MORTALIDADE INFANTIL: UMA ANÁLISE NO RIO GRANDE DO SUL MERIDIONAL (1995-2015)

Autores

  • Fabrini Carvalho Mendes PPGGEO-FURG

Palavras-chave:

Mortalidade infantil, Indicadores Sociais , Desenvolvimento Regional

Resumo

O Coeficiente de Mortalidade Infantil, utilizado como um indicador social, é uma potente ferramenta empírica que possibilita o diagnóstico social de uma área específica em um dado momento histórico. Trata-se de um dado sensível que é atravessado por questões sociais e econômicas que, se identificadas, fornecem subsídios para a produção de ações que diminuam este tipo de óbito infantil.  A pesquisa analisou os valores do Coeficiente nos Conselhos Regionais de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul, no período de 1995-2015, com o objetivo de comparar o indicador entre divisões regionais sob mesma administração estadual. Os resultados apontaram uma média relativamente maior de mortalidade infantil nos Conselhos localizados no sul do estado. A constatação instrumentaliza planejamentos direcionados para eliminar as desigualdades regionais que influenciam em Coeficientes elevados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAHIA BEZERRA, A.; et al. Dinâmica espacial de nascidos vivos e óbitos infantis nas regiões de saúde do Distrito Federal em 2012. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 13, n. 26, p. 126 - 138, 7 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gestação de alto risco: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 5. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012. 302 p.

______. Painel de Monitoramento da Mortalidade Infantil e Fetal. Sistema de Informação sobre Mortalidade - SIM. Departamento de Análise de Doenças Não Transmissíveis. Secretaria de Vigilância em Saúde. [on-line]. 2020a.

______. Painel de Monitoramento da Mortalidade Infantil e Fetal. Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos – SINASC. Departamento de Análise de Doenças Não Transmissíveis. Secretaria de Vigilância em Saúde. [on-line]. 2020b.

BÜTTENBENDER, Pedro Luýs; SIEDENBERG, Dieter Rugard; ALLEBRANDT, Sérgio Luís. Conselhos regionais de Desenvolvimento (Coredes) RS: articulações regionais, referenciais estratégicos e considerações críticas. Desenvolvimento Regional em Debate. V. 1, p. 81-106, 2011.

CARGNIN, Antonio Paulo. Políticas de desenvolvimento regional no Rio Grande do Sul: vestígios, marcas e repercussões territoriais. 1º ed. Brasília, DF: Ministério da Integração Nacional, 2014. 240p.

CORONEL, Daniel Arruda; ALVES, Fabiano Dutra; SILVA, Mariângela Amaral e. Notas sobre o processo de desenvolvimento da Metade Sul e Norte do Estado do Rio Grande do Sul: uma abordagem comparativa. Revistas UNISINOS. Perspectiva Econômica. Brasil, v. 3, n.02, p. 27-43, 2007.

FARIA, Rivaldo Mauro. Desigualdades territoriais nos indicadores de mortalidade infantil do estado do Rio Grande do Sul. Brasil. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde (Uberlândia), v. 12, p. 167-181, 2016.

FERREIRA, Marcos César. Iniciação à Análise Geoespacial: teoria, técnicas e exemplos para geoprocessamento. 1ª ed. São Paulo: Editora Unesp. 2014.

GOMES, Paulo Cesar da Costa. O conceito de região e sua discussão. In: Iná Castro; Roberto Lobato Correa; Paulo Cesar da Costa Gomes. (Org.). Geografia: Conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995, 16ª ed. 352 p.

ILHA, Adayr da Silva; ALVES, Fabiano Dutra; SARAVIA, Luis Hector Barboza. Desigualdades Regionais no Rio Grande do Sul: O Caso da Metade Sul. In: 1º Encontro de Economia Gaúcha. Porto Alegre. 2002. v. 1.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA (IPEA). A criança no Brasil: o que fazer. IPEA/IPLAN Instituto de Planejamento Econômico e Social/Instituto de Planejamento. Brasília: 1990. 98 p.

JANNUZZI, Paulo de Martino. Indicadores Sociais no Brasil. 4. ed. Campinas, SP: Editora Alínea, 2009.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo, Editora Atlas, 5ª ed. 2003.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018. 80 p.

MERCHAN-HAMANN, Edgar; TAUIL, Pedro Luiz; COSTA, Marisa Pacini. Terminologia das medidas e indicadores em epidemiologia: subsídios para uma possível padronização da nomenclatura. Informe Epidemiológico do SUS, Brasília, v. 9, n. 4, p. 276-284, dez. 2000.

OLIVEIRA FRIESTINO, J. K.; BALDISSERA, V. G.; BATISTA SANTOS, V. H. Saúde, ambiente e desenvolvimento nas microrregiões de Chapecó-SC e Erechim-RS. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 16, p. 25 - 36, 12 maio 2020.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História do Rio Grande do Sul - Série Revisão 1. 9ª edição – Porto Alegre: Mercado Aberto, 142 p. 2002.

REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÕES PARA A SAÚDE (RIPSA). Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações – 2a ed. – Brasilia: Organizacao Pan-americana da Saude, 2008. 349 p.: il.

RIO GRANDE DO SUL. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA (DEE). Dados diversos, DEE. Porto Alegre. Brasil. [on-line] 2018-2020. Disponível em: <http://feedados.fee.tche.br/feedados/#!home/apresentacao>. Acesso em: 23 jun. 2020.

SARDINHA, L. M. V.. Mortalidade infantil e fatores associados à atenção à saúde: estudo caso-controle no Distrito Federal (2007-2010). Tese (Doutorado em Medicina). – Universidade de Brasília – UnB. Brasília, 2014. 182 fl.

TYNER, J. A. Population geography II: Mortality, premature death, and the ordering of life. Progress in Human Geography, v. 39, n. 3. p. 360-373, 2015.

VAN DE WALLE, Etienne, PRESTON, Samuel Hulse. Mortalité de l'enfance au XIX e siècle à Paris et dans le département de la Seine. [on-line]. Paris. In: Population, 29ᵉ année, n°1, 1974. pp. 89-107. Disponível em:<https://www.persee.fr/doc/pop_0032-4663_1974_num_29_1_16186>. Acesso em: 17 set. 2020.

VICTORA, C. G.; et al. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. The Lancet. 2011. 377 (9780):1863-1876.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

MENDES, F. C. MORTALIDADE INFANTIL: UMA ANÁLISE NO RIO GRANDE DO SUL MERIDIONAL (1995-2015). Revista GeoUECE, [S. l.], v. 10, n. 18, p. 42–56, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/4094. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos