FISCALIZAR COM FLUIDEZ: O NÓ LOGÍSTICO ADUANEIRO DE FOZ DO IGUAÇU-PR E O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO

Autores

  • Roberto França Da Silva Junior

Palavras-chave:

logística territorial, portos secos, nós logísticos, Foz do Iguaçu (PR), circulação

Resumo

A circulação, no atual período histórico, não é realizada apenas por meio de técnicas que viabilizam a movimentação de mercadorias e informações, mas por normas e instituições que regulam, organizam e potencializam esses fluxos. Essas condições técnico-normativas estão reunidas nos portos secos, nós logísticos alfandegados capazes de viabilizar a fluidez necessária a determinados circuitos espaciais de produção, ao mesmo tempo que servem ao controle fiscal. A atuação do porto seco como nó de circuitos espaciais nos põe a pensar o território usado como um recurso para os agentes corporativos, cuja atuação se dá em consonância com o estado, sendo a logística territorial uma materialização dessa relação e do conhecimento das empresas a respeito do território, com todas as suas normas, seus limites, seus trunfos etc. Tendo em vista essas questões, o objetivo deste artigo é analisar o porto seco de Foz do Iguaçu-PR e a importância crescente dos nós logísticos aduaneiros nos processos tributários e, sobretudo, com o incremento de elevada densidade técnico-normativa-informacional. Com esses elementos postos em discussão, constata-se que o porto seco rodoviário de Foz do Iguaçu incorporou técnicas e normas que capacitaram o nó logístico aduaneiro em elevar fluidez, garantindo fluidez aos circuitos espaciais de produção, ao mesmo tempo em que ampliou o controle fiscal, assegurando uma importante arrecadação para o estado, auferindo lucros com o aumento da movimentação de caminhões. A ideia é fiscalizar com fluidez, em uma regulação híbrida do território entre estado e corporação que detém a concessão, demarcando normas, tentando estabelecer poder sobre os fluxos em meio à uma conflituosa dinâmica de fronteira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTAS JR., Ricardo Mendes. Território e regulação: espaço geográfico, fonte material e não‐formal do direito. São Paulo: Humanitas, 2005.

ARROYO, Mónica. Fluidez e porosidade do território brasileiro no contexto da integração continental. In: SILVEIRA, María Laura (Org.). Continente em chamas: globalização e território na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. pp. 210‐242.

CASTILLO, Ricardo e FREDERICO, Samuel. Dinâmica regional e globalização: espaços competitivos agrícolas no território brasileiro. In: Mercator. v. 9, n. 18, jan./abr, 2010. pp. 17-26. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/viewFile/330/265>.

CENTRAL BRASILEIRA DE NOTÍCIAS (CBN). Porto Seco de Foz do Iguaçu bate recorde de movimentação em 2013. Disponível em: <http://noticias.cbnfoz.com.br/noticias-de-foz-do-iguacu/editorial/foz-do-guacu/10052013-24134-porto-seco-de-foz-do-iguacu-bate-recorde-no-tempo-de-liberacao-dos-veiculos>. Acesso em 11/05/2013.

ESTUDOS TERRITORIAIS BRASILEIROS. O papel ativo da Geografia: um manifesto. In: BRANDÃO, Maria de Azevedo (Org.). Milton Santos e o Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

MONIÉ, Frederic. Desenvolvimento territorial nas cidades-porto da América do Sul. In: 12º Encuentro de Geografos de America Latina, 2009, Montevidéu. Anais…, 2009. Disponível em: <http://egal2009.easyplanners.info/area01/1051_Frederic_Moine.pdf>. Acesso em 02/11/2012.

RECEITA FEDERAL. Brasília: Online, 2012. Apresenta informações sobre os Portos Secos (Recintos Alfandegados). Disponível em: <http://www.receita.fazenda.gov.br/aduana/LocaisRecintosAduaneiros/PortosSecos/Default.htm>. Acesso em: 15 nov. 2012.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico internacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: Técnica e tempo. Razão e emoção. 4 ed. São Paulo: Edusp, 2004.

SANTOS, Milton e SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 9 ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SILVA JUNIOR, Roberto França. Circulação e logística territorial: a instância do espaço e a circulação corporativa. Tese (Doutorado em Geografia). Presidente Prudente: Unesp, 2009.

SILVA JUNIOR, Roberto França. Value chains and goods flow management in Brazil: reflections on territorial logistics. In: Terrae, v.8, n.1-2, 2011. pp. 43-51.

Downloads

Publicado

2021-08-28

Como Citar

DA SILVA JUNIOR, R. F. . FISCALIZAR COM FLUIDEZ: O NÓ LOGÍSTICO ADUANEIRO DE FOZ DO IGUAÇU-PR E O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 4, n. 7, p. 88–102, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/6926. Acesso em: 23 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos