ANÁLISE DOS CONSTRASTES TÉRMICOS EM EPISÓDIOS DE INVERNO E VERÃO EM JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ

Autores

  • Gabriela de Souza Estevão Universidade Regional do Cariri - URCA
  • Gabriella Saraiva de Albuquerque UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI
  • Mirelle Oliveira Silva

Palavras-chave:

Contraste térmico, Temperatura do ar, Temperatura de superfície

Resumo

Este trabalho tem o propósito de desenvolver um mapeamento das diferenças térmicas da temperatura do ar e da temperatura da superfície no município de Juazeiro do Norte em um episódio de inverno e de primavera do ano de 2018. As principais fontes de dados consistem em medições da temperatura do ar móvel noturna e imagens orbitais para estimar a temperatura de superfície. Os dois campos realizados por meio da metodologia de transecto móvel contemplaram os trajetos na direção norte-leste e oeste-leste iniciando-se às 21:00 horas e totalizando 50 minutos, coletando ao total a temperatura do ar de 57 pontos distribuídos no perímetro urbano, mensurados a partir de um termômetro digital de sensor externo com cabo de 2m Icotem e um receptor GPS (Global Positioning System) modelo Garmin Map 76CSX para marcação das coordenadas dos respectivos registros. A temperatura de superfície fora estimada utilizando as imagens orbitais provenientes do satélite Landsat 8, sensor termal TIRS, a partir da transformação de números digitais em radiância e seguidamente em temperatura (ºC) traduzidas em sintaxes que são inclusas na ferramenta calculadora raster no software ArcGis. Os resultados do trabalho mostram que as variações térmicas registraram diferenças de até 5°C no município, demonstrando a amortização que as áreas verdes e com drenagens podem exercer neste ambiente, contrariamente aos ambientes altamente urbanizados. Outro resultado diz respeito a diferença entre a temperatura do ar e de superfície, onde as temperaturas de superfície chegaram a ultrapassar 40°C em ambientes densamente construídos, enquanto a temperatura do ar mensurada através do transecto não ultrapassou os 31°C.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela de Souza Estevão, Universidade Regional do Cariri - URCA

Graduada no curso de Licenciatura Plena em Geografia na Universidade Regional do Cariri (URCA), Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Atua nas áreas da Geografia instrumental e Climatologia Geográfica, com ênfase em Geoprocessamento e Ilhas de calor urbanas. Atualmente é doutoranda do programa de Pós-Graduação em Geografia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e professora substituta junto ao Departamento de Geociências da Universidade Regional do Cariri (URCA) nas disciplinas de Cartografia Básica e Noções em Geotecnologias.

Referências

ALCOFORADO, M. J.; ANDRADE, H.; LOPES, A.; OLIVEIRA, S. A ilha de calor de Lisboa. Aquisição de dados e primeiros resultados estatísticos para aplicação ao ordenamento urbano. Geophilia – o sentir e os sentidos da Geografia, Lisboa, C.G., 2007, pp. 593-162.

AMORIM, M.C.C.T. DUBREUIL,V. CARDOSO, R.S., MODELAGEM ESPACIAL DA ILHA DE CALOR URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE (SP) – BRASIL. Revista brasileira de climatologia. Associação Brasileira de Climatologia – ABClima, 2015.

ARNFIELD A.J. Two decades of urban climate research: a review of turbulence, exchanges of energy and water and the urban heat island. International Journal of Climatology; 23, p. 1-26, 2003.

FERREIRA, A. G. F.; MELLO, N. G. da S. Principais sistemas atmosféricos atuantes sobre a Região Nordeste do Brasil e a influência dos oceanos Pacífico e Atlântico no clima da região. Revista Brasileira de Climatologia, v.1, nº 1, 2005.

FUNCEME. Zoneamento geoambiental do estado do Ceará: Parte II: Mesorregião do sul cearense. Fortaleza, 2006.

GALVANI E., LUCHIARI A. Critérios para classificação de anos com regime pluviométrico normal, seco e úmido. In: VI Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica, 2004, Aracaju. Anais, 2004. p 20-29.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: Como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficina de textos, 2010. 248 p.

LOPES, A. O sobreaquecimento das cidades. Causas e medidas para a mitigação da ilha de calor de Lisboa. In: Territorium, 15: 39‐52. 2009.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1979. 422 p.

RAMPAZZO, C. R., SANT’ANNA NETO, J. L. Clima e qualidade ambiental urbana em alfredo marcondes/sp:análise em episódio de inverno. In: Revista Geonorte, Edição Especial 2, v.2, n.5, p. 194– 206, 2012.

ZANELLA, M. E. Caracterização climática e os recursos hídricos do estado do Ceará. In: SILVA, J. B. da.; DANTAS. E. W.; CAVALCANTE. T. (Org.). Geografia do Ceará: Um novo olhar geográfico. 2. ed. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2007. P. 169-188.

ZAVATTINI, J. A. & BOIN, M. N. Climatologia Geográfica: Teoria e Prática de Pesquisa. Campinas: Alínea, 2013. 150 p.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

ESTEVÃO, G. de S.; DE ALBUQUERQUE, G. S.; SILVA, M. O. ANÁLISE DOS CONSTRASTES TÉRMICOS EM EPISÓDIOS DE INVERNO E VERÃO EM JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 9, n. 17, p. 169–185, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/4080. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)