Influência da Vegetação e Corpos Hídricos no Clima Urbano na Sede Municipal de Quixeramobim – CE

Autores

Palavras-chave:

Arborização, Corpos hídricos, Sensação térmica, Centros urbanos

Resumo

Transitar pelas ruas da cidade de Quixeramobim – CE no intervalo entre 8h e 16h tem sido um desafio crescente para os cidadãos, pois a sensação de calor tem crescido e é cada vez mais comentada pelas pessoas na rua. As ruas principais receberam uma cobertura de pavimento e foram construídas praças e prédios comerciais. A escolha de bairros com características diferentes, principalmente em relação à quantidade de áreas com vegetação e densidade habitacional ajudou a definir a área de estudo. O objetivo geral consistiu em analisar os efeitos que a arborização e a presença de corpos hídricos exercem na sensação térmica no centro urbano do município de Quixeramobim. Foi utilizado um Termo-Higrômetro digital (modelo Pd-003) com a coleta dos parâmetros ambientais de temperatura e umidade relativa do ar. O comportamento térmico dos pontos de coleta apresentou variáveis interessantes, tendo em vista que a proximidade do corpo hídrico do Rio Quixeramobim proporcionou uma leve alteração quanto à umidade relativa do ar. Notou-se que os locais que concentram uma grande quantidade de construções, indústrias e pavimento asfáltico apresentaram elevadas temperaturas e baixa umidade do ar, revelando o quão importante é a introdução de vegetação arbórea nos centros urbanos, nas praças de recreação e nas ruas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, E.D.L; BIUDES, M.S. Análise da temperatura do ar e da umidade relativa: estuo de microclimas. Revista de Internacional Interdisciplinar, v.9, nº02, p. 139-156, Jul./Dez. 2012. DOI:10.5007/1807-1384.2012v9n2p139

AMORIM, M. C. C. T. Teoria e método para estudo das ilhas de calor em cidades tropicais de pequeno e médio porte. 2017. 178f. (Tese de Livre docência) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente – SP.

FREITAS, A. F.; MELO, B. C. B.; SANTOS, J. S.; ARAÚJO, L. E. Avaliação microclimática em dois fragmentos urbanos situados no Campus I e IV da Universidade Federal da Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física. v. 6, n. 4, p. 777-792, 2013. DOI:10.26848/rbgf.v6i4.233068.

FREITAS, E. D. de; DIAS, P. L. da S. Alguns efeitos de áreas urbanas na geração de uma ilha de calor. Revista Brasileira de Meteorologia, São José dos Campos, SP, v. 20, n.3, p. 355-366, 2005. DOI:10.6084/m9.figshare.14416484

FROTA, A. B; SCHIFFER, S. R. Manual do conforto térmico. São Paulo: Nobel, 1988.

GARTLAND, Lisa. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

GONÇALVES, T.P.; SANTOS Jr, A.R. Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental. In: III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, 2012, Goiânia, GO. ANAIS - III CONGRESSOS BRASILEIROS DE GESTÃO AMBIENTAL, 2012. v. 3. p. VII-029-1-VII-029-5. Disponível em: https://www.ibeas.org.br/congresso/congresso3.htm Acesso em: 20/02/2021

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. A cidade como processo derivado ambiental e a geração de um clima urbano: estratégias na abordagem geográfica. Geosul, v. 5, n. 9, p. 80-114, 1990.

MOURA, Marcelo Oliveira de; ZANELLA, Maria Elisa; SALES, Marta Celina Linhares. Ilhas Térmicas na Cidade de Fortaleza/CE. Boletim Goiano de Geografia, v. 28, n. 2, p. 33-45, 2008.

NIMER, Edmon. Climatologia da região Nordeste do Brasil. Introdução à climatologia dinâmica. Revista Brasileira de Geografia, v. 34, n. 2, p. 3-51, 1972.

R. S. NÓBREGA, L. A. B. Vital. Influência da Urbanização sobre o Microclima de Recife e Formação de Ilha de Calor. Revista Brasileira de Geografia Física 03 (2010) 151-156. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v3i3.232670

Ribeiro, S.K., Santos, A.S. Relatório Especial do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. PBMC, COPPE – UFRJ. Rio de Janeiro, Brasil. 116p. 2016. ISBN: 978-85-285-0344-9.

ROBBA, F.; MACEDO, S. S. Praças Brasileiras. Estudos Geográficos: Revista Eletrônica de Geografia, Rio Claro, v. 2, p.87-88, jul-dez, 2004.

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. Edusp, 2013.

SANTOS JÚNIOR, J. B. DOS. Microclimas do município de Viçosa do Ceará: Uso da temperatura efetiva na análise do conforto térmico. Revista de Geociências do Nordeste, v. 2, p. 385-394, 27 out. 2016.

SILVA, MERYELLE; OLIVEIRA, ANTONIA DE. Processo de revitalização do sertão: uma prática necessária sobretudo em Quixeramobim-CE. Revista de Geografia e Ordenamento do Território (GOT), nº 9 (junho). Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território, p. 263-279, 2016. dx.doi.org/10.17127/got/2016.9.012.

ZANELLA, M.E. As características climáticas e os recursos hídricos do Estado do Ceará. SILVA, J.B.; CAVALCANTE, T.C.; DANTAS, E.W.C. (eds.). Ceará: um novo olhar geográfico Edições Demócrito Rocha, Fortaleza. 480p, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

QUEIRÓS, G. R. S. de .; ROCHA, M. N. da . Influência da Vegetação e Corpos Hídricos no Clima Urbano na Sede Municipal de Quixeramobim – CE. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 10, n. 19, p. e202104, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/5388. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos