Tópicos sobre o realismo lukacsiano como método histórico-sistemático

Resumo

O presente artigo visa apresentar apontamentos sobre o método histórico-sistemático a partir das reflexões de Carlos Nelson Coutinho, expor o sistema categorial de Lukács mostrado pelo autor brasileiro, no sentido de afirmar a necessidade do método para o julgamento do realismo em arte. Isso se justifica na tentativa de superar posições reducionistas que afirmam a concepção de arte realista de Lukács, mas que não esclarecem o modo de julgar uma obra de arte, literária, mais especificamente. Ao olvidar o movimento metodológico, corre-se o risco de transformar o realismo num supra conceito desvinculado do movimento do real e que, pré-estabelecido, julga de fora as concreções objetivas artísticas através de parâmetros subjetivos do crítico.

Biografia do Autor

Karla Raphaella Costa Pereira, Universidade Estadual do Ceará

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE).

Frederico Jorge Ferreira Costa, Universidade Estadual do Ceará

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Coordenador do Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE).

Referências

COUTINHO, Carlos Nelson. Literatura e Humanismo: ensaios de crítica marxista. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967.
______. Lukács, Proust e Kafka. Lukács Proust e Kafka: literatura e sociedade no século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
FORTES, Ronaldo Vielmi. As três determinações fundamentais da análise lukacsiana do trabalho: modelo das formas superiores, prioridade ontológica e abstração isoladora. Crítica da ideia da centralidade do trabalho em Lukács. Revista Verinotio - Revista on-line de Filosofia e Ciências Humanas. Ano XI . out./2016 . n. 2.
JAKOBSON, Roman. Do realismo na arte. In: TODOROV, Tzvetan. Textos dos formalistas russos (org.). Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Editora Unesp, 2013. P. 109-122.
LUKÁCS, Georg. Estetica 1 - La peculiaridad de lo estetico. Traducido por Manuel Sacristán. Vol. 1. Barcelona: Ediciones Grijaldo, 1982.
______. Estetica 1 - La peculiaridad de lo estetico. Traducido por Manuel Sacristán. Vol. 2. Barcelona: Ediciones Grijaldo, 1982a.
______. Marxismo e teoria da literatura. São Paulo: Expressão Popular, 2010.
______. Realismo Crítico Hoje. Tradução da edição francesa de Ermínio Rodrigues. Coleção Coordenada-ideias. vol. 1 Brasília: Coordenada-Editora de Brasília Ltda., 1969.
______. Introdução aos escritos de Marx e Engels. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Cultura, arte e literatura: textos escolhidos. São Paulo: Expressão Popular, 2010a. Tradução de José Paulo Netto e Miguel Makoto Cavalcante Yoshida.
SODRÉ, Werneck. História da literatura brasileira. 1º. ed. Rio de Janeiro: Graphia, 2002.
Publicado
2018-10-11
Seção
Dossiê: Lukács