Migração de retorno da fronteira do Paraguai com o Brasil: redes, vínculos e transterritorialidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59040/GEOUECE.2317-028X.v12.n22.e202304

Palavras-chave:

Fronteira; Migração de Retorno; Redes; Paraguai; Brasil.

Resumo

O presente artigo analisou a migração de retorno de brasileiros do Paraguai no período de 1970 a 2020, problematizando diferentes casos de retorno, visando perceber a influência da fronteira nestas mobilidades. O delineamento metodológico foi conduzido pela história oral, na modalidade de história oral de vida, oriundo das pesquisas realizadas entre 2019 a 2022, com retornados residentes nos municípios de Foz do Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu. Na primeira parte, fizemos uma discussão teórica em torno dos conceitos de fronteira e migração de retorno. Na segunda parte, analisamos diferentes situações de retorno para esta região de fronteira. Como resultado, observou-se que a busca pela educação, saúde, aposentadoria, reuniões familiares, trabalho, pandemia de Covid-19, levaram o retorno de brasileiros do Paraguai. Retornos para municípios fronteiriços brasileiros que podem acontecer articulados pela presença de redes, principalmente, familiares ou pela proximidade destes municípios com o antigo país de destino onde estes possuem vínculos. Assim, conclui-se que estes retornos para a fronteira fazem parte de estratégias desses imigrantes para acessar serviços, principalmente do lado brasileiro, e manter os vínculos com o espaço anterior, onde estes possuem familiares, trabalhos, possibilitando idas e vindas, transterritorialidades, entre os dois países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcos Mondardo, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutor em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil. Endereço para correspondência: Rua Barão do Rio Branco, 395, Jardim Clímax, Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil, CEP: 79820-011.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/1205745448514695

E-mail: marcosmondardo@yahoo.com.br

Vanucia Gnoatto, Universidade de Passo Fundo

Mestra em História Regional pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Doutoranda em História Regional pelo Programa de Pós- Graduação em História da Universidade de Passo Fundo, bolsista Prosuc Capes (UPF), Passo Fundo, Rio Grande do Sul,Brasil. Endereço para correspondência: Rua da Várzea, 216, ACS Ervalzinho, Aparecida, Barra Funda, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP: 99585-000.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/2040074873083905

E-mail: vanuciagnoatto@gmail.com

Referências

ALBUQUERQUE, J. L. C. Fronteiras em movimento e identidades nacionais: a imigração brasileira no Paraguai. 2005. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

ALBUQUERQUE, J. L. C. A dinâmica das fronteiras: deslocamento e circulação dos “brasiguaios” entre os limites nacionais. Horizontes Antropológicos, v. 15, n. 31, p. 137-166, jan./jun. 2009.

BALLER, L. Fronteira e Fronteiriços: a construção das relações sociais e culturais entre brasileiros e paraguaios (1954-2014). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2014.

BOTEGA, T.; CAVALCANTI, L.; OLIVEIRA, A. T. (Orgs.). Migrações Internacionais de Retorno no Brasil. Brasília: Relatório, 2015.

BRUM, A. J. Modernização da agricultura: trigo e soja. Ijuí: FIDENE, 1985.

CANESE, R. Paraguay: la peligrosa restauracion neoliberal. In:VILLAGRA, L. R.(coord.). Neoliberalismo en América Latina. Crisis, tendencias y alternativas. Asunción: Clacso, 2018. p. 241-259.

Cassarino, J-P. Teorizando sobre a migração de retorno: uma abordagem conceitual revisitada sobre migrantes de retorno. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, v. 21, n. 41, p. 21-54, jul./dez. 2013.

CAVALCANTI, L.; PARELLA, S. El retorno desde una perspectiva transnacional. Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, v. 21, n. 41, p. 9-20, jul./dez. 2013.

DOMENECH, E. Pandemia y control de fronteras en el espacio sudamericano. In: VELASCO, S. Á. et al. (Trans)Fronteriza: (In)movilidades en las Américas y COVID-19. Buenos Aires: CLACSO, 2020. p. 17-23.

FAZITO, D. Análise de Redes Sociais e Migração. Dois aspectos fundamentais do “retorno”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 25, n. 72, p. 89-100, 2010.

FLORENTÍN, C. G. 1954. El contexto histórico. Asunción: El lector; ABC Color, 2014.

GONÇALVES, A. J. Apresentação. In: ZAMBERLAM, J.; CORSO, G. (Orgs.). Tendências de Mobilidade Humana nas Três Fronteiras:realidade migratória na Diocese de Foz do Iguaçu. Porto Alegre: Renascença, 2006.

GRAZIANO, J. da S. O novo rural brasileiro. 2. ed. Campinas: IE/Unicamp, 2002.

GUIZARDI, M. Las mujeres y las regiones fronterizas latinoamericanas. Movilidades, violencias y agencias. In: BLANKE, S. (Dir.). Fronteras latinoamericanas: Más allá de los límites. Buenos Aires: NUEVA SOCIEDAD. n° 289, 2020, p.70 - 80.

HAESBAERT, R.; MONDARDO, M. L. Transterritorialidade e antropofagia: territorialidades de trânsito numa perspectiva brasileiro-latino-americana. Geographia, Niterói, v.12, n. 24, p.19-50, 2010.

MARQUES, D. H. F. Circularidade na fronteira do Paraguai e Brasil: o estudo de caso dos “brasiguaios”. 2009. Tese (Doutorado em Demografia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

MARTINS, J. S. O tempo da fronteira. Retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo social, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 25-70, 1996.

MASCARENHAS, M. C.; KLAUCK, S. COVID 19 e o fechamento da Ponte Internacional da Amizade. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade,v.6 n°03, p.1 -16, 2020.

MONDARDO, M. L. A dinâmica migratória do Paraná: o caso da região Sudoeste ao longo do século XX. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 103-131, 2011.

PIÑONES-RIVERA, C.; LIBERONA, N.; HENRÍQUEZ, W. M.; HOLMES, S. M. Ideological assumptions of Chile’s international migrant healthcare policy: A critical discourse analysis. Global Public Health, p.1-16, 2022.

PÓVOA NETO, H. Migração e fronteiras. In: OLIVEIRA, F. L. de; NOVAIS LIMA JUNIOR, P. (Orgs.). Território e planejamento: perspectivas transdisciplinares. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2018. v. 1, p. 91-106.

ROMEU DE SOUZA, T. Reflexões sobre a subalternização dos migrantes e sua emergência como sujeitos geográficos na contemporaneidade. In: MARTINS, I. M. M.; MONDARDO, M. L. (Orgs.). Migrações no mundo da fluidez e dos muros: movimentos, práticas e resistência na América Latina. Rio de Janeiro: Multifoco, 2018. p. 82-110.

SALES, T. Migrações de fronteira entre o Brasil e os países do Mercosul. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro,v. 1, n. 13, p. 87-98, 1996.

SANTOS, G. A. Redes e território: reflexões sobre a migração.In: DIAS, L. C.; SILVEIRA, R. L. L. (Orgs.). Redes, sociedades e territórios. 3. ed. rev. e ampl. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2021. p. 53-80.

SAYAD, A. A Imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, 1998.

SAYAD, A. O retorno, elemento constitutivo do migrante. TRAVESSIA - Revista do Migrante, São Paulo, Ano XIII, número especial, p. 01-36, 2000.

SILVA, H. M. Fronteiriços: as condicionantes históricas da ocupação e colonização do oriente paraguaio. A região de Katueté, no Departamento de Canindeyú 1970-2000. 2007. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

SPRANDEL, M. A. Brasiguaios: conflito e identidade em fronteiras internacionais. 1992. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.

ZAAR, M. H. A migração rural no oeste paranaense/Brasil: a trajetória dos “brasiguaios”. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v. 88, n. 94, p. 01-15, 2001.

Downloads

Publicado

2023-08-02

Como Citar

MONDARDO, M.; GNOATTO, V. Migração de retorno da fronteira do Paraguai com o Brasil: redes, vínculos e transterritorialidades. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 12, n. 22, p. e202304, 2023. DOI: 10.59040/GEOUECE.2317-028X.v12.n22.e202304. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/10911. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos