Modernização conservadora, pedagogia do capital e as reformas educacionais

a crise na educação brasileira

Resumo

O estudo busca analisar as bases da modernização conservadora na educação brasileira. A sistematização do contexto educacional contemplou educação básica e superior perpassando pelo crivo do programa Escola Sem Partido, a Reforma do Ensino Médio, a Base Nacional Comum Curricular, os ataques às universidades públicas e os cortes orçamentários que afetaram diretamente o custeio da educação brasileira. Trata-se de um estudo teórico-bibliográfico, além de abordar um estudo documental. O materialismo histórico-dialético se configura como método de análise no presente texto. O conservadorismo expresso em suas políticas de governo denota a guerra cultural buscando dissolver o pensamento crítico dentro das instituições de ensino básico assim como superior. Esses mecanismos afetam diretamente a concepção de escola democrática, bem como de autonomia universitária.

Biografia do Autor

Alisson Slider do Nascimento de Paula, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutor  em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (PPGE-UECE). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação (GPOSSHE).

Karla Raphaella Costa Pereira, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE).

Frederico Jorge Ferreira Costa, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE-UECE). Coordenador do Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE).

Kátia Regina Rodrigues Lima, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor da Universidade Regional do Cariri (URCA). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE).

Emmanoel Lima Ferreira, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor da Universidade Regional do Cariri (URCA). Pesquisador do Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE).

Referências

ALGEBAILE, E. Escola sem partido: o que é, como age, para que serve. In: FRIGOTTO, G. (Org.) Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.
APPLE, M. W. Educação à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdades. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2003.
BOBBIO, B.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 13ª ed., 2016.
COSTA, F. J. F. et. all. Ensino médio brasileiro no contexto do golpe de estado de 2016. O público e o privado, Fortaleza, v. 14, n. 30, 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 2019.
FERREIRA, G. G. Conservadorismo, fortalecimento da extrema-direita e a agenda da diversidade sexual e de gênero no Brasil contemporâneo. Lutas sociais, São Paulo, v. 20, n. 36, 2016.
GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2019.
IASI, M. De onde vem o conservadorismo? Blog da Boitempo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2019.
LEHER, R. Uma etapa crucial da contrarreforma. Le Monde Diplomatique – Brasil. 3 de novembro de 2016 (p. 6-7). Disponível em: . Acesso em 22 mai. 2019.
LEHER, R. Crise do capital, crise da escola. In: SOUSA JUNIOR, J. A crise na escola. Prefácio. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014. pp. 13-24.
LEHER, R.; VITTORIA, P.; MOTTA, V. Educação e mercantilização em meio à tormenta político-econômica do Brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 1, 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 209.
MIRANDA, M. G. Crise na educação: a retórica conservadora. Retratos da Escola, Brasília, v. 10, n. 19, 2016.
MOTTA, V. C.; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017). Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2019.
MOTTA, V. C.; LEHER, R.; GAWRYSZEWSKI, B. A pedagogia do capital e o sentido das resistências da classe trabalhadora. Ser social, Brasília, v. 20, n. 43, 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2019.
NOZAKI, D. A privatização em “marcha forçada” nos governos Temer e Bolsonaro. Le Monde Diplomatique – Brasil. 14 de maio de 2019. Disponível em: . Acesso em 30 mai. 2019.
SANTOS, F. R. Modernização conservador: fundamentação (neo)liberal para o campo educacional. Revista eletrônica de educação da faculdade de Araguaia, v. 10, n.2, 2016.
SARAIVA, K.; VARGAS, J. R. Os perigos da escola sem partido. Teias, v. 19, n. 51, 2019. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2019.
SEPULVEDA, J. A.; SEPULVEDA, D. Consevadorismo e educação escola: um exemplo de exclusão. Movimento Revista de Educação, v. 3, n. 5, 2016.
SOARES, G. A. O que se esconde por trás do Movimento Brasil Livre (MBL). Esquerda Diário, política, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2019.
Publicado
2019-08-19
Como Citar
de Paula, A., Pereira, K., Costa, F., Lima, K., & Ferreira, E. (2019). Modernização conservadora, pedagogia do capital e as reformas educacionais. Cadernos Do GPOSSHE On-Line, 2(1), 26 - 44. https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v2i1.1539
Seção
Crise da educação em tempos de neoconservadorismo