Produção escrita e letramentos acadêmicos

Educação linguística para a profissionalização de professores de línguas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46230/2674-8266-15-8468

Palavras-chave:

Formação docente, Letramentos acadêmicos, Dialogismo

Resumo

O objetivo deste artigo é propor uma discussão sobre letramentos acadêmicos em um curso de Letras e apresentar estratégias que podem ser implementadas desde o início da formação para minimizar problemas de produção escrita nos alunos ingressos. Foram considerados como corpus: Diários de Leitura, que correspondem à primeira avaliação das disciplinas de Estágio Curricular Supervisionado (ECS) e o Relatório Final de estágio como última avaliação. A metodologia de pesquisa baseia-se na análise dialógica do discurso (BAKHTIN, 2011; 2015) através de atividades linguageiras como instância formativa do pensamento reflexivo (SCHÖN, 1982; 1992) do futuro professor de línguas, a partir das leituras e das atividades práticas realizadas nas disciplinas citadas. Os resultados fornecem hipóteses de como a formação docente dos licenciandos influencia na autonomia acadêmica, permitindo-lhes apropriarem-se de saberes de ordens diversas, através de estratégias e recursos que permitam-lhes teorizar suas próprias práticas docentes, minimizando o distanciamento entre as disciplinas teóricas e as práticas de ensino, se trabalhadas desde a etapa inicial do curso, juntamente com experiências desenvolvidas nas escolas de educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Raymundo Figueiredo Lins Júnior, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Doutor em Linguística (UFPB), Mestre em Linguística Aplicada (UECE), Especialista em Planejamento e Gestão em Educação (UNEB) e em Gestão Cultural (UEVA), com Graduação em Letras - Inglês e Segunda Licenciatura em Língua Portuguesa. Formação em Psicanálise Clínica. Tem experiência como professor de Português como Língua Estrangeira (PLE) e ministra Palestras e Treinamentos na área de Formação Docente, Currículo e Metodologias de Ensino. Atualmente, pesquisa formação de professores de línguas e ensino de línguas sob a perspectiva da educação linguística crítica. De outubro/2021 a setembro/2022, Estágio de Pós-Doutorado em Linguística Aplicada à Formação Docente (PósLA/UECE).

Rozania Maria Alves de Moraes, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Professora Associada do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada (PosLA) da Universidade Estadual do Ceará, atuando nas disciplinas de Prática de Ensino/Estágio Supervisionado de Língua Francesa da licenciatura em Letras, e na linha de pesquisa "Linguagem Tecnologia e Ensino" do PosLA. Possui mestrado em Letras, pela Universidade Estadual do Ceará, doutorado em Ciências da Linguagem, pela Universidade Grenoble III (2005) e pós-doutorado em Ciências da Educação - Ergonomia da Atividade de Profissionais da Educação ? (2012) pela Universidade Aix-Marseille. Fundadora e coordenadora, desde 2010, do Grupo de Estudos LIFT (Linguagem, Formação e Trabalho), realizando estudos sobre a análise da atividade profissional (sobretudo a atividade docente) sustentados nos princípios da Ergonomia da Atividade, da Clínica da Atividade e da Análise Dialógica do Discurso.

Referências

AMORIM, Marília. Para uma filosofia do ato: “válido e inserido no contexto”. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: dialogismo e polifonia. São Paulo: Contexto, 2009. p. 16-43.

BAGNO, Marcos. Curso de Letras? Pra quê? Blog da Parábola Editorial. São Paulo, 19, junho, 2017. Disponível em: https://www.parabolablog.com.br/index.php/blogs/curso-de-letras-pra-que-1. Acesso em: 12 maio 2022.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. (Trad. Paulo Bezerra.). São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. (Trad. Paulo Bezerra.). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

BRASIL. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 201, p. 21082-21085, 16 out. 1996. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=16/10/1996&jornal=1&pagina=50&totalArquivos=96. Acesso em: 10 abr. 2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Ministério da Educação: Brasília, DF, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/ arquivos/pdf/res1_2.pdf. Acesso em: 10 abr. 2022.

BRASIL. Lei nº 12.612, de 13 de abril de 2012. Declara o educador Paulo Freire patrono da educação brasileira. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CXLIX, n. 73, p. 1, 16 abr. 2012. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/36124413/dou-secao-1-16-04-2012-pg-1. Acesso em: 11 abr. 2022.

BRASIL. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 112, p. 21082-21085, 13 jun. 2013. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=59&data=13/06/2013. Acesso em: 23 maio 2022.

FIORIN, José L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: 79. ed. Paz e Terra, [1967]2017.

GARCIA, Jesus Nicasio. Manual de dificuldades de aprendizagem: linguagem, leitura, escrita e matemática. Porto Alegre: Artmed, 1998.

GARCIA, Jesus Nicasio. Dificuldade de aprendizagem e intervenção psicopedagógica. Porto alegre: Artmed, 2004.

GATTTI, Bernardete A. et al. A atratividade da carreira docente no Brasil. In: FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA. Estudos e pesquisas educacionais. Volume 1. São Paulo, p. 139-209, 2010. Disponível em: https://fvc.org.br/wp-content/uploads/2018/04/estudos_e_pesquisas_educacionais_vol_1.pdf. Acesso em: 15 set. 2022.

GOODSON, Ivor F. As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. (Trad. Vera Joscelyn.). 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

JOSSO, Marie-Christine. Les récits de vie et de formation: leurs fonctionnalités em recherches, formation et pratiques sociales. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica. Salvador, v. 5, n. 13, p. 40-55, jan./abr. 2020. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/8419/pdf. Acesso em: 12 maio 2022. DOI: https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n13.p40-54

KLEIMAN, Angela. (Org.) Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

LINS JUNIOR, J. R. F. Educação linguística e formação de professores de línguas crítico-reflexivos: uma análise dos discursos de licenciandos do curso de Letras da UEVA. 2019. 183 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística. CCHLA/UFBA, João Pessoa, 2019.

MOITA LOPES, Luiz. P. Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

PERRENOUD, Philippe et al. (Orgs.). As competências para ensinar no século XXI: a formação de professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PIMENTA, Selma G. O estágio na formação de professores: unidade entre teoria e prática? Cad. Pesq., São Paulo, n. 94, p. 58-73, ago. 1995. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/839/845. Acesso em: 12 maio 2022.

PIMENTA, Selma G. A pesquisa em didática – 1996 a 1999. In: CANDAU, Vera M. (Org.). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. p. 78-106.

PIMENTA, Selma G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, Evandro. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil – gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2012. p. 20-62.

REICHMANN, Carla. O estágio supervisionado como prática de letramento acadêmico-profissional. In: KLEIMAN, Angela; ASSIS, Juliana A. (Orgs.). Significados e ressignificados do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas: Mercado das Letras, 2016. p. 367-389.

ROJO, Roxane H. R. Fazer linguística aplicada em perspectiva sócio-histórica. In: MOITA LOPES, Luiz. P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 253-276.

SCHÖN Donald A. The reflective practioner: how professionals think in action. New York: Basic Books Inc., 1982.

SCHÖN Donald A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: Nóvoa António. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 77-91.

SCHWANDT, Thomas A. Tree epistemological stances for qualitative inquiry: interpretativism, hermeneutics and social constructionism. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 2nd ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2000. p. 189-213.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVA, Carlos Alberto. Leitura e escrita nas séries iniciais do ensino fundamental nas escolas públicas de Olinda/PE. Rev. Int. Investig. Cient. Soc., v. 9, n. 1, p. 57-74, jul. 2013. Disponível em: https://wwwgoogle.com.br. Acesso em: 16 set. 2022.

SOBRAL, Adail. Memória, imprecisões, sentidos: em torno da proposta bakhtiniana dos estudos da linguagem. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 21, n. esp., VIII SENALE, p. 395-432, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/rle/article/view/15184. Acesso em: 05 abr. 2022.

SOBRAL, Adail.; GIACOMELLI, Karina. Observações didáticas sobre a análise dialógica do discurso – ADD. Domínios da Lingu@gem, Uberlândia, v. 10, n. 3, p. 1076-1094, jul./set., 2016. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/33006. Acesso em: 05 abr. 2022. DOI: https://doi.org/10.14393/DL23-v10n3a2016-15

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014. DOI: https://doi.org/10.5212/OlharProfr.v.17i2.0010

TELLES, João A. Trajetória Narrativa: histórias sobre a prática pedagógica e a formação do professor de línguas. In: GIMENEZ, Telma. (Org.). Trajetórias na Formação de Professores de Línguas. Londrina: UEL, 2002. p 15-33.

VYGOTSKY, Lev S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ZEICHNER, Kenneth. El maestro como profesional reflexivo. Cuadernos de Pedagogía, Rioja, Espanha, n. 220, p. 44-49, 1993.

ZEICHNER, K. M.; LISTON, Daniel P. Reflective teaching: an introduction. New Jersey: Lawrence Erlbraum Ass. Publis., 1996.

Downloads

Publicado

2023-04-07

Como Citar

FIGUEIREDO LINS JÚNIOR, J. R.; MORAES, R. M. A. de. Produção escrita e letramentos acadêmicos: Educação linguística para a profissionalização de professores de línguas. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 15, n. 1, p. 52–74, 2023. DOI: 10.46230/2674-8266-15-8468. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/8468. Acesso em: 25 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)