A RELAÇÃO LINGUAGEM E RACISMO NAS CARTOGRAFIAS DO CURRÍCULO DE UMA ESCOLA PÚBLICA

  • Soraia Colaço UECE
  • Claudiana Nogueira de Alencar UNICAMP
Palavras-chave: Currículo, Linguagem, Racismo, Colonialidade, Eurocentrismo

Resumo

Este artigo discute o currículo escolar e a relação entre linguagem e racismo, a partir de uma pesquisa etnocartográfica realizada numa escola pública de Beberibe, estado do Ceará. Tomamos como referencial teórico os estudos decolonialistas e os estudos críticos da linguagem que tecem críticas ao processo de colonialidade e ao eurocentrismo, por estabelecerem desigualdades inerentes às relações sociais, à dominação e à hierarquização do conhecimento. O caminho metodológico pretendeu, por meio da escuta dos diversos participantes da pesquisa cartográfica, acompanhar processos e afetos, tendo a observação participante como técnica primeira. Como resultado, percebemos o currículo, para além da colonialidade do saber, como espaço de disputa de poder, em que significados e identidades se constroem em relações de conflito. Na diversidade da escola, a princípio tida como obstáculo, várias possibilidades de construir alternativas ao modelo eurocêntrico de conhecimento se desenham para nos permitir pensar em uma educação que supere a crueldade das práticas racistas e desiguais, engendradas por meio da violência linguística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, Claudiana. Na Periferia dos estudos da linguagem: Práticas culturais discursivas do Movimento Sem Terra. Passagens. v. 6, n. 1, 2015.
APPLE, Michael W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, Antônio Flavio; SILVA, Tomaz Tadeu da (Orgs.). Currículo, Cultura e Sociedade. Tradução de Maria Aparecida Baptista. 2.ed. Revista. São Paulo: Cortez, 1995.
ARROYO, Miguel. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
FANON, Frantz. Peles Negras, Máscaras Brancas. Tradução deRenato da Silveira. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2008.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 13.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.
MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Revista Sociedade e estado. Brasília,v.31, n.1, p. 75-97, 2016 . Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.
MOORE, Carlos. Racismo e Sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. 2.ed. ampl. Belo Horizonte: Nandyala, 2012.
MUNANGA, Karbengele, organizador. Superando o Racismo na Escola. Brasília: MEC, 2005.
______. Negritude: usos e sentidos. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
______.O que é africanidade. Vozes da África. Biblioteca Entre Livros. Duetto, ed. especial, n.6, 2007.
OLIVEIRA, Luíz Fernandes de; CANDAU Vera Maria Ferrão.Pedagogia descolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista. v.26, n.1, Belo Horizonte, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.
PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas, ColecciónSurSur CLACSO. Ciudad Autónoma de Buenos aires, Argentina, setembro, 2005. p.227-278. Disponível em: . Acesso em: 10maio 2015.
SILVA, Daniel do Nascimento; ALENCAR, Claudiana Nogueira de. A propósito da violência na linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas, Jul./dez., 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.
SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como Fetiche: a poética e a política do texto curricular. 1.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
Publicado
2019-09-23
Como Citar
COLAÇO, S.; DE ALENCAR, C. A RELAÇÃO LINGUAGEM E RACISMO NAS CARTOGRAFIAS DO CURRÍCULO DE UMA ESCOLA PÚBLICA. Revista Linguagem em Foco, v. 8, n. 2, p. 77 - 88, 23 set. 2019.