USO DO MÉTODO DO POLÍGONO DE MUDANÇA PARA CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO DA LINHA DE COSTA DO MUNICÍPIO DO RIO GRANDE, ENTRE OS ANOS DE 2004 A 2018

  • Miguel da Guia Albuquerque, Dr. Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Rio Grande
  • Thais Ferreira da Conceição, Msc. Universidade Federal do Rio Grande
  • Jean Marcel de Almeida Espinoza, Dr. Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Rio Grande
Palavras-chave: Gestão municipal, Áreas de retrogradação, Sensoriamento remoto

Resumo

O presente estudo visa caracterizar as modificações ocorridas na orla península da cidade do Rio Grande, Rio Grande do Sul, entre os anos de 2004 a 2018. A partir dos dados de deslocamento das margens do entorno da cidade, obtidos através de sensores orbitais, foi possível caracterizar quais localidades estão suscetíveis a processos de retrogradação e progradação. Utilizando o método do polígono de mudança foi possível elaborar mapas temáticos onde são apresentadas as informações referentes ao deslocamento linear da orla da cidade do Rio Grande em mesoescala. Como resultados se têm que as maiores taxas de retrogradação nos últimos 14 anos têm sido evidenciadas na porção da orla situada ao norte da cidade. Nas localidades abrigadas pelo Saco da Mangueira tem se observado uma predominância nos processos de deposição. Um conhecimento das localidades mais suscetíveis a retrogradação da orla da cidade do Rio Grande, além de ser um indicativo para as avaliações das áreas com maior potencial a inundação na cidade pode contribuir para um futuro planejamento e ocupação da orla da região. Informações referentes às localidades suscetíveis a movimentação linear, bem como as regiões que apresentam uma maior ou menor suscetibilidade a inundações ocasionadas por elevação de nível da Lagoa dos Patos, poderão servir de subsídio e ferramenta estratégica para os gestores municipais, no planejamento de ações de mitigações relacionadas a eventos de inundação.

Publicado
2020-09-23