A climatologia geográfica e suas aplicações no estudo da paisagem

Autores

  • Estevão Conceição Gomes Junior Universidade Estadual de Londrina

Palavras-chave:

Geografia Fisica, Ritmo climático, Análise da paisagem

Resumo

Ao longo do processo evolutivo das espécies, as condições climáticas foram essenciais para a manutenção da vida e surgimento de novas formas de existência. Dentro desse contexto, a ciência geográfica, pelo viés da climatologia geográfica passou a utilizar de preceitos estudados na Meteorologia para compreender a influência das variáveis meteorológicas/climáticas/atmosféricas na organização social e entendimento das paisagens naturais e antrópicas. Assim, o presente estudo tem como objetivo traçar um panorama cronológico do entendimento das variáveis meteorológicas/climáticas/atmosféricas pelas sociedades e suas atuais aplicações para o estudo da paisagem. Para tanto, adotou-se como método de análise a pesquisa documental, baseada em relatos, dissertações e teses publicadas desde 1902 a 2019 que elucidam os primeiros relatos da humanidade que utilizam as variáveis meteorológicas-climáticas/atmosféricas para entendimento da paisagem. Como resultados, observou-se a utilização do conceito de chuva, natureza e calor como definidores das paisagens vividas e observadas, e a partir da segunda metade do século XX a adoção de variáveis meteorológicas/climáticas/atmosféricas combinadas dentro do grande campo na climatologia geográfica conhecida como análise rítmica. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AYOADE, J.O. Introdução à climatologia para os trópicos. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro 332p. 1996.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BAUER, C.J. Fields in historical and economic geography of the United States: water resources policy and management. Dissertation (Master in Geography) - University of Wisconsin, Madison, 1988. 90p.

BLAIN, G.C. Tendências e variações climáticas em séries anuais de precipitação pluvial do Estado de São Paulo. Bragantia, São Paulo, v.69, p.765-770, 2010.

BRANDÃO, C.A. Telecomunicações e dinâmica regional no Brasil. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Educação. 188p. 1996.

CAMPOS, R.R. A escola alemã de geografia. GEOGRAFIA, Rio Claro, Vol. 26(2): 9-67, 2001.

DE GEER, S. Das geologische Fennoskandia und das geographische Baltoskandia, Svenska Sällskapet för Antropologi och Geografi (SSAG), 1928.

EIBEN, C. E. Verzeichniß der auf der ostfriesischen Insel Norderney wachsenden Laubmoose Hedwigia, Dresden, 1867.

ELY, D.F. Teoria e método da climatologia geográfica brasileira: uma abordagem sobre seus discursos e práticas. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista ‘‘Júlio de Mesquita Filho’’. Departamento de Geografia, Presidente Prudente. 208p. 2006.

GODOY, S.G.M. O Protocolo de Kyoto e os países em desenvolvimento: uma avaliação da utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) - Universidade de São Paulo, Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental, São Paulo, 2010. 211p.

ENRIQUEZ, A.R. Physical and economic impacts due to sea level changes and wind-waves around the balearic islands. Tese (Doutorado em Física ) - University of Balearic Islands, 2019. 134p.

GOMES, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In.: DESLANDES, S. F; GOMES, R.; MINAYO, M. C. S.(org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 26 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 79-108, 2007.

GRANÖ, J.G. Reine Geographie: eine methodologische Studie beleuchtet an Bespielen aus Finnland und Estland. Acta Geographica, v. 2, 1929.

HANN, J.F. Handbuch der Klirnatologie. Wien, 1882. 764p.

HUMBOLDT, A. V. Ideen zu einer Geographie der Pflanzen nebst einem Naturgemälde der Tropenländer. Tübingen, Paris, 1807. 182p.

IPCC. Climate Change: Impacts, Adaptation and Vulnerability. Contribution of Working Group II to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, M.L. Parry, O.F. Canziani, J.P. Palutikof, P.J. van der Linden and C.E. Hanson, Eds., Cambridge University Press, Cambridge, UK, 2007. 976p.

IPCC. Climate Change: Impacts, Adaptation and Vulnerability. Seveth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, M.L. Parry, O.F. Canziani, J.P. Palutikof, P.J. van der Linden and C.E. Hanson, Eds., Cambridge University Press, Cambridge, UK, 556pp. 2019.

MENDONÇA, F. A.; DANNI-OLIVEIRA, I.M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos. 208p. 2007.

METZGER, J.P. O que é ecologia das paisagens? Rev. Biota Neotropica, v. 1, nº 2, 2001.

MIRANDA, I.C. O Acordo de Paris e a cooperação transacional para o enfrentamento das mudanças climáticas. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Florianópolis, 2018. 160p.

MONTEIRO C. A. de F. O clima e a organização do espaço no estado de São Paulo: problemas e perspectivas. São Paulo: IGEOG/USP, 1976. 54p.

MONTEIRO, C.A.F. A Frente Polar Atlântica e as Chuvas de Inverno na Fachada Sul Oriental do Brasil (Contribuição metodológica à análise rítmica dos tipos de tempo no Brasil). São Paulo: IGEOG/USP, 1971.

MONTEIRO, C.A.F. O Estudo Geográfico do Clima. In: Cadernos Geográficos. Florianópolis: CFH/Departamento de Geociências. Ano 1, n°1, 1999.

MORAES A. C. Licenciatura em ciências sociais e ensino de sociologia: entre o balanço e o relato. Tempo social, v.15, nº.1. São Paulo: p. 1-16, 1999.

OGASHAWARA, I. Análise rítmica e a climatologia geográfica brasileira. Revista Geoaraguaia, [S.l.], dec. 2012. ISSN 2236-9716, 2012.

OMM, 2012. World Meteorological Organization Regional. Climate changes. Association VI Conference on Social and Economic Benefits (SEB) of Weather, Climate and Water Services. 2012.

RIBEIRO, A.G. As escalas do clima. Boletim de Geografia Teorética, v.23, 288-294. 1993.

RITTER, K. Geographisch-historisch-topographische. Beschreibung zu K. W. Kummer’s Stereorama oder Relief des Montblanc-Gebirges und dessen nächster Umgebung. Karl Wilhelm Kummer, Berlin, 1824.

ROSSATO, R. Cidades brasileiras: a urbanização patológica. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v.7, p.23-32, 1993.

SANT´ANNA NETO, J.L. Da climatologia geográfica à geografia do clima gênese, paradigmas e aplicações do clima como fenômeno geográfico. Revista da ANPEGE, [S.l.], v. 4, n. 04, p. 51-72, jul. 2017. ISSN 1679-768X, 2008.

SANT’ANNA NETO, J.L. História da climatologia no Brasil: gênese e paradigmas do clima como fenômeno geográfico. Tese (Livre Docência em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente. 2001. 169p.

SANTOS, M. A redescoberta da Natureza. Estudos Avançados, v.6 nº.14 São Paulo: 1992.

SILVA, L.R.C.; DAMACENO, A.D.; MARTINS, M.C.R.; SOBRAL, K.M.; FARIAS, I.M.S. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. IX Congresso Nacional de Educação - EDUCERE. In: III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, 2009.

SOBRINHO, J.F. O relevo: elemento e âncora na dinâmica da paisagem do Vale, verde e cinza, do Acaraú, no Estado do Ceará. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia, 2006. 300p.

SORRE, M. Les fondaments de la geographie humaine: les fondaments biologiques 3. Ed Paris: Librarie Armand Colin. 1957.

SORRE, M. Les fondements de la geographie humaine. Tome III, L’Habitat.Paris: Librarie Armand Colin. 1952. 494p.

SOUZA, E. S. Determinantes das emissões de CO2 nos países signatários do Protocolo de Quioto: o impacto da energia renovável e não renovável. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Universidade de Brasília, Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis, Brasília, 2018. 109 p.

SPRINGER, K. Considerações acerca da geografia de Alexander von Humboldt. Rev. RA’E’GA, Curitiba, n. 18, p. 7-22, 2009.

SUERTEGARAY, D. M. A; NUNES, J. O. R. A natureza da Geografia Física na Geografia. Terra Livre, v. 2, n. 17, p. 11-24, 2001.

TADDEI, R. Oráculos da chuva em tempos modernos: mídia, desenvolvimento econômico e as transformações na identidade social dos profetas do sertão. In: MARTINS, K. P. H. (Org.). Profetas da chuva. Fortaleza: Tempo d'Imagem, p. 161-170. 2006.

TARIFA, J. R.; AZEVEDO, T. R. Os climas na cidade de São Paulo: teoria e prática. [S.l: s.n.], 2001.

TORLA, R.F. Economic evaluation of selected landscape characteristics as determinants of suburban land use. Thesis (PhD in Geography) - University of Massachusetts, Amherst, 1977. 89 p.

TROPPMAIR, H. Sistemas/Geossistemas/Geossistemas Paulistas. Ecologia da Paisagem. Edição do autor. Rio Claro, 2004. 130 p.

VASQUES, H.S. Tempo meteorológico e ritmo climático: efeitos sobre a morbidade e a mortalidade causadas por doenças cardiovasculares no município de Goiânia - GO. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Socioambientais, Programa de Pós-Graduação em Geografia. 2021. 217 p.

VITTE, A.; SILVEIRA, R. Considerações sobre os conceitos de natureza, espaço e morfologia em Alexander Von Humboldt e a gênese da Geografia Física moderna. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 14(1), 77-94. 2010.

VITTE, P.; MANENTI, F.; PIERUCCI, S. Dynamic simulation of concentrating solar plants. Rev. Chemical Engineering Transactions, p.23-34. 2012.

ZAVATTINI, J.A. Les études du rythme climatique du Brésil au cours de la période 1971-2000. In: Colloque de l’Association Internationale de Climatologie, 18, 2005, Gênes, Actes, AIC, p.317-320, 2005.

ZAVATTINI, J.A. O tempo e o espaço nos estudos do ritmo do clima no Brasil. Revista Geografia, AGETEO, Rio Claro, v. 27, n. 3, p. 101-131, 2002.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

CONCEIÇÃO GOMES JUNIOR, E. A climatologia geográfica e suas aplicações no estudo da paisagem. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 10, n. 19, p. e202109, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/5396. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos