Mobilidade cotidiana e o corpo gordo:

reflexões a partir das lógicas fragmentárias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59040/GEOUECE.2317-028X.v13.n24.e202402

Palavras-chave:

Fragmentação socioespacial, mobilidade cotidiana, corpo gordo

Resumo

O processo de fragmentação socioespacial tem desvelado uma série de novos estudos destinados a compreender o espaço urbano e a cidade, sendo estes fundamentais para que possamos dialogar sobre como a (re)produção do espaço urbano tem sido entendida a partir das lógicas fragmentárias. Diante disso, é possível pontuarmos que esta pluralidade de frentes analíticas permite que façamos outras compreensões sobre as citadinas e citadinos residentes em cidades (re)produzidas pela fragmentação socioespacial. Compreende-se que, o referido processo, supera as estruturas urbanas e afeta as relações socioespaciais de forma direcionada. Assim sendo, propomos dialogarmos no sentido de entender como a fragmentação socioespacial afeta a mobilidade, esta na dimensão cotidiana, da população gorda nas cidades médias, em um ensaio teórico sobre o tema. Indicamos haver uma invisibilização desses corpos gordos no contexto fragmentário, suscitando debates que iluminem a representatividade que eles possuem no contexto urbano, já que também são parte da (re)produção do espaço urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Felipe César Augusto Silgueiro dos Santos, FCT/UNESP - Câmpus Presidente Prudente/SP

Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Estadual Paulista (PPGG - FCT/UNESP) - Campus de Presidente Prudente. Licenciado e Bacharel pela mesma instituição de ensino superior. Atualmente é doutorando pelo PPGG - FCT/UNESP

Gustavo Santana da Silva , FCT/UNESP - Câmpus de Presidente Prudente/SP

Graduando em Geografia na Faculdade de Ciências e Tecnologia, da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Bolsista de apoio técnico no GAsPERR (Grupo de Pesquisa sobre Produção do Espaço e Redefinições Regionais), pesquisador ICSB - PROPe/UNESP trabalhando os temas de fragmentação socioespacial, mobilidade urbana e o corpo gordo.

Referências

ARBUCIAS, J. S. Movilidad residencial: Procesos demográficos, estrategias familiares y estructura social. 2003. 537 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidad de Granada

CAMPOS, M. P. SILVA, J. M. “Teu corpo é o espaço mais teu possível”: Construindo a análise do corpo como espaço geográfico. Revista da ANPEGE, v. 16, n. 31, p. 101- 114, 2020. https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i31.107503

FERNANDES, J. S., CATELAN, M. J. Cidades médias e as expressões da hierarquia-heterarquia no sistema urbano brasileiro. Mercator, v.22, p. 1 - 17, 2023. https://doi.org/10.4215/rm2023.e22013

FOUCAULT, M. Direito de morte e poder sobre a vida. In:______. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988, p. 127 – 149.

FURTADO, R. N., CAMILO, J. A. O. O conceito de biopoder no pensamento de Michel Foucault. Revista Subjetividades, v. 16, n. 3, p. 34 - 44, 2016.

GROZS, E. Bodies-Cities. In::______. Space, time and perversion: Essays on the politics of bodies. Nova York. Routledge. 1995, p. 241 - 253

HISSA, C. E. V., NOGUEIRA, M. L. M. Cidade-corpo. Revista da UFMG, v. 20, n. 1, p 54 - 77, 2013.

JIMENEZ, M. L. J. Filosofia gorda: Por epistemologias engorduradas. In: Congresso Pesquisa Gorda: Ativismo, estudo e arte, 1, 2022, Rio de Janeiro/RJ. Anais do I Congresso Pesquisa Gorda: Ativismo, estudo e arte, 1, 2022, Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.even3.com.br/anais/congressopesquisagorda2022/ Acesso em 17/08/2023

LEFEBVRE, H. The production of Space. Oxford: Blackwell, 1991.

LEGROUX, J. A lógica urbana fragmentária: delimitar o conceito de fragmentação

socioespacial. Caminhos de Geografia, v. 22, n. 81, 2021 p. 235– 248. https://doi.org/10.14393/RCG228155499

_____. A triplicidade do espaço e das práticas cotidianas de mobilidade para o estudo da fragmentação socioespacial. GEOgraphia, v. 23, n. 51, p. 1 - 19, 2021. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2021.v23i51.a47518

LINDON, A. Geografías de la vida cotidiana. In: LINDÓN, Alicia; HIERNAUX, D. (Ed.). Tratado de Geografía Humana. Barcelona: Antrophos, 2006. p. 356- 400

LONGHURST, R. (Dis)embodied geographies. Prog. Human. Geogr., v. 21, n. 4, p. 486-501, 1997, https://doi.org/10.1191/030913297668704177

LULLE, T. DI VIRGILIO, M. M. Mirar la vida urbana desde el caleidoscopio de las movilidades. Revista INVI, v. 36, n. 102, p. 1-19, 2021. https://doi.org/10.4067/

S0718-83582021000200001

MARES, R. M. A dimensão afetiva na experiência urbana: os sentidos do habitar na cidade contemporânea. In: Revista Geografia em Atos, v. 05, n. 12, p.82-98, 2019 https://doi.org/10.35416/geoatos.v5i12.6555

OLIVER. J. E. Fat Politics: the real story behind America’s obesity epidemic. Oxford University Press. 1° ed. 2006.

PEQUENO, V. D. S. Corpo: Uma categoria útil para a Geografia? Boletim Alfenense de Geografia, v. 3, n. 5, p. 18 - 41, 2023. https://doi.org/10.29327/243949.3.5-2

RAMOS, E. C. M.; MILANI, P. H. O corpo fora de lugar: De uma Geografia dos indivíduos para uma Geografia dos sujeitos. GEOgraphia, Niterói, v. 24, n. 52, 2022. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2022.v24i52.a51617

RIBEIRO, A. C. T. Sociabilidade, hoje: Leitura da experiência urbana. Caderno CRH, Salvador, v. 18, n. 45, p. 411 - 422, 2005.

SANTOS, M. O presente como espaço. In:______. Pensando o espaço do homem. São Paulo. EDUSP, 2009, p. 13 - 52.

SANTANA, G., VIDAL, M. R. Perspectivas sobre a mobilidade urbana e a fragmentação socioespacial: Deslocamentos das sujeitas gordas (os) em São Paulo/SP e a mobilidade a partir da renda em Ourinhos/SP. In: XIX Semana de Geografia, 19, 2023, Ourinhos/SP. Anais da XIX Semana de Geografia, 19, 2023, Ourinhos/SP. Disponível: https://drive.google.com/file/d/10w_vqBGprYPNybd4sA0i9Ko7AxksXWT6/view?usp=drive_link Acesso em 17/08/2023.

SANT’ANNA, D. B. Gordos, magros e obesos: uma história do peso no Brasil. São Paulo, Estação Liberdade, 2016

SÃO PAULO (cidade). SP Trans. Banco de dados de Passageiros Transportados – 2023. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/mobilidade/institucional/sptrans/acesso_a_informacao/index.php?p=152415

SÃO PAULO (cidade). SP Trans. Manual dos padrões técnicos de veículos. São Paulo, 2021.

SÃO PAULO (cidade). Secretaria Municipal de Saúde. Linha de cuidado à pessoa com sobrepeso e obesidade da rede de atenção à saúde (RAS) do município de São Paulo, Fev. 2023

SILVA, J. M., ORNAT, M. J., CHIMIN JUNIOR, A. B. O legado de Henri Lefebvre para a constituição de uma Geografia corporificada. Caderno Prudentino de Geografia. v. 3, n. 41, p. 63 - 77, 2019.

SPOSITO, M. E. B. et al. Fragmentação socioespacial e urbanização brasileira: Escalas, vetores, ritmos, formas e conteúdos. In: XX ENANPUR, 20, 2023, Belém/PA. Anais do XX ENANPUR, 20, 2023, Belém/PA. Disponível: https://anpur.org.br/wp-content/uploads/2023/07/sl-17.pdf Acesso em 17/08/2023.

STOIAN, V. C. O. A fragmentação socioespacial e sua relação com as dinâmicas afetivas. In: Revista Geografia em Atos, v. 05, n. 12, p.99-110, 2019. https://doi.org/10.35416/geoatos.v5i12.6516

TURRA NETO, N. Corpo e espaço: algumas considerações. Caderno Prudentino de Geografia, v. 3, n. 41, p. 02 - 08, 2019.

VIGARELLO, G. As metamorfoses do gordo:História da obesidade. Petrópolis, Editora Vozes, 2012

WOLF, N. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, e. 13, 2020

Downloads

Publicado

2024-05-10

Como Citar

SILGUEIRO DOS SANTOS, F. C. A.; SANTANA DA SILVA , G. S. da S. Mobilidade cotidiana e o corpo gordo:: reflexões a partir das lógicas fragmentárias. Revista GeoUECE, [S. l.], v. 13, n. 24, p. e202402, 2024. DOI: 10.59040/GEOUECE.2317-028X.v13.n24.e202402. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/GeoUECE/article/view/11474. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos