ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO (RDE) COMO SUPORTE PARA ANÁLISE ESTRUTURAL NA BACIA DO RIO CAMARAGIBE MIRIM - AL

Autores

  • Adsson Andre da Silva Gomes Instituto de Geografia Desenvolvimento e Meio Ambiente
  • Nivaneide Alves de Melo Falcão
  • kleython Araujo Monteiro

Palavras-chave:

Geomorfologia estrutural, Morfometria, Planalto da Borborema

Resumo

A geomorfologia do Nordeste brasileiro é notadamente marcada por estruturas deformacionais dúcteis e rúpteis impressas no embasamento cristalino pré-cambriano, essas estruturas são representadas por um conjunto de morfologias desenvolvidas em zonas de falhas herdadas da estruturação pré-cambriana. O presente trabalho objetivou a identificação de rupturas de patamar, analisando o índice RDE em conjunto com a geologia e as formas de relevo atuais da bacia hidrográfica do Rio Camaragibe Mirim-AL. Foram utilizados dados SRTM do projeto TOPODATA. Foi calculado o índice de Relação Declividade – Extensão (RDE) para cada cota altimétrica da bacia com intervalo de 25 metros. Os cálculos mostraram trechos de pontos anômalos em intervalos altimétricos semelhantes nos rios escolhidos, evidenciando rupturas de patamar entre superfícies estruturais mencionadas anteriormente na literatura, planalto da Borborema (450 -300 m), superfície escarpada (300-200 m) e Depressões periféricas mesozoicas (50 m). O estudo evidenciou o antigo controle estrutural no modelamento do relevo na bacia hidrográfica do Rio Camaragibe Mirim, mostrando evidências de intervalo entre estruturas evidenciadas pela literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SABER, A. N. Depressões periféricas e depressões semiáridas no Nordeste do Brasil. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 22, p. 3-18, 1956.

AB’SABER, A. N. O Planalto da Borborema na Paraíba. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 13, p. 54-73, 1952.

CARVALHO, G. S. Relatório de Balanço de Disponibilidade x Demanda de Recursos Hídricos na região hidrográfica do Rio Camaragibe. Semarh, 26 f., 2004.

ETCHEBEHERE, M. L.; SAAD, A. R.; FULFARO, V. J.; PERINOTTO, J. A. J.. Aplicação do Índice “Relação Declividade-Extensão – RDE” na Bacia do Rio do Peixe (SP) para detecção de deformações Neotectônicas. Revista do Instituto de Geociências - USP, v. 4, N. 2, p. 43-56, outubro de 2004.

ETCHEBEHERE, M. L., SAAD, A. R., FULFARO, V. J.; PERINOTTO, J. A. J. Detecção de prováveis deformações neotectônicas no vale do rio do peixe, região ocidental paulista, mediante aplicação de índices RDE (Relação DeclividadeExtensão) em seguimentos de drenagem. Revista de Geociências. v. 5, n.3, p. 271-287, 2006.

MAIA, R. P.; BEZERRA, F. H. R. Condicionamento Estrutural do Relevo no Nordeste Setentrional Brasileiro. Mercator, Fortaleza, 2014.

MONTEIRO, K. A.; TAVARES, B. A. C.; CORREA, A. C. B. Aplicação Do Índice De Hack No Rio Ipojuca Para Identificação De Setores Anômalos De Drenagem E Rupturas De Relevo. São Paulo, UNESP, Geociências, v. 33, n. 4, p.616-628, 2014.

SEEBER, L.; GORNITZ, V. River profiles along the Hymalaian arc as indicators of active tectonics. Elsevier Scientific Publishing Company, Amsterdam, p. 335-367, 1983.

SOUZA, D. V.; MARTINS, A. A. : FARIA, A. L .L. Aplicação do Índice de Hack (SL) a Um Trecho do Rio Zêzere, Portugal. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 12, n. 1, 2011.

VALERIANO, M. M. Modelo digital de variáveis morfométricas com dados SRTM para o território nacional: o projeto TOPODATA. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005, Goiânia, GO. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. p. 1-8. 2005.

Downloads

Publicado

2020-07-21

Como Citar

DA SILVA GOMES, A. A.; FALCÃO, N. A. de M.; MONTEIRO, kleython A. ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO (RDE) COMO SUPORTE PARA ANÁLISE ESTRUTURAL NA BACIA DO RIO CAMARAGIBE MIRIM - AL. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 9, n. 2 Especial, p. 110–121, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/2193. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos