE SOBRE USO DO ESPAÇO FÍSICO-NATURAL E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

Autores

  • Marilia Silva da Costa Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Simone Emiko Sato Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Palavras-chave:

Conflito de Uso, Restrição Legal, Unidade de Conservação, Zona de Amortecimento

Resumo

A Estação Ecológica do Taim (ESEC Taim) é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral, localizada no extremo meridional da Planície Costeira do Rio Grande do Sul. A ESEC tem a finalidade de representar e preservar as áreas típicas de banhados, campos e dunas litorâneas as quais desempenham papel fundamental na conservação da diversidade biológica e na manutenção do sistema físico-natural. Em contraponto, este ambiente vem sendo pressionado pelos usos da terra no entorno. Dessa forma, acompanhar as transformações espaciais causadas pelo o uso e a cobertura da terra é fundamental para integridade desta Unidade de Conservação. Os dados foram confrontados com a legislação ambiental e o resultado gerou um mapa onde é possível identificar se há compatibilidade dos usos da terra aos parâmetros legais. De maneira geral, a principal problemática da ESEC Taim está associada às atividades vinculadas à pecuária e à silvicultura, o que compromete a principal função de proteção integral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BECHARA, F. C.; REIS, A.; TRENTIN, B. E. Invasão biológica de Pinus elliottii var. elliottii no Parque Estadual do Rio Vermelho, Florianópolis, SC. Floresta, v. 44, n. 1, p. 63-72, 2013.

BONILHA, G. O. Zoneamento geoambiental mediante aplicação da geoecologia de paisagens: ordenamento territorial do município do Rio Grande/RS, 161f. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Rio Grande/RS, 2019.

BRASIL. Decreto nº 7.830, de 17 de outubro de 2012. Dispõe Sobre o Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Brasília, DF.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de Recursos Naturais; Estudos Ambientais. Manual técnico de uso da terra. Manuais técnicos em geociências, Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Mapa temático e Dados Geoestatísticos das Unidades de Conservação Federais. 2015. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/servicos/geoprocessamento/DC OL/dados_tabulares/UC_bioma_julho_2019.pdf> Acesso em 02 de Dezembro de 2019.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Brasil terá três novos sítios Ramsar. 2017. Disponível em https://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/8786-brasil-tera-tres- novos-sitios-ramsar

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em:

<http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/instrumentos-de- gestao/s%C3%ADtios-ramsar> Acesso em: 01 de agosto de 2018.

BRASIL. Novo Código Florestal. 2012. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC.

BULÉ, B. P. et al. Avaliação da influência da irrigação nos níveis do banhado do Taim por meio de modelagem hidrológica. In Interfaces entre desenvolvimento, meio ambiente e sustentabilidade 2 / Organizadora Maria Elanny Damasceno Silva. – Ponta Grossa - PR: Atena, 2021.p. 1-388–416.

CRUZ, R. C., GUADAGNIN, D. L. Uma pequena história ambiental do Pampa: proposta de uma abordagem baseada na relação entre perturbação e mudança In: A sustentabilidade da Região da Campanha-RS: Práticas e teorias a respeito das relações entre ambiente, sociedade, cultura e políticas públicas. ed. Santa Maria, RS: UFSM, PPG Geografia e Geociências, Dep. de Geociências, 2010, p. 155-179.

CUNHA, C. M. L.; PINTON, L. G. A cartografia das restrições legais ao uso da terra a partir de parâmetros da legislação ambiental. Climep: Climatologia e Estudos da Paisagem, v. 4, n. 2, 2009.

DAROLD, F. R.; IRIGARAY, C. T. J. H. A importância da preservação e conservação das áreas úmidas como mecanismo de efetivação do direito constitucional ao meio ambiente ecologicamente equilibrado para as futuras gerações. REVISTA DIREITO E JUSTIÇA: REFLEXÕES SOCIOJURÍDICAS, v. 18, n. 31, p. 167-180, 2018.

EICHENBERGER, C. C. D. Diagnóstico participativo no planejamento e ordenamento territorial de Unidades de Conservação: o caso da Estação Ecológica do Taim. 2015. Dissertação (Mestrado em Gerenciamento Costeiro)

– Programa de Pós-graduação em Gerenciamento Costeiro, Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande.

MACHADO, I. F. Diversidade e conservação de anuros em Áreas Úmidas costeiras no sul do Brasil. Tese (Doutorado em Biologia). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2011.

MILARÉ, É. Direito do Ambiente: A Gestão Ambiental em Foco: doutrina, jurisprudência, glossário/ Édis Milaré. 7 ed. Rev. Atual e reform. São Paulo. 2011.

PORTZ, L. et al. Dispersão de espécie exótica no Parque Nacional da Lagoa do Peixe e seu entorno. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 1, p. 33-44, 2011.

RODRIGUEZ, J. M.; SILVA, E. V.; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia das

Paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 5. ed. / José Mateo Rodriguez; et al. - Fortaleza: Edições UFC, 2017. 222 p.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto nº 52.431, de 23 de junho de 2015. Estabelece critérios que definem legalmente as características dos Banhados bem como especifica o enquadramento das peculiaridades do bioma pampa visando o preenchimento do CAR (cadastro Ambiental Rural). Porto Alegre, RS.

RITTER, R. S. Aspectos geográficos das lagoas Caiubá e das Flores, município do Rio Grande, RS. Monografia (Graduação em Geografia) Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, RS. 2017.

SATO, S. E. Zoneamento geoambiental do município de Itanhaém, Baixada Santista. Rio Claro. 2012. 132f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.

SILVA, M. D.; LIMA, M. P. R. Efeito espacial do pinus na paisagem do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, RS. Geographia Meridionalis, v. 2, n. 2, p. 194- 213, 2016.

SILVA, E. V.; RODRÍGUEZ, J. M. M. Geoecologia da Paisagem: zoneamento e gestão ambiental em ambientes úmidos e subúmidos. Revista Geográfica da América Central. Número especial EGAL, Costa Rica, 2011.

SPIERING, V. Análise das alterações de cobertura e uso da terra e conflitos ambientais na bacia hidrográfica do Arroio Moreira: subsídios para a definição da zona de amortecimento da REBIO Mato Grande (RS). 2019. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Pelotas – UFPel, Pelotas/RS.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

COSTA, M. S. da; SATO, S. E. ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO TAIM: UMA ANÁLISE SOBRE USO DO ESPAÇO FÍSICO-NATURAL E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 10, n. 18, p. 122–134, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/4338. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos