Transformações na paisagem urbana e impactos na caminhabilidade no “Eixo VLT/BRT” em Várzea Grande (MT) de 2011 a 2023

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59040/GEOUECE.2317-028X.v13.n24.e202404

Palavras-chave:

Paisagem Urbana, Várzea Grande, Caminhabilidade Urbana

Resumo

No Brasil, a mobilidade urbana representa um grande desafio. O elevado número de veículos individuais motorizados, em conjunto com o crescimento do território urbano, promove congestionamentos e amplia o tempo de deslocamentos. A realidade de Várzea Grande e Cuiabá, cidades conurbadas do estado do Mato Grosso, não é diferente da nacional. Com a escolha do Brasil para sediar a Copa do Mundo de 2014, Cuiabá foi selecionada para ser uma das sedes dos jogos. Entre as obras realizadas para sediar a Copa, a de maior destaque foi a dos dois eixos para Veículos Leves sobre Trilhos (VLT). Mas, a ausência de planejamento e imbróglios técnicos e políticos fizeram com que a implantação não ocorresse como deveria: grandes problemas foram encontrados, o que resultou em uma grande modificação da paisagem urbana de Cuiabá e Várzea Grande e impactos na caminhabilidade urbana. Este estudo tem como objetivo analisar os impactos, as modificações e as transformações na paisagem urbana no Eixo VLT em Várzea Grande de 2011 a 2023. Observou-se que não existe uma padronização, mas uma heterogeneidade, na estrutura viária, com diversos trechos com bloqueios visuais, sem preocupação com o trajeto do pedestre e a dimensão adequada das calçadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Wesley Afonso da Silva Dias, Instituto Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2012), Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho pela AJES (2016) e mestrado em Projeto e Cidade pela Universidade Federal de Goiás (2019), com ênfase em Mobilidade Urbana. Atualmente é professor na Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT no curso de Arquitetura e Urbanismo e ministra cursos nas áreas relacionadas a segurança do trabalho. Tem experiência nas áreas de Arquitetura e Urbanismo e Segurança do Trabalho, atuando na área de Design de Móveis, Desenho Urbano, projetos de Arquitetura Residencial, Comercial e Institucional. Ministra treinamentos em: Atendimento Pré-Hospitalar (APH), Suporte Básico de Vida (SBV), Primeiros Socorros, Brigada de Incêndio Tipo I, NR 20 e NR12

Marceli Adriane Schvartz, Instituto Federal de Mato Grosso

Engenharia de Transportes e Logística e Mestranda em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Ao longo da graduação participou do Laboratório de Mobilidade e Logística, desenvolvendo pesquisas nas áreas de Logística Urbana, Intermodalidade, Sistemas de Transporte e Metodologias de decisão multicritério. Atualmente, integra o grupo de pesquisadores do Núcleo de Estudos em Gestão de Riscos e Infraestrutura - GRIN.

Vandréia Santos Pironnet, Instituto Federal de Mato Grosso

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UNIMAR - Universidade de Marilia, a mais de 20 anos, atua nas mais diversas áreas da arquitetura e urbanismo, sendo assim habilitada a resolver os mais diversos desafios. Trabalhou por alguns anos na Prefeitura Municipal de Tangara da Serra-MT, como Arquiteta Municipal responsável por inúmeras aprovações de projetos, Alvarás de Construção, Alvarás de Localização e Funcionamento, Certidões de Habite-se, Avaliações de Imóveis, Programa de Doação de Plantas Econômicas, onde ocupou alguns cargos de destaque, como entre outros, Secretária Municipal de Coordenação e Planejamento, Superintendente de Transporte Aéreo e Viário. Paralelo aos serviços prestados ao Município, foi Inspetora Chefe Regional / CREA-MT, recebeu Moção de Aplausos da sociedade cuiabana pelos trabalhos realizados na quarta edição da Casa Cor Mato Grosso, ?Hall Pacova?, representou a entidade de Classe AEATS no CONDEURB Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano de TGA. Em seu escritório, presta serviços em Arquitetura de Interiores, com belíssimos ambientes executados, mais de 20.000m² de área residencial construída ou reformada, áreas estas computadas entre os anos de 2010 a 2019, contabilizando penas obras acima de 150m². Na área comercial, podemos encontrar clínicas especializadas, farmácias, postos de combustível, supermercado, lojas de vestuário, hotéis, restaurantes, choperias, escritórios dos mais diversos ramos de atividades. Obras em destaque, podemos encontrar a Nova sede do TRT de Tangara, Nova Sede da Unimed Tangará, Reforma e ampliação da AMM Associação Mato-grossense em Cuiabá, Nova Sede da EMPAER a ser construído no CPA de Cuiabá, Frigorifico de Aves União Avícola em Marilândia, projeto PAC I com Centro de Múltiplo Uso, Creche Materno Infantil, Unidade de Saúde da Família e revitalização do Parque Figueira em Tangará, Centro de Eventos pra cidade de Tangará obra em andamento, a revitalização do Bosque Municipal (Ildo Ferreira Coutinho), PAC II Regularização fundiária do parque as Margens do Córrego Figueira em Tangará, Condomínio de lotes Fechado Manacá com 400 unidades habitacionais, loteamentos diversos com mais de 8.000 lotes aprovados e liberados para a construção. Atualmente, se encontra finalizando a Curso de Pós-Graduação - Master em Arquitetura pelo IPOG (Instituto de Pôs Graduação Ltda.), participa do CONCIDADE - Conselho Municipal da Cidade de Tangara da Serra, como membro titular representando a entidade de Classe CAU-MT e nomeada vice-presidente do conselho. Tem como metodologia de trabalho, a compreensão das necessidades do requerente, buscando soluções criativas e personalizadas, sem desprezar o conforto e funcionalidade do ambiente ou projeto.

Lívia Maschio Fioravanti, Instituto Federal de Mato Grosso

Doutora em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP). Foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) durante a graduação e o mestrado. Realizou estágio de pesquisa no exterior no Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine (Université Sorbonne Nouvelle - Paris). Desde 2014, é docente do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), atuando em diversas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Coordena, desde a primeira turma no ano de 2020, o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Desenvolvimento Urbano, do IFMT Campus Várzea Grande. É líder do Grupo de Estudos em Desenvolvimento Urbano (NEDurb) e está em fase de conclusão de seu Pós-Doutorado pela Universidade de São Paulo (2021-2023). Recebeu o Prêmio Tese Destaque USP (Categoria Ciências Humanas - 2019).

Referências

ALVES, Priscila. Mobilidade urbana sustentável e polos geradores de viagens: análise da mobilidade não motorizada e do transporte público. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal de Uberlândia, 2015.

ANTP, Associação Nacional de Transportes Públicos. Relatório Geral 2018 - Sistema de Informações da Mobilidade Urbana da Associação Nacional de Transportes Público - SIMOB/ANTP. 2020. Disponível em: <http://files.antp.org.br/simob/sistema-de-informacoes-da-mobilidade--simob--2018.pdf>. Acesso em: 8 abr. 2023.

ANTP, Associação Nacional de Transportes Públicos. Sistema de Informações da Mobilidade Urbana da Associação Nacional de Transportes Público - Simob/ANTP. 2017. Disponível em: <http://files.antp.org.br/simob/sistema-de-informacao-de-mobilidade-urbana-da-antp--2017.pdf>. Acesso em: 8 abr. 2023.

AWAD, Juliana di C. M.; LEITE, Carlos. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

BRASIL. Lei nº 12587, de 03 de janeiro de 2012. Política Nacional de Mobilidade Urbana. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm>. Acesso em: 5 abr. 2023.

CACCIA, Lara S. Mobilidade urbana: políticas públicas e apropriação do espaço em cidades brasileiras. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2015.

CAMPOS, Vânia B. G. Planejamento de transportes: conceitos e modelos. Rio de Janeiro: Interciência, 2013.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. São Paulo: Pini, 1990.

DUARTE, Cristóvão F. Forma e movimento. Rio de Janeiro: Viana & Mosley/PROURB, 2006.

DUARTE, Fábio; SÁNCHEZ, Karina; LIBARDI, Rafaela. Introdução à mobilidade urbana. Curitiba: Juruá. 2007.

EPL, Empresa de Planejamento e Logística. Boletim de Logística o Brasil e a Mobilidade Urbana. Observatório Nacional de Transporte e Logística, 2021. Disponível em: < https://ontl.epl.gov.br/wp-content/uploads/2021/02/Mobilidade-Urbana.pdf>. Acesso em: 11 jun. 2023.

GEHL, Jan. Cidades para pessoas. Trad. Anita Di Marco. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GIL, Antonio C. Como elaborar projetos de pesquisa. Rio de Janeiro: Grupo GEN, 2022.

GUIMARÃES, Bruna R.; PASQUALETTO, Antônio; CUNHA, Júlia P. de S. A vital necessidade da mobilidade urbana nas cidades brasileiras. Revista GeoSertões, v. 6, n. 11, p. 65-88, 2021.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Várzea Grande. Disponível em <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/varzea-grande> Acesso em: 10 mai. 2023.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes,2011.

LITMAN, T. Evaluating active transport benefits and costs: guide to valuing walkingand cycling improvements and encouragement programs. Victoria, Canada: Victoria Transport Policy Institute, 2021. Disponível em < https://www.vtpi.org/nmt-tdm.pdf> Acesso em: 10 mai. 2023.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. 3ª edição. São Paulo: WMF, 2018.

McCOLLUM, David L. et al. Interaction of consumer preferences and climate policies in the global transition to low-carbon vehicles. Natural Energy, v. 3, p. 664-673, 2018.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. PlanMob: Caderno de Referência para Elaboração de Plano de Mobilidade Urbana. 2015. Disponível em: <http://www.cidades.gov.br/images/stories/ArquivosSE/planmob.pdf>. Acesso em: 10 de abril de 2023.

NETTO, Antonio L. Impactos socioambientais e qualidade ambiental urbana: O caso do veículo leve sobre trilhos em Cuiabá - Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Mato Grosso, 2016.

ROCHA, Samir A. Geografia humanista: história, conceitos e o uso da paisagem percebida como perspectiva de estudo. Curitiba: Editora UFPR, 2007.

ROCHA, Yuri T. Teoria geográfica da paisagem na análise de fragmentos de paisagens urbanas de Brasília. São Paulo e Rio de Janeiro. Revista Formação, v.1, n.15, p. 19-35, 2008.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SILVEIRA, Márcio R. Geografia da circulação, transporte e logística: construção histórica e perspectivas. In: SILVEIRA, Márcio R. (org.). Circulação, transportes e logística: diferentes perspectivas. São Paulo: Expressão Popular, 2011. p. 6-45.

SPECK, Jeff. Cidade Caminhável. São Paulo, Perspectiva. 2017.

SPECK, Jeff. Walkable City: how downtown can save America, one-step at a time. NovaYork, North Point Press, 2012.

TRICART, Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREN, 1977.

VASCONCELLOS, Eduardo A. de V. Políticas de transporte no Brasil: A construção da mobilidade excludente. Barueri: Manole, 2013.

VASCONCELOS, Laura C. da S. A dinâmica da mobilidade urbana: avanços, contradições e desafios em Cuiabá e Várzea Grande - MT. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal de Goiás, 2018.

VELASQUEZ, Guilherme G.; OLIVEIRA, Josildete P. de; ROSSINI, Diva de M. Planejamento, paisagem urbana e turismo: uma análise da paisagem urbana de Bonito- MS, a partir da proposta de Vicente Del Rio. In: XI Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo-ANPTUR, Fortaleza-CE,2014.

Downloads

Publicado

2024-05-16

Como Citar

AFONSO DA SILVA DIAS, W.; ADRIANE SCHVARTZ, M.; SANTOS PIRONNET, V.; MASCHIO FIORAVANTI, L. Transformações na paisagem urbana e impactos na caminhabilidade no “Eixo VLT/BRT” em Várzea Grande (MT) de 2011 a 2023 . Revista GeoUECE, [S. l.], v. 13, n. 24, p. e202404, 2024. DOI: 10.59040/GEOUECE.2317-028X.v13.n24.e202404. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/11807. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos