• Tensões Mundiais
    v. 13 n. 25 jul/dez (2017)

    Artista dessa edição

    Andrei Loginov, bielorrusso em atividade em Berlim, formou-se em pintura em Minsk, e é mestre pela Academia de Artes de Dusseldorf.  Entre fotografias, fotomontagens, videoarte e instalações, sua obra está impregnada de referências da história da arte e da história política recente. As séries Prototypes e Biosynthetic (2016), inspiradas na música eletrônica e retomando os princípios construtivistas, combinam objetos escultóricos e fotografia 3D. As séries Phantom (2012) e Naturezas-mortas (2010) trazem em fotografias os registros de estranha beleza de um passado abandonado ou transfigurado em entulhos. Em Novos Heróis (2004), Loginov retrata moradores de rua pós-soviéticos como heróis do presente, sobreviventes do novo sistema.

     Artist of this edition 

    Andrei Loginov, Belarusian in activity in Berlin, graduated in painting in Minsk, and has a master's degree by the Academy of Arts in Düsseldorf. Among photographs, photomontages, video art and installations, his work is impregnated with references from art history and recent political history. The series Prototypes and Biosynthetic (2016), inspired in electronic music and resuming the constructivist principles, combine sculptural objects and 3D photography. The series Phantom (2012) and Still-Life (2010) bring in photographs of strange beauty records of a past either abandoned or transfigured into rubble. In New Heroes (2004), Loginov depicts post-Soviet homeless as nowadays heroes, survivors of the new system.

  • Tensões Mundiais (Edição Temática): 100 anos da Revolução Russa
    v. 13 n. 24 jan/jun (2017)

    Artista dessa edição

    Um traço marcante da obra de Frida Kahlo é a introspecção. Explorando traumas físicos e psicológicos, Kahlo é persistente na pintura de autorretratos que revelam suas dores e angústias. O caráter pessoal de sua produção não impede que seja atravessada por temas como a nacionalidade mexicana, expressa no uso de trajes típicos e na combinação de sua imagem à flora e fauna de seu país. Frida e seu marido, o muralista Diego Rivera, foram militantes de esquerda, e acolheram Trotsky e sua esposa quando buscaram exílio no México em 1937. Relativamente à associação de sua obra ao surrealismo, pondera: “eu nunca pintei sonhos. O que mostrei foi minha realidade.

     

    Artist of this edition

    An outstanding feature of Frida Kahlo's work is introspection. Exploring physical and psychological traumas, Kahlo is persistent in self-portraits revealing her pain and anguish. The personal character of her production does not prevent it from being crossed by themes such as Mexican nationality, expressed in the use of typical costumes and in combining her image to the flora and fauna of her country. Frida and her husband, the muralist Diego Rivera, were leftist militants, and welcomed Trotsky and his wife when in search of exile in Mexico in 1937. Regarding the association of her work to surrealism, she adds: "I never painted dreams. What I showed was my reality. "

     

  • Tensões Mundiais
    v. 12 n. 23 jul/dez (2016)

    Artista dessa edição

    Entre imagens fotográficas colecionadas da internet ou de cenas “congeladas” de filmes, Cláudio Tobinaga encontra possibilidades de narrativas que se aproximam do cinematográfico. Faz sentir, em contrapartida, as aparentes ausências de suas composições, que acenam para os limites da ficção. 

    Para Tobinaga, “a atmosfera do ordinário toma contornos de um existencialismo barato, a superfície que seduz é a mesma que engana. Essa condição fantasmagórica é sintoma em um mundo repleto de imagens”. Na série Tensões 23, dentre a opacidade da pintura e a transparência fotográfica emerge o universo distópico que ilustra esta revista. Artista visual atuando no Rio de Janeiro, Cláudio Tobinaga desenvolve projetos em múltiplos meios tais como pintura, escultura, fotografia, vídeo e ações.

     Artist of this edition

    Amongst photographic images collected from the internet or "frozen" scenes from movies, Cláudio Tobinaga finds possibilities of narratives approaching the cinematographic process. It makes you feel, on the other hand, the apparent absence of his compositions, waving to the limits of fiction.

    For Tobinaga, "the atmosphere of the ordinary takes contours of a cheap Existentialism, the surface that lures is the same that cheats. This ghostly condition is a symptom in a world filled with images ". In the series World Tensions 23, between the opacity of the painting and the photographic transparency, there emerges the dystopian universe that illustrates this journal. A visual artist working in Rio de Janeiro, Claudius Tobinaga develops projects in multiple media such as painting, sculpture, photography, video and actions.

  • Tensões Mundiais (Edição Temática): A defesa do Atlântico Sul
    v. 12 n. 22 jan/jun (2016)

    Artista desta edição temática

     
    Henrique Viudez é natural de Fortaleza e iniciou sua produção dedicando-se à arte urbana, com o grafite. Atualmente desenvolve seu trabalho em formatos menores, explorando as possibilidades da aquarela nas obras que ilustram Tensões Mundiais 22. Henrique parece buscar afinado equilíbrio tanto em suas composições formais quanto em sua temática. Utilizando delicados traços e cores ora intensas, ora diluidas, o artista alcança a potente expressao de sua pesquisa em torno de questões de gênero e religiosidade. O resultado são criaturas que se situam entre o mágico e o puramente humano, pairando em doce resistência contra elementos que remetem ao peso e à violência

     Artist of this edition

    Henrique Viudez was born in Fortaleza and he started his work producing urban art, making use of graffiti. Currently he works with smaller shapes, exploring watercolor possibilities such as the ones that illustrate World Tensions 22. Henrique seems to look for a refined balance in his formal production as well as in his themes. Making use of delicate lines and colors that are sometimes strong, sometimes diluted, the artist reaches a powerful expression in his research on issues involving gender and religiousness. The result shows creatures falling between what is magical and what is purely human, hovering in sweet resistance against elements that refer to weight and violence.

  • Tensões Mundias
    v. 11 n. 21 Jul/dez (2015)

    Artista dessa edição

    Daniel Mendes nasceu em Parnaíba (Piauí), em 1966. Artista autodidata, aprimorou-se no uso de elementos encontrados diretamente na natureza. Em suas esculturas, opta pela execução de intervenções discretas, que evidenciam a organicidade do suporte. Nas pinturas, encontra inspiração na arte indígena e “primitiva”, presença marcante nos sítios arqueológicos no Piauí. Daniel expõe permanentemente em Parnaíba, onde suas obras são adquiridas por colecionadores de diversos lugares do mundo. Entre exposições individuais e coletivas temporárias, destacam-se as realizadas em cidades nordestinas.

     Artist of this edition

    Daniel Mendes was born in Parnaíba (Piauí), in 1966. A self-taught artist, he focuses on the use of elements found directly in nature. In his sculptures, he opts for discrete interventions that show the integrity of the medium. In painting he finds inspiration in indigenous and primitive art strikingly present in Piauí archeological sites. Daniel shows his works permanently in Parnaiba where they are purchased by collectors from various places around the world. His temporary individual and collective exhibitions are mostly realized in Northeastern cities.

  • Tensões Mundiais
    v. 11 n. 20 jan/jun (2015)

    Artista dessa edição

    Este número de Tensões Mundiais expõe parte dos grafites feitos durante o Festival Concreto, o 1° evento internacional de arte urbana no Nordeste do Brasil. Realizado no período de 15 a 23 de novembro de 2013 na região metropolitana de Fortaleza, o festival contou com a participação de artistas de países das Américas e da Europa: Narcélio Grud, Glauber Arbus e Estúdio Cuco (Brasil), Amor e Poeta (Argentina), Bankssy (Inglaterra), Borondo (Espanha) e Ino (Grécia).

    Artist of this edition

    This edition of World Tensions exposes part of the graffiti made during the Concrete Festival, the 1° international urban art event in northeastern Brazil. The Festival happened in the period from 15 to 23 November 2013 on the metropolitan region of Fortaleza and had the participation of artists from countries of the Americas and Europe: Narcélio Grud Glauber Arbus and Cuco's Studio (Brazil), Love and Poet (Argentina), Bankssy (England), Borondo (Spain) and Ino (Greece).

  • Tensões Mundias (Edição Temática): BRICS
    v. 10 n. 18,19 (2014)

    Artista dessa edição 

    Nesta edição temática sobre os BRICS homenageamos e agradecemos aos artistas que tem, gentilmente, cedido suas obras para ilustrar a revista Tensões Mundiais. 

    Artist of this edition

    In this thematic edition on the BRICS we honor and thank the artists who have kindly donated their works to illustrate the journal World Tensions.

  • Tensões Mundiais
    v. 9 n. 17 jul/dez (2013)

    Artista dessa edição

    Graciano Dantas da Silva nasceu em Fortaleza há 46 anos. Ainda pequenino, seus pais - o pescador Pedro e a rendeira Aldenora - vieram morar na praia do Iguape, município de Aquiraz. É no povoado de pescadores, onde reside até hoje, que Graciano encontra inspiração para suas pinturas. Sem nunca ter frequentado um ateliê de arte, ele sonha em expor seus quadros que retratam com tintas coloridas, rendas e alto relevo a paisagem, o trabalho e a cultura de uma comunidade marítima do Ceará.

    Artist of this edition 

    Graciano Dantas da Silva was born in Fortaleza 46 years ago. When he was a little kid, his parents - the fisherman Pedro and the artisan Aldenora - came to live on the beach of Iguape, municipality of Aquiraz. It is in the fishermen village, where he resides today, that Graciano finds inspiration to his paintings. Without ever having attended a workshop of art, he dreams on exposing his works that portray with colored tints, laces and high relief the landscape, the work and the culture of a maritime community of Ceará.

  • Tensões Mundiais
    v. 9 n. 16 jan/jun (2013)

    Artista dessa edição

    Lindenberg Munroe nasceu em Fortaleza e, desde 2008, reside em Manchester, Inglaterra. O desenho foi sua primeira manifestação artística, aos cinco anos de idade. Também é músico/compositor e trabalha com vídeo/edição, animação em 3D e fotografia. Em suas obras, Lindenberg parte de ideias simples como pontos, círculos e linhas que evoluem para estruturas mais complexas, podendo resultar numa finalização abstrata ou figurativa. Assim, busca um diálogo entre simplicidade e complexidade, ciente de que esses dois elementos são inseparáveis em suas mais abrangentes perspectivas.

    Artist of this edition

    Lindenberg Munroe was born in Fortaleza, and since 2008 lives in Manchester, England. At the age of five he was introduced to arts and made his first drawings. He is also a musician/writer and works with video/edition, 3D animation and photography. In his oeuvres, Lindenberg starts with simple inspiration, as dots, circles and lines, which evolve to more complex structures that can result at an abstract or figurative finalization. So, he seeks a dialogue between simplicity and complexity, aware that these two components are inseparable in their wider perspectives.

     

  • Tensões Mundiais (Edição Temática): Desastres Naturais
    v. 8 n. 15 jul/dez (2012)

    Artista dessa edição

    As pinturas de Mardônio Carvalho Mapurunga, engenheiro agrônomo e artista plástico, ilustram esta edição temática de Tensões Mundiais. Seus desenhos figurativos de pessoas, anjos, pássaros, peixes e dragões, quase sempre entrelaçados, geram imagens com composições inusitadas. Para expressar sua visão de mundo, Mardônio adota uma técnica peculiar com fortes conexões ao grafite e ao surrealismo.

    Artist of this edition 

    The paintings of Mardônio Carvalho Mapurunga, agricultural engineer and artist, illustrate this thematic issue of World Tensions. His figurative drawings of people, angels, birds, fishes and dragons, frequently intertwined, produce images with unusual compositions. To express his worldview, Mardônio adopts a peculiar technique with strong connections to graphite and surrealism.

     

     

  • Tensões Mundiais
    v. 8 n. 14 jan/jun (2012)

    Artista dessa edição

    Iana Soares nasceu em Fortaleza. Formou-se em Ciências Sociais (UECE) e estuda Comunicação Social (UFC), tendo atuado junto a movimentos sociais indígenas e camponeses. No seu percurso profissional, percebeu que, além de palavras, podia usar a luz para contar histórias. Assim, vem se dedicando à fotografia que reflete a “ficcionalização” do cotidiano ou o real imaginado. Iana participou de várias exposições no Ceará. As fotos que ilustram esta edição compõem um ensaio realizado em 2012, durante sua viagem a Buenos Aires e Montevidéu. Atualmente; ela é editora-adjunta do Núcleo de Imagem do jornal O POVO e diretora do Instituto da Fotografia. 

    Artist of this edition

    Iana Soares was born at Fortaleza. She graduated in Social Sciences (UECE) and studies Social Communication (UFC), having worked with indigenous and peasants’ social movements. During her professional trajectory, she realized that, besides words, she could use light to tell stories. So, she has been dedicated to the photography which reveals the “fictionalization” of everyday life or the imagined reality. Iana contributed with many exhibitions at Ceará. The pictures that illustrate this edition are part of a composition made during her trip to Buenos Aires and Montevideo. Actually, she is adjunct-editor of the Center for Images at O POVO newspaper and director of the Institute of Photography.

  • Tensões Mundiais (Edição Temática): África
    v. 7 n. 13 jul/dez (2011)

    Artista dessa edição

    Rui Jorge Semedo é natural de Guiné-Bissau e sua admiração pelas artes plásticas começou desde muito cedo. Mas, foi no Brasil, durante a graduação em ciências sociais na Universidade Federal de Roraima e como mestrando no programa de pós-graduação em ciência política na Universidade Federal de São Carlos, que surgiu a inspiração para pintar. O conjunto de dez obras resultou na exposição intitulada “Fora do lugar: negação dos deveres e direitos”. As telas retratam a situação sociopolítica africana e, particularmente, de sua terra natal.

    Artist of this edition

    Rui Jorge Semedo, born in Guinea-Bissau, enjoyed arts since he was a child. But, it was in Brazil, during his studies on Social Sciences at the Federal University of Rondonia and, latter, while doing his master degree in Political Science at the Federal University of São Carlos that he became inspired to paint. The set of ten works was first presented at an exhibition called “Out of place: the denial of rights and duties”. The paintings show African sociopolitical reality and, more particularly, the situation on his homeland. 

  • Tensões Mundiais
    v. 7 n. 12 (2011)

    Artista dessa edição

    Rian Fontenele nasceu, em 1977, na cidade de Ubajara, Ceará. Formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Ceará, Rian frequentou a renomada Da Vinci Escola D’art em Barcelona. Seu trabalho inclui linguagens diversas, como a gravura, a xilogravura, a pintura e o desenho. O artista plástico participou de diversas exposições dentro e fora do Brasil. Em 2005, recebeu o premio de melhor desenho da XIII Unifor Plástica e, em 2009, foi agraciado com o premio de melhor pintura pela Bienal da Unifor. Os belos traços e tons sutis da obra de Rian ilustram esta edição de Tensões Mundiais.

    Artist of this edition

    Rian Fontenele was born in 1977, at Ubajara, in the state of Ceará. He graduated in the field of Urbanism and Architecture at Federal University of Ceará, and attended the well-known Da Vinci School of Arts, at Barcelona. His work includes a diversity of languages like engraving, design, painting, and drawing. The artist has participated in many expositions in Brazil and outside the country. In 2005 he was awarded as the best drawing at the XIII Unifor Plástica and in 2009 as the best painting at Bienal Unifor. The beautiful lines and subtle colors of Rian’s oeuvre illustrate this edition of World Tensions.

  • Tensões Mundiais
    v. 6 n. 11 jul/dez (2010)

    Artista dessa edição

    Pedro Bismarck de Albuquerque Filho, natural de Iguatu, no Ceará, pintou suas primeiras telas aos 14 anos. Desde então, ele participou de vários cursos, recebeu incentivo dos artistas Zezé Macedo e Antonio Babinski e ensinou Artes Plásticas em João Pessoa. Admirador das obras de Kandiski e Pollock, Pedro define seu estilo como “abstrato” e utiliza cores vibrantes e alegres como pode ser visto nas suas pinturas que ilustram este número de Tensões Mundiais.

    Artist of this edition

    Pedro Bismarck de Albuquerque Filho was born in Iguatu, Ceará, and his first canvases were done at the age of fourteen. Since then, he participated in various courses, received encouragement from artists like Zezé Macedo and Antonio Babinski, and taught Plastic Arts in João Pessoa. Admirer of the works of Kandiski and Pollock, Pedro defines his style as “abstract” and uses vibrant and joyful colors as can be seen in his paintings that illustrate this edition of World Tensions.

  • Tensões Mundiais
    v. 6 n. 10 jan/jun (2010)

    Artista dessa edição

    Na vida de Francisco Cardoso de Oliveira Júnior, os trabalhos de artista plástico, designer gráfico e ilustrador se misturam. Todos são formas de expressão de idéias e estão impregnados de referências a escolas e estilos que o artista mistura a bel prazer em busca da construção de uma icnografia própria. Suas obras contêm forte influência da arte popular nordestina, pois acredita que “quanto mais um homem fala sobre seu quintal mais aparece verdadeiramente aquilo que de universal existe”. Como qualquer criança, Francisco Cardoso adorava desenhar e nunca parou, sendo premiado no Salão Paulista de Arte Contemporânea e em exposições em Fortaleza, cidade onde nasceu em 1966.

     

  • Tensões Mundiais
    v. 5 n. 9 jul/dez (2009)

    Artista dessa edição

    Carlus Campos nasceu no município de Russas, Ceará. Ainda criança, influenciado pelos seriados de ficção cientifica da TV, começou a desenhar. O desenho, aliás, constitui sua forma predileta de manifestação artística. Em 1987, passou a atuar profi ssionalmente como ilustrador e caricaturista na imprensa local. Após breve incursão pela publicidade, retornou ao jornalismo, em que hoje desenvolve trabalhos com infogravura, pintura e colagem. Frequentando exposições no país e no exterior, com signifi cativa presença nos salões internacionais de humor, Carlus se destaca por suas peças publicitárias, livros infantis e artes plásticas, cuja ênfase é a experimentação.

  • Tensões Mundias
    v. 5 n. 8 jan/jun (2009)

    Artista dessa edição

    Inês Roland nasceu na cidade de Fortaleza, em 1955, e ainda cedo revelou pendor para o desenho. Frequentando cursos na Casa Raimundo Cela e no Nuclearte, descobriu a pintura, seu meio de expressão até hoje. A paisagem marinha do Meireles e do Mucuripe causou-lhe forte impressão transfigurada em arte, sendo o motivo da sua primeira tela, seguido por cenas campestres, naturezas mortas, temas religiosos. Recentemente, surgem duas séries: a figuração de bairros tradicionais invadidos por grandes edifícios e pelo negro do asfalto, e a mata tropical fulgurante, em que se percebe a marca de gestos humanos – árvores e galhos cortados, picadas, caminhos. Inês participa de eventos e exposições de artes desde os anos 1970 e, em 2009, expôs parte das telas mostradas neste número de “Tensões Mundiais” na “II Mostra SESC de Arte Naïf”. 

  • Tensões Mundiais
    v. 4 n. 7 jul/dez (2008)

    Artista dessa edição

    Marília Bulhões nos presenteia, nesta edição, com algumas de suas obras abstratas em acrílico sobre tela, revelando o trajeto e o olhar da artista plástica potiguar sobre o mundo. Em 1996, deixou Natal, no Rio Grande do Norte. Desde então, residiu em Caracas, Bogotá, Washington, Nova York e Assunção. Enquanto no exterior, aproveitou para aprimorar sua formação artística. Estudou na Corcoran College of Arts and Design e na The Art Students League of New York. Em 2008, retornou ao Brasil. Com participação expressiva em mostras no país e no estrangeiro, Marília exibe em seus trabalhos traços fortes e marcantes, com texturas peculiares e gestuais.

  • Tensões Mundiais
    v. 4 n. 6 jan/jun (2008)

    Artistas dessa edição

    Francisco Sérgio Sales Pinheiro (Sérgio Pinheiro) nasceu em Jaguaribe (CE) em 1949. Ainda jovem, aprende
    múltiplas técnicas artísticas com Zenon Barreto e viaja para o Rio de Janeiro, onde estuda comunicação visual no Museu de Arte Moderna. Na década de 1980, obtém o diploma de mestre em artes plásticas na Universidade de Paris. Participa do Salão dos Independentes, da Exposição de Artistas Latino-Americanos e do evento Art en Boite que acontece em diversos países, além de realizar exposições individuais. Mantém relação profissional com a Galeria Denise René, porta de entrada dos que se interessam pelo construtivismo no mundo artístico. Em 2007, comemora quarenta anos de pintura no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura apresentando, com a ajuda de recursos digitais, o tema que desenvolve atualmente: Os Ambulantes.

  • Tensões Mundiais
    v. 3 n. 5 jul/dez (2007)

    Artista dessa edição

    Maria do Socorro Torquato Maia, ou Côca, nasceu na cidade de Parambu, na região de Inhamuns (CE), no dia
    26 de abril de 1958. Autodidata, desde jovem executa trabalhos artísticos, mas só em 1992 assumiu profissionalmente seu talento. Foi colaboradora assídua do jornal O Pão e ilustrou vários livros e cordéis. É desenhista, pintora e escultora. Desde 1996, dedica-se à produção de cerâmicas vitrificadas. Sua produção artística está intimamente ligada ao movimento armorial, criado por Ariano Suassuna, e busca, em síntese, uma arte elaborada a partir das mais profundas raízes da cultura nordestina. Côca Torquato tem realizado, de 1998 até os dias atuais, várias exposições (individuais e coletivas) em diversas capitais brasileiras e em países como França e Portugal.

  • Tensões Mundiais
    v. 3 n. 4 jan/jun (2007)

    Artista dessa edição

    O quarto número de Tensões Mundiais apresenta as obras do artista plástico João Sérgio Sousa Lima (09/9/1946). Sua primeira exposição individual retratava os conturbados acontecimentos políticos de 1968.
    Neste ano, transferiu-se de Fortaleza para o Rio de Janeiro, onde participou do movimento artístico da cidade, estudou com Maria Bonomi e realizou trabalhos de criação visual. Na década de 1970, iniciou sua fase ecológica, denunciando as agressões aos espaços urbanos, a poluição nos rios e a devastação de florestas, o que lhe conferiu inúmeros prêmios no Brasil e no exterior. Sérgio continua atuante no mundo das artes.

  • Tensões Mundiais
    v. 2 n. 3 jul/dez (2006)

    Artista dessa edição

    A obra da artista e educadora Nice ilustra os artigos deste terceiro número de Tensões Mundiais. O colorido vivo de suas pinturas e seus bordados revelam uma alma alegre, marcada pelos dias luminosos de Aracati, onde nasceu (18/07/1921). Desde que ingressou na Sociedade Cearense de Artes Plásticas (1950), sua vida tem sido dedicada à pesquisa e ao ensino de artes plásticas, particularmente em escolas públicas. Exposições no 9º Salão de Abril, em Fortaleza, ou na Casa das Culturas do Mundo e no 3º Salão Internacional de Arte Naif, em Paris (1986), fazem parte do cotidiano de Nice. Hoje, ela continua com seu trabalho de formação de jovens e crianças no Conservatório de Música Alberto Nepomuceno.  

  • Tensões Mundiais
    v. 2 n. 2 jan/jul (2006)

    Artista dessa edição 

    As pinturas de Estrigas, nascido Nilo de Brito Firmeza (19/09/1919), ilustram os artigos desta segunda edição da revista. Para ele, a arte é vida: expressa a tensão constante entre o ser humano e as forças da natureza, com as quais é preciso estabelecer elos de contato mediante rituais mágicos e religiosos. Ao suprir necessidades vitais da humanidade, a arte tornou-se, ela mesma, uma necessidade vital. Aos 87 anos, personagem e testemunha do movimento artístico, Estrigas é fundador da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (1944-1958) e do Museu Firmeza (1969), além de autor de um conjunto de livros que formam parte da memória da arte brasileira.

  • Tensões Mundiais
    v. 1 n. 1 jul/dez (2005)

    Artista dessa edição

    Os trabalhos da artista, professora e escritora cearense Maria Luiza Viana (1951-2005) ilustram os artigos deste número da revista Tensões Mundiais. Mariza, como era conhecida, participou de inúmeras exposições coletivas no Brasil e no exterior, destacando-se a Mostra Internacional na Espanha (1998) e o Salão Internacional da Gravura no Florean Museun, România (2004/2005).