CARACTERIZAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO DE GRANIZO EM RIO GRANDE/RS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A GRANIZADA EM SETEMBRO DE 2015 E SEUS EFEITOS

Autores

Palavras-chave:

Precipitação Sólida, Risco Ambiental, Geotecnologia

Resumo

O artigo apresenta uma caracterização sobre a granizada ocorrida nos dias 21, 22, 23 e 24 de setembro de 2015 no município do Rio Grande/RS, a fim de criar subsídios para mapear o risco ambiental diante da precipitação de granizo. Com ênfase na análise dos mecanismos meteorológicos que causaram o evento extremo, discussões sobre o risco e seus efeitos e apresentação das ações da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil.  Foram utilizados relatórios do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, relatórios internos da Coordenadoria Municipal e de pareceres técnicos da Prefeitura Municipal do Rio Grande para quantificar as avarias. As cartas sinóticas foram disponibilizadas pelo Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e utilizadas para identificar a localização e os mecanismos meteorológicos. As imagens do sensor de realce do satélite GOES foram usadas para identificar o sistema de baixa pressão que favoreceu a formação da precipitação sólida e a mensuração da temperatura de topo de nuvem. No programa QGIS foram espacializados os endereços dos pedidos de auxílios à Defesa Civil e gerado o mapa da renda per capita da população. Os danos causados pelo granizo foram maximizados pela consonância com os fortes ventos e chuvas intensas, prejudicando cultivos agrícolas, danificando os telhados, perdas de bens pessoais e interrompendo vias de acesso nas ilhas do município e em alguns trechos da BR392. As populações mais vulneráveis economicamente foram as mais afetadas pelo evento extremo, visto que possuem residências mais vulneráveis e menor capacidade financeira de custear as despesas oriundas da precipitação sólida. Adicionalmente, a Coordenadoria realizou a prestação de socorro e distribuição de materiais de reparo à população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Cavalcanti Gautério, Universidade Federal do Rio Grande

Geógrafa pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Técnica em Geoprocessamento pelo Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Rio Grande (IFRS-RG) e Técnica em Meio Ambiente pela Faculdade Anhanguera do Rio Grande. Atualmente, é graduanda em Geografia Licenciatura pela FURG e mestranda em Geografia, também, pela FURG. 
As Áreas de interesse se concentram em: Geografia Física, Sistemas Naturais e Ambientais, Geotecnologias e Geoprocessamento. Atua como colaboradora externa do Programa Geotecnologias na Gestão Municipal do IFRS-RG e participa do Projeto de Extensão Sistemas de Inteligência Territorial e suas aplicações em Cadastros Multifinalitários: Estudo de Caso no Município de Rio Grande (IFRS-RG).

Éder Leandro Bayer Maier, Universidade Federal do Rio Grande

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande (2006), mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande (2009) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2014). Atualmente é professor da Universidade Federal do Rio Grande. Realizei o estágio de doutorado sanduíche no exterior em Buenos Aires, na Armada Argentina. Tenho experiência na área da Geografia Física, com ênfase na Climatologia, atuando em investigações sobre a distribuição espacial e temporal da precipitação na América do Sul e suas relações com dados paleoclimáticos.

Referências

BARRY, R. G.; CHORLEY, R. J. Atmosfera, Tempo e Clima. 9 ed. Porto Alegre: Bookman, 2013. 1-325p.

BENTO, D. F. Análise da Queda de Granizo em Guarulhos-SP e seus Impactos Socioeconômicos. Trabalho de Conclusão de Curso em Geografia – Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho/Rio Claro – SP, 2011, 63p.

BERLATO, M. A.; DE MELO, R. W.; FONTANA, D. C. Risco de Ocorrência de Granizo do Estado do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia. v.8, n.1, 2000, p. 121-132.

Brasil. Decreto nº 13.552 de 23 de setembro de 2015. Declara situação de emergência na área do município atingida por chuva de granizo (COBRADE 1.3.2.1.3) no dia 21 de setembro do corrente ano. Prefeitura Municipal do Rio Grande: Rio Grande, RS, ano 2015, p. 1-2, 23 ago. 2020.

BRASIL. Instrução Normativa nº 02 de 20 de dezembro de 2016. Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos Municípios, Estados e pelo Distrito Federal. Congresso Nacional: Brasília, DF, ano 2016, p. 1-23, 23 jul. 2020.

CEPED – Centro Universitário de Estudos e Pesquisas Sobre Desastres. Capacitação em Gestão de Riscos. 2ed. – Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016. 1-44p.

COBRADE – Classificação e Codificação Brasileira de Desastres. Tabela de Classificação de Desastres. 2012. Disponível em: < https://www.bombeiros.go.gov.br/wp-content/uploads/2012/06/1.-89Codifica%C3%A7%C3%A3o-e-Classifica%C3%A7%C3%A3o-Brasileira-de-Desastres-COBRADE2.pdf >. Acesso em 23 de jul. de 2020.

GRIMM, A. M. Clima da Região Sul do Brasil. In: Tempo e Clima no Brasil. [orgs.] Iracema F. A. Cavalcanti et al. – São Paulo: Oficina de Textos, 2009. 259-275p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Base de Informações do Censo Demográfico 2010: Resultados do universo por setor censitário. 2010, 201p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades - IBGE. 2020. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br>. Acesso em 22 de Jun de 2020.

KRUSCHE. N.; SARAIVA. J.M.; REBOITA. M. Normais Climatológicas Provisórias de 1991 a 2000 para Rio Grande, RS. Rio Grande, editora da UFSM, 2002, 75p.

MACHADO, P. J. de O.; TORRES, F. T. Introdução à Hidrogeografia. São Paulo: Cengage Learning, 2012, 192p.

MOTA, G. S. Da. A Gênese do Risco Sob a Ótica das Dinâmicas Naturais e Humanas: erosão costeira nas orlas urbanizadas de Águas Dulces/Uruguai e Hermenegildo/Brasil. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Rio Grande/RS, 2017. 1-40p.

RADAM/BRASIL. Folha SH.22 Porto Alegre e Parte das Folhas SH.21 Uruguaiana e SI.22 Lagoa Mirim: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. – Rio de Janeiro: IBGE, 1986. 796p

REBOITA, M. S., et al. Entendendo o Tempo e o Clima na América do Sul. Revista Terra e Didática, vol. 8, n. 1, p. 34-50, 2012.

ROSSATO, M. S. Os Climas do Rio Grande do Sul: variabilidade, tendências e tipologia. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2011, 78-189p.

SINPDEC – Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil. Formulário de Informações do Desastre. 05 de Out de 2015. Disponível em: <https://s2id-search.labtrans.ufsc.br/>. Acesso em: 23 de Jun de 2020.

S2ID – Sistema Integrado de Informações Sobre Desastre. Arquivo Digital. Disponível em: < https://s2id-search.labtrans.ufsc.br/>. Acesso em: 23 de Jun de 2020.

TAVARES, R. Clima, Tempo e Desastres. In: TOMINAGA, L. K.; SANTORO, J.; AMARAL, R. Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009, p. 111-146.

WMO – World Meteorological Organization. The global climate 2011-2015: heat records and high impact weather. 2016. Disponível em: <https://public.wmo.int/en/media/press-release/global-climate-2011-2015-hot-and-wild>. Acesso em 14 de Jun de 2020.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

GAUTÉRIO, B. C.; BAYER MAIER, Éder L. CARACTERIZAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO DE GRANIZO EM RIO GRANDE/RS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A GRANIZADA EM SETEMBRO DE 2015 E SEUS EFEITOS. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 10, n. 18, p. 135–152, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/4190. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos