ATIVIDADES SÍSMICAS NA AMAZÔNIA: LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE TERREMOTOS NA AMAZÔNIA SUL-OCIDENTAL – ACRE – BRASIL

Autores

  • Waldemir Lima Santos Universidade Federal do Acre
  • Cleyton Aguiar Crisóstomo Universidade Federal do Acre
  • Antonio Roney de Figueiredo Barbosa Universidade Federal do Acre
  • Pamela Moura Silva Universidade Federal do Acre
  • Francisco Ivam Castro Nascimento Universidade Federal do Acre

Palavras-chave:

Geomorfologia Estrutural, Neotectônica, Atividade Sismogênica, Acre

Resumo

O estado do Acre apresenta a ocorrência de sismos devido a sua localização periférica aos Andes e sofrer influência direta do encontro da Placa de Nazca e Sul-Americana, refletindo na formação da bacia acreana e na dinâmica das formas de relevo. Com base nos dados do Serviço Geológico Norte-Americano (USGS), foram detectados terremotos no Acre, no entanto, estes não foram tratados especificamente nem suas consequências na superfície. O objetivo desta pesquisa foi catalogar e caracterizar espacial e temporalmente os terremotos ocorridos no Acre, a partir da década de 1950. Inicialmente, fez-se uma ampla revisão da literatura sobre as temáticas abordadas e a catalogação dos eventos a partir da base de dados da USGS. Espacializou-se os eventos sísmicos através de mapeamento com o uso dos softwares. Concluiu-se que o Acre é uma zona sismogênica ativa com a presença de terremotos que atingem a crosta acreana, intensificando-se nos últimos anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ACRE, Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Recursos naturais: geologia, geomorfologia e solos do Acre. ZEE/AC, fase II. Programa Estadual de Zoneamneto Ecológico-Econômico do Acre. Rio Branco: SEMA Acre, 2010.

ALLEN, R. “Os Poucos Segundos que Precedem um Grande Terremoto”, in: Scientific American Brasil, 108, 2011, pp. 38-43.

ARAÚJO-GOMES, J. Deformações em sedimentos finos não Consolidados interpretadas como Sismitos. Finisterra, XLVIII, 95, 2013, pp. 125 138.

ASSUMPÇÃO, M. Terremotos e a convivência com as incertezas da natureza. Revista da USP, São Paulo, n.91, p. 76-89, setembro/novembro, 2011.

BERROCAL, J. et al, Sismicidade do Brasil, Instituto Astronômico e Geofísico Universidade de São Paulo, Ed, Esperança, São Paulo, 1984.

CHRISTOFOLLETI, A. Geomorfologia. 2ª ed. São Paulo: Edgar Blucher, 1981.

GOMES, João Araújo Deformações em Sedimentos Finos não Consolidados Interpretadas como Sismitos. Finisterra, XLVIII, 95, 2013.

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS – IGC. Departamento de Geodésia. Curso de Engenharia Cartográfica. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Disponível em: http://www.ufrgs.br/engcart/Teste/transf_coord_4.php Acesso em 07 Jun./2017.

ISC. International Seismological Centre, EHB Bulletin, Internatl. Seis. Cent., Thatcham, United Kingdom, 2011.

NEUWERTH, R., SUTER F., GUZMAN, C.A., GORIN, G. E. Soft-sediment deformation in a tectonically active area: the Plio-Pleistocene Zarzal formation in the Cauca Valley (Western Colombia). Sediment. Geol., 2006, 186: 67-88.

RHOADS, B.L.& THORN, C.E. (eds.). The scientific nature of geomorphology. New York: John Wiley & Sons Ltd, 1996.

SCOTT, B.; PRICE, S. A revised lithostratigraphy and sedimentology of the Pliocene Burdur formation SW Turkey. Bull. Tech. Univ. Istanbul. Volume 42, 1989, Pages 1-27.

TRZASKOS, B; VESELY, F.F.; ROSTIROLLA, S.P. Eventos Tectônicos Recorrentes Impressos no Arcabouço Estratigráfico do Grupo Itararé na Região de Vila Velha, Estado do Paraná. Boletim Paranaense de Geociências, n. 58, p. 89-104, 2006.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY (USGS). Disponível em: https://earthquake.usgs.gov/earthquakes/map/ Acesso em 30 jul/2016.

Downloads

Publicado

2020-07-21

Como Citar

SANTOS, W. L.; CRISÓSTOMO, C. A.; BARBOSA, A. R. de F.; SILVA, P. M.; NASCIMENTO, F. I. C. ATIVIDADES SÍSMICAS NA AMAZÔNIA: LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE TERREMOTOS NA AMAZÔNIA SUL-OCIDENTAL – ACRE – BRASIL. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 8, n. 15, p. 66–77, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/2164. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)