A INFLUÊNCIA MORFOESTRUTURAL NO DESENCADEAMENTO DE MOVIMENTOS DE MASSA NO MACIÇO DE URUBURETAMA, CEARÁ, BRASIL

Autores

  • Danielle Lopes De Sousa Lima
  • Abner Monteiro Nunes Cordeiro
  • Frederico De Holanda Bastos

Palavras-chave:

Geomorfologia, Morfoestrutura, Processos Morfodinâmicos

Resumo

O Maciço de Uruburetama apresenta uma morfologia que documenta episódios de evolução morfotectônica e morfoclimática ao longo do tempo geológico. Esse Maciço granitoide Neoproterozoico apresenta grande influência de controle estrutural, com linhas de falhas que representam descontinuidades do relevo, demonstrando a importância da tectônica na estruturação do embasamento da área. O trabalho objetiva analisar os componentes morfoestruturais do maciço de Uruburetama responsáveis por desencadear movimentos de massa. Dessa forma, foram realizados procedimentos técnico-metodológicos como: levantamentos bibliográficos e pesquisa de campo, além do uso das geotecnologias. Os resultados demonstram que os sistemas de falhas e fraturas na área de estudo, exercem importante influência no controle estrutural da drenagem e na dissecação do relevo, porém esse sistema não é fator decisivo. As características do relevo da área, associadas às condições naturais e as práticas de uso inadequadas do solo, potencializam o desencadeamento de movimentos gravitacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SÁBER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. 159p.

ANDRADES FILHO, C. O. Análise Morfoestrutural da Porção Central da Bacia Paraíba (PB) a partir de dado MDE-SRTM e ALOS-PALSAR FBD. Dissertação (Mestrado do Curso em Sensoriamento Remoto) – Curso de Pós Graduação em Sensoriamento Remoto, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 2010. 177p.

BASTOS, F. H. Movimentos de massa no maciço de Baturité (CE) e contribuições para estratégias de planejamento ambiental. Tese (Doutorado em Geografia) - Curso de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012. 257p.

BASTOS, F. H.; CORDEIRO, A. M. N. Fatores naturais na evolução das paisagens no semiárido brasileiro: uma abordagem geral. Revista GeoNorte, Edição Especial, v. 2, n. 04, p.464-476, 2012.

BRASIL. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais-CPRM/Serviço Geológico do Brasil. Mapa Geológico do Estado do Ceará. 2003.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física global: esboço metodológico. Trad. Olga Cruz. Caderno de Ciências da Terra, v. 13, p. 01-21, 1972.

BIGARELLA, J. J.; PASSOS, E.; HERMANN, M. L. P.; SANTOS, G. F.; MENDONÇA, M.; SALAMUNI, E.; SUGUIO, K. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. 2 ed. v. 3. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2003. 552p.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Editora Edgard Blucher, 1980. 185p.

CORREA, A. C. B.; TAVARES, B. A. C.; MONTEIRO, K. A.; CAVALCANTI, L. C. S.; LIRA, D. R. Megageomorfologia e morfoestrutura do planalto da Borborema. Revista do Instituto Geológico, v. 31 (1/2): p. 35-52, 2010.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J. S. Imagens fotográficas derivadas de MNT do projeto SRTM para fotointerpretação na Geologia, Geomorfologia e Pedologia. Relatório de Pesquisa, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos, 2004.

DIKAU, R. Mass Movement. In: GOUDIE, A. (hrsg.). Encyclopedia of Geomorphology. Bonn University, 2004. p. 644-653.

FERNANDES, N. F.; AMARAL, C. P. Movimentos de massa: uma abordagem geológica-geomorfológica. p. 123-194. In: CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. (orgs.) Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 372p.

GUIDICINI, G.; NIEBLE, C. M. Estabilidade de taludes naturais e de escavações. São Paulo: Edgard Blücher: 1984. 194p.

SAADI, A. Modelos morfogenéticos e tectônica global: reflexões conciliatórias. Geonomos, v. 06, n. 02, p. 55-63, 1998.

SOUZA, M. J. N. Contribuição ao estudo das unidades morfoestruturais do Estado do Ceará. Revista de Geologia, v. 01, n. 01, p. 73-91, 1988.

______. Bases naturais e esboço do zoneamento geoambiental do Estado do Ceará. p. 05-104. In: LIMA L. C. (org.) Compartimentação territorial e gestão regional do Ceará. Fortaleza: FUNECE, 2000. 266p.

______. Contexto ambiental do enclave úmido da serra de Baturité-Ceará. p. 19-33. In: BASTOS F. H. (org.) Serra de Baturité: uma visão integrada das questões ambientais. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011. 248p.

SOUZA, M. J. N.; OLIVEIRA, V. P. V. Os enclaves úmidos e subúmidos do semiárido do Nordeste brasileiro. Mercator, ano 5, v. 9, p. 85-102, 2006.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREM, 1977. 91p.

Downloads

Publicado

2021-08-28

Como Citar

DE SOUSA LIMA , D. L. .; NUNES CORDEIRO, A. M. .; DE HOLANDA BASTOS, F. . A INFLUÊNCIA MORFOESTRUTURAL NO DESENCADEAMENTO DE MOVIMENTOS DE MASSA NO MACIÇO DE URUBURETAMA, CEARÁ, BRASIL. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 4, n. 7, p. 77–87, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/6925. Acesso em: 23 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos