Acesso lexical em língua minoritária

A seleção de palavras escritas em hunsriqueano e pomerano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46230/2674-8266-13-7371

Palavras-chave:

Acesso lexical, Metodologia, Leitura, Hunsriqueano, Pomerano

Resumo

Estudos sobre acesso lexical têm priorizado línguas majoritárias em detrimento das línguas minoritárias. Porém, as comunidades de falantes de língua minoritária, como o hunsriqueano e o pomerano, demonstram um interesse cada vez maior em ler e escrever em uma de suas línguas maternas. Diante disso, o objetivo deste trabalho é discutir questões metodológicas envolvidas na seleção de palavras escritas em hunsriqueano e pomerano para uma tarefa de decisão lexical. Com esse experimento, investigamos o acesso a palavras escritas em língua minoritária. Este estudo discute as especificidades da seleção de estímulos psicolinguísticos em duas línguas minoritárias, considerando principalmente a falta de materiais escritos e de padronização, as diferenças entre ambas as línguas e as semelhanças com a língua alemã. A contribuição deste estudo evidencia a importância de pesquisas que envolvam línguas minoritárias, a fim de cooperar nas necessidades dos falantes, favorecendo, assim, a manutenção das línguas minoritárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisandro Völz, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Graduando em Letras - Português e Alemão na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas-RS; bolsista de iniciação científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs) e membro do Laboratório de Psicolinguística, Línguas Minoritárias e Multilinguismo (Laplimm).

Bernardo Kolling Limberger, Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Professor do curso de Letras - Português e Alemão e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Líder do Laplimm.

Referências

ABUTALEBI, J. et al. Late acquisition of literacy in a native language. Human Brain Mapping, v. 28, n. 1, p. 19-33, 2007. https://doi.org/10.1002/hbm.20240

ALTENHOFEN, C. V. Hunsrückisch in Rio Grande do Sul: Ein Beitrag zur Beschreibung einer deutschbrasilianischen Dialektvarietät im Kontakt mit dem Portugiesischen. Stuttgart: Steiner, 1996.

ALTENHOFEN, C. V. et al. Fundamentos para a escrita do Hunsrückisch falado no Brasil. Revista Contingentia, v. 2, n. 51, p. 73-87, 2007.

ALTENHOFEN, C. V. Dachsprachenwechsel und Varietätenabgrenzung im Kontakt zwischen Hunsrückisch und Portugiesisch in Brasilien. In: B. Fred (ed.). Festschrift für Harald Thun zum 60. Geburtstag. Kiel: Westensee-Verlag, p. 1-26, 2010.

ALTENHOFEN, C. V. Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, C. et al. (orgs.). Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 93-116.

AMMON, U. Die Stellung der deutschen Sprache in der Welt. Berlin: De Gruyter, 2015. https://doi.org/10.1515/9783110241075

BARCELOS, L. O acesso lexical em trilíngues brasileiros falantes de português, inglês e francês, 2016. 158 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Programa de Pós-Graduação de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2016.

BEILKE, N. S. V. Pommersche Korpora: uma proposta metodológica para compilação de corpora dialetais. 2016. 285 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

BLANK, C. A. A influência grafo-fônico-fonológica na produção oral e no processamento de priming em multilíngues: uma perspectiva dinâmica. 2013. 225 f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas (UCPel), Pelotas, 2013.

BOSMA, E.; NOTA, N. Cognate facilitation in Frisian–Dutch bilingual children’s sentence reading: An eye-tracking study. Journal of Experimental Child Psychology, v. 189, p. 1-18, 2020. https://doi.org/10.1016/j.jecp.2019.104699

BRYSBAERT, M. et al. The Word Frequency Effect. Experimental Psychology, v. 58, n. 5, p. 412–424, 2011. https://doi.org/10.1027/1618-3169/a000123

DIJKSTRA, T.; VAN HEUVEN, W. J. B. The architecture of the bilingual word recognition system: From identification to decision. Bilingualism: Language and Cognition, v. 5, n. 3, p. 175–197, 2002. https://doi.org/10.1017/S1366728902003012

DIJKSTRA, T. Bilingual visual word recognition and lexical access. In: KROLL, J.; DE GROOT, A. M. B. (Eds.). Handbook of Bilingualism: Psycholinguistic Approaches. Oxford: Oxford University Press, p. 179–201, 2005.

FIELD, J. Psycholinguistics: A resource book for students. Psychology Press, 2003.

FONTES, A. B.; BRENTANO, L.; TOASSI, P. F.; SITTIG, C.; FINGER, I. Evidence of non-selective lexical access in children from a Portuguese-English bilingual school. PROLÍNGUA, v. 15, n. 2, p. 183–197, 2020. https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-9979.2020v15n2.54901

FOERSTE, E.; FOERSTE, G. M. S. Língua, Cultura e Educação do Povo Tradicional Pomerano. Educação em Revista, n. 33, p.1-24, 2017. https://doi.org/10.1590/0102-4698153099

IPOL. Lista de línguas cooficiais em municípios brasileiros, 2021. Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística. Disponível em: http://ipol.org.br/lista-de-linguas-cooficiais-em-municipios-brasileiro/. Acesso em: 23 nov. 2021.

GUASCH, M. et al. NIM: A Web-based Swiss Army knife to select stimuli for psycholinguistic studies. Behavior Research Methods, v. 45, p. 765-771, 2013. https://doi.org/10.3758/s13428-012-0296-8

KEULEERS, E.; BRYSBAERT, M. Wuggy: A multilingual pseudoword generator. Behavior Research Methods, v. 42, n. 3, p. 627–633, 2010. https://doi.org/10.3758/BRM.42.3.627

KERKHOFS, R. et al. Testing a model for bilingual semantic priming with interlingual homographs: RT and N400 effects. Brain Research, v. 1068, n. 1, p. 170–183, 2006. https://doi.org/10.1016/j.brainres.2005.10.087

KRAMER, R.; MOTA, M. B. Effects of bilingualism on inhibitory control and working memory: a study with early and late bilinguals. Gragoatá, v. 38, p. 309–331, 2015. https://doi.org/10.22409/gragoata.v20i38.33312

LIMBERGER, B. K. Processamento da leitura e suas bases neurais: um estudo sobre o hunsriqueano. 2018. 269 f. Tese – Programa de Pós-graduação em Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. https://doi.org/10.13140/RG.2.2.28790.42563

LIMBERGER, B. K. et al. A língua pomerana do rio grande do sul: revisão de literatura. Web Revista SOCIODIALETO, [S.l.], v. 12, n. 34, p. 1-36, 2021. https://doi.org/10.48211/sociodialeto.v12i34.390

MACHADO, L. L. Standard e substandard em contato com o português: variação na competência de fala em Hochdeutsch de falantes de Hunsrückisch. 169 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

MARIAN, V. et al. CLEARPOND: Cross-Linguistic Easy-Access Resource for Phonological and Orthographic Neighborhood Densities. PLoS ONE, v. 7, n. 8, p. 1–11, 2012. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0043230

PINTO, N. B.; FONTES, A. B. A. L. Controle metodológico: criação de um corpus para estudos sobre o processamento lexical de indivíduos bilíngues e multilíngues. Gragoatá, v. 23, n. 46, p. 374-404, 30 ago. 2018. https://doi.org/10.22409/gragoata.v23i46.33582

PINTO, N. B.; FONTES, A. B. A. L. O acesso lexical em falantes multilíngues português-inglês-italiano. Veredas-Revista de Estudos Linguísticos, v. 24, n. 1, p. 291-316, 2020. https://doi.org/10.34019/1982-2243.2020.v24.30512

SAMBAQUY-WALLNER, V. A língua alemã em São José do Hortêncio - RS. Caxias do Sul: EDUCS, 1998.

SCHAUMLOEFFEL, M. A. Estudo da Interferência do Português da Variedade Dialetal Hunsrück Falada em Boa Vista do Herval. 2003. 136 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.

SCHNEIDER, A. Dicionário escolar conciso: português-pomerano/pomerisch- portugijsisch. Porto Alegre: Evangraf, 2019.

STEFFEN, J.; ALTENHOFEN, C. V. Spracharchipele des Deutschen in Lateinamerika: Dynamik der Sprachvernetzungen im mehrsprachigen Raum. Zeitschrift für Dialektologie und Linguistik, v. 81, n. 1, p. 34–60, 2014.

TOASSI, P. F. P.; MOTA, M. B.; TEIXEIRA, E. N. O efeito de palavras cognatas no acesso lexical do inglês como terceira língua. Cadernos de Tradução, v. 40, n. 2, p. 74–96, set./dez, 2020. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40nesp2p74

TRESSMANN, I. Dicionário Enciclopédico Pomerano-Português. Vitória: Gráfica e Encadernadora Sodré, 2006.

TRESSMANN, I. O pomerano: uma língua baixo-saxônica. Educação, cultura e sociedade. Revista da Farese (Faculdade da Região Serrana). Santa Maria de Jetibá, v. 1, p. 10-21, 2008.

VAN ASSCHE, E.; DUCK, W.; HARTSUIKER, R. J. Context Effects in Bilingual Sentence Processing: Task Specificity. In: HEREDIA, R. R. et al. (eds.). Methods in Bilingual Reading Comprehension Research. The Bilingual Mind and Brain Book Series 1, Methods in Bilingual Reading Comprehension Research. New York, NY: Springer New York, p. 11-31, 2016. https://doi.org/10.1007/978-1-4939-2993-1_2

VAN HEUVEN, W. J. B.; DIJKSTRA, T.; GRAINGER, J. Orthographic Neighborhood Effects in Bilingual Word Recognition. Journal of Memory and Language, v. 39, p. 458–483, 1998. https://doi.org/10.1006/jmla.1998.2584

VAHL, M. S. Motivações para a alternância de código português-pomerano entre alunos do Ensino Médio de Arroio do Padre – RS. 2017. 165 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras do Centro de Letras e Comunicação, Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, 2017.

VERBAND DEUTSCHER VEREINE. Cem anos de germanidade no Rio Grande do Sul. Tradução de: Arthur Blásio Rambo. São Leopoldo: Editora Unisinos, 1999.

WIESEMANN, U. Contribuição ao desenvolvimento de uma ortografia da língua Hunsrik falada na América do Sul. Associação Internacional de Lingüística–SIL, Cuiabá, p. 1-37, 2008.

Downloads

Publicado

2022-03-11

Como Citar

VÖLZ, L.; LIMBERGER, B. K. . Acesso lexical em língua minoritária: A seleção de palavras escritas em hunsriqueano e pomerano. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 13, n. 4, p. 117–133, 2022. DOI: 10.46230/2674-8266-13-7371. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/7371. Acesso em: 16 maio. 2022.